Timber by EMSIEN-3 LTD
  • cmd guarda
Redação Douranews

Redação Douranews

Quinta, 05 Dezembro 2019 16:04

Morre em Dourados o maestro Adilvo Mazzini

Morreu nesta quinta-feira (5), em Dourados, o maestro Adilvo Mazzini, um dos principais professores de canto de Dourados. Ele sofreu um AVC na segunda-feira (2) e estava hospitalizado.

O DiárioMs repercute que a informação da morte do maestro causou comoção na comunidade artística douradense, especialmente em ex-alunos que por muitos anos conviveram com ele, seja em aulas de canto ou atuando nos diversos corais que regeu em Dourados e região.

Vida e obra

Filho de Carlos Mazzini e Regina Tamanini, Adilvo é natural de Itoupava, município de Rio do Sul (SC), onde nasceu em Outubro de 1943. Frequentou seminários franciscanos de Rodeio (SC), Rio Negro (PR) e Agudos (SP), oportunidade em que teve ensinamentos excelentes, quer em línguas, quer em música, quer em cidadania. Casado com Ilza Rocha Mazzini, é pai de Cristiane e de Adílson e avô de Hanya (filha de Adílson). Chegou no então Mato Grosso em 1966, fixando-se na cidade de Rio Brilhante, como professor de língua portuguesa, educação física, latim e francês.

Em 1970 transferiu-se para Dourados, onde cursou Letras na então UFMS, hoje UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados). Além do magistério, desempenhou funções, principalmente na área cultural, tendo sido Diretor de Cultura da então Funced (Fundação Cultural e de Esportes de Dourados). Fez parte da equipe que implantou o Encontro de Corais Dourados, realizados a cada ano, até meados da 1ª década de 2.000. Fundador e regente do Coral Santa Cecília (depois Coral Guaraoby - destaque no MS), foi ainda regente de outros corais, como os das cidades de Caarapó e Rio Brilhante.

Além de possuir o título de Cidadão Douradense, recebeu várias condecorações pelos serviços culturais prestados. Por longos anos, fez parte do grupo de Regentes Corais da Funarte, a Fundação Nacional de Arte, tendo sido seu coordenador local nos projetos Villa Lobos (canto coral), Rede Nacional da Música (música erudita), Pixinguinha (música popular). Na literatura, além de matérias publicadas em jornais e revistas, algumas do exterior, editou e participou de vários livros, incluindo:
- Retalhos de Mim (2004), solo - poesia;
- Poetas Dourados (2004), coletânea – poesia – org. Nicanor Coelho;
- Estação Catarina - o trem passou por aqui – coletânea – crônicas – org. Fátima Venutti;
- O Banco da Varanda (2012) – parceria com Maria de Fátima Freire de Sá – cartas;
- Rumores da Alma (2015) – coletânea – poesia – Ebook - org Neida Rocha;
- Voz da Montanha – (2016) – Imigrantes, história, usos e costumes, tendo como base a imigração do Vale de Itoupava, Rio do Sul – SC.

Comentário

O Ministério Público de Mato Grosso do Sul, por meio do Promotor de Justiça Eteocles Brito Mendonça Dias Junior, recomendou ao Município de Dourados que altere, no prazo máximo de 15 dias úteis, o artigo 12 dos estatutos da Funsaud (a Fundação de Serviços em Saúde de Dourados), modificando a composição do Conselho Curador e que seja retirada da presidência desse organismo o Secretário Municipal de Saúde, substituído na composição original por membros da sociedade civil organizada, “dando concreção aos princípios da eficiência, moralidade, controle social e democracia”.

Conforme o artigo 12 e seguintes do anexo único do Decreto 1.072, de 14 de maio de 2014, que dispõe sobre o Estatuto da Fundação, o Conselho Curador é a instância deliberativa superior responsável pela fiscalização e controle da gestão, pela avaliação de desempenho e pela aprovação das políticas adotadas para a execução do Contrato de Gestão.

Nesse sentido, o Promotor de Justiça explica que o estatuto confunde as figuras de fiscalizador e fiscalizado, “o que embaraça e compromete a eficiência e credibilidade do Conselho Curador da entidade, colocando como seu protagonista o próprio chefe da pasta respectiva, autoridade sanitária da mais alta hierarquia dentro do ente federativo municipal, fora o Prefeito Municipal, e quebra a paridade de forças dentro do colegiado, atribuindo poder de veto de qualidade e investidura perene ao Secretário Municipal de Saúde, que em tese já exerce controle e fiscalização frente à entidade fundacional, embora de forma descentralizada”.

O Promotor de Justiça Eteocles Brito explica ainda que o Poder Executivo Municipal já possui acento perante o órgão na figura representada pelo componente indicado pela prefeita, bem como que o Estatuto da Funsaud rejeita por completo a participação da sociedade civil organizada na gestão do órgão, “fazendo tábula rasa dos princípios constitucionais da democracia, controle social do SUS, eficiência, moralidade e impessoalidade”.

Eteocles Brito levou em consideração que o parágrafo 1º do artigo 12 do estatuto da entidade institui que o mandato dos membros do Conselho Curador tem duração de dois anos, permitindo-se a recondução, ressalvados os casos do Secretário Municipal de Saúde e do Diretor-Presidente da Funsaud, membros natos por ocasião do cargo, e que o parágrafo 4º do mesmo dispositivo fixa que a presidência do Conselho Curador será exercida justamente pelo Secretário Municipal de Saúde de Dourados, cabendo-lhe, além do voto ordinário, o voto de qualidade.

Do Conselho Curador participam um membro indicado pelo Prefeito Municipal, um membro indicado pela Secretaria Municipal de Saúde dentre servidores municipais com escolaridade de nível superior, um membro indicado pelo Secretário de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul, um representante do Conselho Municipal de Saúde, eleito pelo seu plenário, e um representante dos trabalhadores da Funsaud e respectivo suplente, eleitos pela maioria dos seus pares.

A Prefeitura de Dourados tem o prazo de 10 dias úteis, para informar à Promotoria de Justiça se acolherá ou não a recomendação. Em caso de descumprimento, serão adotadas providências judiciais e extrajudiciais pertinentes para garantir a prevalência das normas de proteção aos direitos constitucionais dos cidadãos e à probidade administrativa.

Comentário

Projeto de lei da vereadora Daniela Hall (PSD) isenta o morador de pagar taxa de iluminação, se não tiver atendida solicitação pela Prefeitura de Dourados quanto aos serviços de iluminação pública exigidos. A vereadora diz que enquanto a Prefeitura arrecada mais de R$ 15 milhões por ano da Cosip (a Contribuição para o Custeio da Iluminação Pública dos Municípios), os bairros da cidade estão na escuridão.

A proposta, que está tramitando no Legislativo, obriga a Prefeitura a trocar a lâmpada do poste sem luz em prazo máximo de 20 dias. A autora do projeto explica que a medida tem a finalidade de fazer com que o município faça a sua parte. "Sem um prazo previsto em lei, a Prefeitura faz pouco para resolver a questão, que gera um problema muito maior, de segurança pública. Prova disso são as poucas equipes que o município disponibiliza para fazer a manutenção. São cerca de cinco atuando apenas no período da manhã. Enquanto isso a cidade está nas escuras. Os consumidores acionam o serviço Disque-Lâmpadas e não vêm suas solicitações sendo atendidas com agilidade. Há casos de um ano a espera do serviço. Se o consumidor é obrigado a ter prazo para pagar, a Prefeitura também deve ter prazo para fazer a manutenção", destaca.

De acordo com o projeto de lei, a Prefeitura deverá realizar o serviço de reposição e reparo de lâmpadas ou luminárias danificadas no prazo de 20 dias úteis, contados a partir do protocolo do pedido. Em caso de descumprimento do prazo estabelecido no caput, o Município deverá suspender imediatamente a cobrança da Cosip da unidade imobiliária autônoma ou não imobiliária, do cidadão.

Segundo levantamento feito pela vereadora, a cidade de Dourados já arrecadou até outubro deste ano quase R$ 15 milhões da Contribuição para o Custeio da Iluminação Pública dos Municípios. Trata-se de valores mensais que são embutidos na conta de energia elétrica e que são pagos mensalmente pelos douradenses.

De acordo com dados da Energisa, no mês de janeiro, a Prefeitura de Dourados arrecadou R$ 1.444.104,08; em fevereiro foram arrecadados R$ 1.556.031,16; em março foram R$ 1.624.958,09,90; em abril, R$ 1.013.909,90; maio, R$ 1.539.712,87; em junho foram R$ 1.571.076,93 e julho, 1.384.356,64; em agosto, R$ 1.316.711,45; em setembro, R$ 1207090,37; e em outubro, R$ 1.286.879,70. O valor total arrecadado nas contas de energia e repassado para a Prefeitura soma R$ 14.544.831,19.

O valor daria para trocar as lâmpadas de toda a cidade por oito vezes, levando em conta apenas a compra de luminárias. Isso porque com pouco mais do que 91 mil unidades consumidoras no município, o valor arrecadado daria para comprar mais de 727 mil lâmpadas de postes do modelo tradicional luz mista 160 W, marca Fox Lux, ao custo de R$ 20 a unidade.

Escuridão

Ao contrário do que deveria ser, a cidade de Dourados está na escuridão. Relatório que consta em ação civil pública movida pelo Ministério Púbico Estadual e de autoria da vereadora Daniela Hall apontou em julho desse ano que há localizações com até 50% das lâmpadas apagadas. É o caso do bairro Bonanza I com 168 lâmpadas apagadas e oito postes sem rede elétrica. No Campo Belo I e 2 são mais de 140 lâmpadas apagadas e 9 postes sem rede elétrica. No Campo Belo 3 são 123 lâmpadas apagadas. No Canaã II são 20 lâmpadas apagadas e seis postes sem rede elétrica. No Canaã III são mais de 12 lâmpadas apagadas; na Chácara Califórnia são 30 lâmpadas apagadas e 17 postes sem rede elétrica. Na Cohab II são 15 lâmpadas apagadas, no Dioclécio Artuzi são 37, no Dioclécio Artuzi II são 48 lâmpadas apagadas, no Guaicurus, são 161 apagadas; no Colibri são 42; no Jardim dos Estados são 17, no Jardim Itália são 16; no Jóquei Clube são 44; Laranja Doce, 5 apagadas; no Parque das Nações II são 56 apagadas; Parque do Lago I são 29 apagadas; no Parque dos Jequitibás são 164 apagadas e 12 postes sem rede elétrica; na sitioca Campina Verde são 110 lâmpadas apagadas; na Vila Cachoeirinha são 38 e na Vila Toscana 22 apagadas. Sem contar as reclamações que chegam diariamente no disk-lâmpada e que, segundo a Prefeitura, apresenta falha técnica. Há relatos de pessoas que aguardam há um ano pelo referido serviço, mas sem sucesso. (Com assessoria)

Comentário

Todos os 19 vereadores da Câmara de Dourados assinaram o documento em que solicitam ao Governo do Estado para rever a decisão de municipalizar a Escola Estadual Rotary Doutor Nelson de Araújo, já anunciada pela secretária estadual de Educação, Maria Cecília Amendola da Motta, justificando como prioridade o ensino integral.

No documento, enviado com copias ao governador Reinaldo Azambuja e ao vice, Murilo Zauith, os vereadores elencaram, pelo menos, cinco razões para o pedido que resultaram na decisão por unanimidade. Em contato com a Casa de Leis e em diversas reuniões com autoridades da área educacional do Estado e Município, pais e alunos tem demonstrado preocupação quanto à notícia.

A reivindicação da comunidade escolar é, justamente, de que a escola permaneça como estadual. Com 51 anos de serviços prestados, a Escola Nelson de Araújo funciona, atualmente, com 296 alunos do 1° ano ao 5° ano, e desde que passou a participar das avaliações de larga escala, aplicadas pelo MEC, vem apresentando resultados crescentes, ultrapassando a meta estabelecida para 2021 e ocupando o lugar de destaque no Estado com a nota do Ideb de 7,4 (2015), a segunda melhor, além de alcançar excelentes resultados nas avaliações internas, como no desempenho no monitoramento realizado pela própria Secretaria, alcançando 97 pontos.

De acordo com o documento, historicamente, todos os anos a procura por vagas é o dobro das oferecidas. Isso se deve também a qualidade do quadro de funcionários altamente comprometidos, bem como atuando efetivamente com participação dos pais (APM) fazendo da escola um modelo para a educação pública, explicam os vereadores. Por fim, o texto diz que o prédio escolar, seus equipamentos e acervo apresentam boas condições de funcionamento, não faltam materiais para os alunos ou para os professores e que a escola é bem organizada e conservada, apesar do pouco espaço. Eles ressaltam que o prédio não precisa de reformas urgentes, de manutenção na rede elétrica, hidráulica, ou seja, não exige grandes investimentos por parte do Estado para continuar funcionando.

Comentário

Um grupo de 4.676 servidores, de um total de 7.428 que ganham até R$ 3.450,00 líquidos, incluindo 1.516 que recebem com recursos do Fundeb, terá depositado em conta bancária nesta sexta-feira (6) o salário do mês de novembro em Dourados, totalizando R$ 8,7 milhões.

Os 2.489 servidores restantes, que ganham acima de R$ 3.450 líquidos, receberão na semana que vem. Os pagamentos remanescentes totalizam R$ 12,1 milhões. Os pagamentos em atraso são depositados com correção, informa a assessoria de comunicação do Município.

A folha salarial da Prefeitura de Dourados soma R$ 21,5 milhões. Desse total, R$ 13,8 milhões são pagos com recursos próprios do município e R$ 7,6 milhões com repasses do Fundeb, o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação. O município ainda faz suplemento do Fundeb acima do que estabelece a lei, diz o material distribuído pela assessoria.

Comentário

Mato Grosso do Sul estreou com êxito no primeiro leilão de concessão de rodovia estadual, nesta quinta-feira (5), na Bolsa de Valores de São Paulo. O Consórcio Way -306, liderado pela Bandeirantes Engenharia com as empresas TCL Tecnologia e Construções, Senpar, Torc Terraplanagem e GLP Brasil, garantiu o direito de exploração da MS 306 pela outorga de R$ 605,3 milhões. Os recursos serão depositados na conta do Fundersul e devem ser injetados em melhorias de outras estradas da malha rodoviária estadual.

A proposta superou as expectativas do Governo de Mato Grosso do Sul que não previa valor de abono financeiro no projeto de concessão. “A outorga foi muito além das expectativas, não fazia parte da proposta econômica do projeto e isto só demonstra a confiança do mercado no Estado de Mato Grosso do Sul e no projeto”, comemorou o governador Reinaldo Azambuja.

Para o governador, o projeto mostrou credibilidade, confiança e segurança. “Mato Grosso do Sul está pronto para receber investidores que estejam interessados em outros projetos de rodovias que vamos apresentar”, completou.

O leilão foi acompanhado pelo vice-governador e secretário de Infraestrutura Murilo Zauith, juntamente com o adjunto Luis Roberto Martins de Araújo, que também comanda a Agesul (Agência de Gestão e Empreendimentos) do Estado. “Êxito total, visto que a proposta vencedora foi 500% maior que a da segunda concorrente”, celebrou Murilo, completando que o Governo trabalha em projetos de concessões de mais nove rodovias estaduais.

“Nós temos um escritório que trabalha tanto com a concessão como com as PPPs (Parcerias Público-Privada) que está trabalhando em estudos para definir a modelagem de outros projetos para outras rodovias”, disse Gabriela Rodrigues, coordenadora da área jurídica do Escritório de Parcerias Estratégicas, da Segov (Secretaria de Governo e Gestão Estratégica).

Giovanni Mott, diretor de novos negócios da Bandeirantes, e Danilo Marcondes, diretor de investimentos em Infraestrutura da GLP Brasil, justificaram que, apesar da proposta vencedora bem acima da segunda concorrente, os estudos realizados pelo consórcio levaram em consideração três principais variáveis: tráfego, Opex e Capex (investimentos) e “os números estão bem calibrados, é uma rodovia muito interessante porque é basicamente uma rota de passagem pros grãos e se encaixa muito bem na nossa tese de investimento que é de investir em ativos que tem disposição ao agronegócio brasileiro e que também é uma rodovia muito importante para a região porque integra três cidades de Mato Grosso do Sul, Chapadão do Sul, Cassilândia e Costa Rica”.

A rodovia também é polo de integração comercial entre os estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, São Paulo, Goiás e Minas Gerais, como rota de escoamento de produção de açúcar, álcool, algodão, soja e milho.

Modelagem

Dois consórcios participaram do leilão de concessão da MS 306, o Via Brasil MS e a Way 306. A outorga vencedora superou em cerca de 500% a oferta de R$ 100 milhões da Via Brasil. O contrato de concessão da MS 306 tem estimativa de investimentos de aproximadamente R$ 1,7 bilhão no período de 30 anos. Segundo estudos, com a concessão deve ocorrer a redução do número de acidentes, geração de mais de dois mil empregos diretos e indiretos, diminuição do tempo de deslocamento e economia de R$ 4 milhões/ano em investimentos na manutenção da rodovia.

O contrato entre o consórcio e o Estado deve acontecer em até 90 dias, com pagamento de 19% do valor da proposta de R$ 605.306.000,00 de outorga. As obras na rodovia têm previsão de início em meados de 2020, e as praças de pedágio no período de um ano após início dos investimentos.

Estiveram presentes também no leilão da Bolsa a superintendente de Compras e Materiais do Governo, Ana Carolina Nardes; e Carlo Fabrizio Braga, Procurador do Estado, lotado no Escritório de Parcerias Estratégicas da Segov.

Comentário

Quinta, 05 Dezembro 2019 12:03

Preço da carne varia até 143% em Dourados

A onda de reclamações e protestos diante da alta de preços dos produtos ligados ao setor de alimentos nos últimos dias motivou fiscais do Procon de Dourados a realizarem, nesta quarta-feira (4), uma coleta de preço de carne em 18 estabelecimentos da cidade.

Foram pesquisados os preços da carne bovina, suína, aves e ovinos em açougues e supermercados. A diferença encontrada entre o estabelecimento com menor para o de maior preço (considerando os que tem todos os produtos relacionados para a pesquisa) é de 73,2%.

Veja os preços encontrados

Nos produtos bovinos, o Filé Mignon aparece como o grande vilão, apresentando variação de 140,66%, do menor (R$ 34,90) preço encontrado, no açougue Pantanal, para o maior (R$ 83,99), no hipermercado Extra.

O Lombo Suíno apresenta diferença de 143,96%, entre o menor preço, praticado pelo mercado Popular, para o maior, aplicado no supermercado São Francisco.

Na carne de frango as fiscais encontraram diferença de até 123,76% na coxa e sobrecoxa (entre o mercado Cuenca e a casa de carne Ruffinus) e 85,84% no peito com osso, praticado a menor pelo mercado Popular e mais caro no supermercado Soares.

A menor variação de preços foi de 18,97% no pernil ovina, vendida a R$ 36,90 pelo supermercado São Francisco e com maior preço, de R$ 43,90, no atacadista Assaí.

Seis produtos apresentaram diferença de mais de 100% entre o menor e o maior preço, o que levou o Procon a alertar, mais uma vez, para os cuidados antes de efetuar as compras. No caso específico da carne, consumidores devem exigir que seja retirada todas as impurezas, sebos e pelancas e observar a cor e o modo de conservação do produto.

Para essa operação de coleta de preços, o Procon encarregou os fiscais Iara do Nascimento, Eliane de Santana e Hélio Nascimento, sob a supervisão do diretor do órgão em Dourados, Antônio Marcos Marques. Dúvidas, ou reclamações, podem ser feitas pelo número de Serviço 151, ou o 3411 7754.

Comentário

A Câmara de Dourados realizou, na noite desta quarta-feira (4), a sessão solene de entrega de homenagens e honrarias. Foram mais de 50 personalidades homenageadas com diploma de Honra ao Mérito, título de Amigo Honorário do Município, Amigo Honorário da Câmara, Cidadão Benemérito, Cidadão Douradense e Diploma de Jubileu. Entre os agraciados, personagens que ajudam a construir a rica história cultiural e de desenvolvimento regional.

Os homenageados são sugeridos e escolhidos pelos vereadores da Casa de Leis, conforme relevantes trabalhos prestados à comunidade douradense. “É importante destacar que esta noite tem um simples condão de fazer menção a pessoas que, nas suas atividades do dia a dia, fazem a diferença na vida das pessoas e ajudam a construir um pedaço da cidade de Dourados”, comentou o presidente da Câmara, Alan Guedes (DEM), ao conduzir a cerimônia.

Mesmo contribuindo com o desenvolvimento do município, alguns homenageados não nasceram em Dourados, como é o caso de Carlos Clementino Moreira Filho, que recebeu o título de Cidadão Douradense. “Para mim, é uma verdadeira honra ser adotado por Dourados e estar sendo homenageado é um grande privilégio. Certamente, para todos, é um momento singular, sermos reconhecidos pelo nosso trabalho”, comemorou.

Ainda usou a tribuna, em nome dos homenageados, o advogado Rozemar Mattos de Souza, ao receber o título de Cidadão Douradense. “Tenho a convicção que cada um carrega a trajetória de trabalho e dedicação por Dourados”, afirmou. “Sei que todos têm contribuído com seus relevantes serviços por Dourados, perseguindo os caminhos do desenvolvimento e chegando ao brilho de uma das mais promissoras cidades do país”, completou.

O ex-vereador da Casa de Leis, professor Wilson Valentim Biasotto, também discursou durante a sessão solene, agradecendo a homenagem e refletindo sobre o papel da Câmara de Vereadores no município. “Não é só uma Casa de Leis, é também do debate, da cidadania, uma Casa onde a democracia prevalece, uma Casa aberta a todos da nossa cidade, para proteger nossos cidadãos”, apontou o homenageado.

“É uma noite memorável. Sei que todos foram escolhidos criteriosamente para receber o título. A palavra de Deus nos diz que é papel do Estado coibir o mal e promover o bem, e hoje vocês estão promovendo o bem”, assegurou o reverendo Ildemar de Oliveira Berbet. “Então quero agradecer aos vereadores, em nome de todos os homenageados”, finalizou.

Médica e Bombeiro

Entre os homenageados da Câmara de Dourados, também, proposição do vereador Madson Valente (DEM) contemplou a médica Maristela de Castro Menezes, agraciada com o título de Honra ao Mérito depois de 30 anos atuando na área de saúde pública em Mato Grosso do Sul, 20 deles apenas no Centro Homeopático de Dourados. A profissional é esposa do deputado estadual Barbosinha (DEM-MS).
O comandante do 2º Grupamento de Bombeiros Militar, tenente coronel Humberto José Sepa de Matos Filho, também recebeu o título de Cidadão Douradense, homenagem outorgada igualmente pelo vereador Madson Valente (DEM), em conjunto com o vereador Alan Guedes (DEM), presidente da Câmara.

Comentário

Com a participação de 600 trios de acadêmicos e mais de 30 horas de disputa, a UCP (Universidad Central Del Paraguay) de Pedro Juan Caballero realizou no último final de semana a maior competição de conhecimento em Anatomia e Fisiologia da América Latina. Entre os participantes, professores, coordenadores e visitantes, mais de 2500 pessoas estiveram presentes no Clube Aquidaban. Foram dois dias onde os universitários puderam mostrar o que aprenderam em sala de sala de aula e no que é colocado em prática nas diversas atividades de extensão e nas clínicas da instituição.

Durante a competição são abordados conteúdos relevantes para a aplicação clínica e também questionados os conhecimentos específicos de anatomia e fisiologia. De acordo com o desempenho dos trios, em cada etapa, os melhores colocados avançam até chegar à etapa final onde são conhecidos os três melhores trios e os vencedores da competição.

Kallyston Alves, um dos vencedores da competição, disse que todo o esforço valeu a pena e a conquista valeu as noites mal dormidas e até sem dormir. Ele lembrou também da união dos outros integrantes do trio e da ajuda que receberam dos professores e orientadores. “Foi uma competição muito difícil e o nível dos competidores altíssimo, o que só valorizou nossa vitória”, agradeceu Kallyston que venceu a competição de Fisiologia II, juntamente com Eduarda Gabrielly Barros de Godoi e Monnyque Jiully Roque Silva.

Esta foi a sétima edição da competição que foi criada para incentivar o estudo de anatomia humana e fisiologia, além de chamar a atenção para o tema e aprimorar os conhecimentos dos alunos e professores que participaram de toda a competição. De acordo com o diretor do curso de Medicina em Pedro Juan Caballero, Dr. Luís Arias, o nível dos competidores e o grau de comprometimento dos universitários mostrou que os estudantes da UCP estão levando os estudos a sério e aquilo que é aplicado em sala de aula e nos laboratórios e clínicas tem feito a diferença na qualidade do ensino.

“Isso nos dá a certeza de que estamos no caminho certo e que daqui sairão grandes profissionais com conhecimento e capacidade para ajudar a salvar vidas e melhorar a qualidade da saúde nos hospitais, clinicas e consultórios onde eles exercerem a profissão depois de formados”, disse Arias.

Comentário

Um corpo, ainda não identificado, foi encontrado no começo da manhã desta quinta-feira (5) em um tambor de plástico, às margens do rodoanel, em Ponta Porã. De acordo com o que repercute o Campo Grande News, só neste ano a cidade sul-mato-grossense que faz divisa com a vizinha paraguaia Pedro Juan Caballero, já registrou este ano, pelo menos, 160 assassinatos, a maioria em forma de execuções.

O tambor azul com o corpo foi deixado na margem do rodoanel, uma estrada de terra perto da BR 463, conhecida com o ponto de desova de cadáveres, no prolongamento da rua Guia Lopes, entre os bairros Estoril e São João. Pelo menos cinco pessoas executadas e deixadas nessa área, no rodoanel, só neste ano, escreve o correspondente do site de Campo Grande em Dourados, jornalista Helio de Freitas.

Embora a vítima não tenha sido identificada oficialmente, moradores da fronteira levantaram suspeitas, em grupos do aplicativo WhatsApp, de que o corpo pode ser do estudante paraguaio Alex Ziole Areco Aquino, de 14 anos, desaparecido desde o dia 23 de novembro. O adolescente foi visto pela última vez em Pedro Juan Caballero, ao ser abordado em uma festa por ocupantes de uma caminhonete que teriam levado o garoto do local.

Comentário

Página 1 de 1509

O Tempo Agora

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus