Timber by EMSIEN-3 LTD
  • Dnews Whats
  • dengue gov
Redação Douranews

Redação Douranews

O deputado estadual Barbosinha mantém o ritmo de trabalho por Dourados por meio de indicações e encaminhamentos das principais demandas reclamadas pela população junto ao Governo do Estado, como obras de complementação asfáltica da Rua DA-1, no bairro Dioclécio Artuzi, no acesso ao Residencial Ildefonso Pedroso e pedidos para que a Prefeitura viabilize, em parceira com o Governo do Estado, a construção de uma UBS (Unidade Básica de Saúde) para atender os moradores do Conjunto Residencial Monte Carlo, Jardim Santa Felicidade e dos Residenciais Roma I, II e III, na região Oeste de Dourados.

Os distritos também foram citados nas indicações em que o parlamentar pediu celeridade na execução dos projetos de moradias populares para as comunidades de Indápolis, Vila Formosa e Vila São Pedro.

Segundo o deputado douradense a rua DA-1 do bairro Dioclécio Artuzi que dá acesso ao Residencial Ildefonso Pedroso e ao Posto de Saúde da região se transforma em verdadeiro atoleiro em períodos chuvosos, “tornando-se intransitável e dificultando o acesso da população ao Posto de Saúde, o que acaba colocando em risco a vida de todos”.

Saúde

Ciente de que as Unidades Básicas de Saúde são a porta de entrada preferencial ao atendimento pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e atendendo ao pedido dos moradores do Conjunto Residencial Monte Carlo, Jardim Santa Felicidade e dos Residenciais Roma I, II e III, Barbosinha sugere a construção de uma Unidade Básica de Saúde para atender a população que mora nessas localidades, com mais qualidade e próximos as residências desses douradenses.

“O objetivo desses postos é atender até 80% dos problemas de saúde da população, sem que haja a necessidade de encaminhamento para outros serviços, como emergências e hospitais. Os postos devem ser instalados perto de onde as pessoas moram, trabalham, estudam e vivem e, com isso, essas unidades desempenham um papel central na garantia de acesso a saúde de cada douradense”, pontuou o deputado.

Distritos

Barbosinha sempre teve um olhar atento às demandas dos distritos de Dourados tanto que durante seu mandato de deputado estadual já destinou R$ 280 mil em emendas parlamentares para saúde, educação, infraestrutura, além de interceder junto ao Governo do Estado para levar melhorias significantes para os moradores dos distritos.

E por conhecer as necessidades dos moradores dessas regiões e saber que os distritos de Indápolis, Vila Formosa e Vila São Pedro estão em constante expansão, tendo hoje, respectivamente, uma população estimada entre 1.300 a 2.600 pessoas que moram e trabalham nessas localidades, Barbosinha sabe que a falta de moradias adequadas tem sido um grande problema nessas localidades.

De acordo com um levantamento que chegou ao conhecimento do parlamentar, já existem áreas disponíveis para a execução das obras de moradias nos lotes urbanizados, sendo eles: 36 lotes no Loteamento Residencial Mario Pereira Leite (Indápolis), 38 lotes na área remanescente da Fazenda Descanso (Vila Formosa) e 33 lotes no Loteamento Social Sebastião Pereira Santos (Vila São Pedro).

“Nesses locais existem muitas famílias que não possuem condições financeiras para se sustentar e não tem onde morar. Isso nos causa uma grande preocupação com as condições de vida e segurança desses douradenses. Por isso estou solicitando que seja priorizado e dado maior celeridade na execução dos projetos de moradias populares nesses distritos”, defendeu o deputado.

Comentário

Tour virtual em 360º, lives, ‘Quiz das Profissões’ e premiações foram alguns dos ingredientes que a Feira das Profissões 2020, realizada em formato totalmente on-line, da Unigran ofereceu aos estudantes que estão concluindo o Ensino Médio. Foram mais de 4.600 visitantes inscritos de mais de 60 municípios.

Para a preparação do evento remoto, a Instituição organizou aproximadamente 250 vídeos em alta definição e mais de 20.000 arquivos de imagens e dados para apresentar 152 ambientes em 360º. Outra novidade deste ano na plataforma foi um ‘Quiz das Profissões’, elaborado para que o participante respondesse algumas perguntas e descobrisse as áreas que podem ser do seu interesse; ao todo foram realizados 680 testes.

A estudante do 3º ano do Ensino Médio na Escola Estadual Presidente Vargas, Rayssa Layza Gonçalves de Souza, de 17 anos, fez o tour nos cursos de Enfermagem e Medicina Veterinária e assistiu a live de Enfermagem. “Eu achei uma ideia ótima e muito bem executada, perfeito para esse momento que estamos passando, pois assim tive a oportunidade de conhecer melhor a Unigran, as suas estruturas de acordo com cada curso”, menciona a estudante.

Durante o evento também houve a participação de professores do Ensino Médio. Márcia Portilho Ortiz, professora de História na Escola Estadual Santiago Benites, foi participante ativa nas lives dos cursos direto da cidade de Paranhos. Ela conta que já participou da Feira em anos anteriores, contudo aprovou a inovação de ser totalmente on-line.

A professora destacou que as lives tiveram “excelentes professores e convidados especiais” e o Quiz, como recurso de direcionamento profissional para aqueles que ainda estavam indecisos sobre qual live acompanhar e qual curso superior ingressar. “Foi muito bom. As trocas de experiências foram muito positivas”, disse.

O que mais chamou a atenção de Márcia Ortiz foi “a participação de ex-alunos que passaram pela Instituição e obtiveram sucesso profissional, inclusive alguns se tornando professores na Unigran”. Para a professora, “o compartilhamento de experiências, batalhas, ideias e sonhos foi muito importante para estimular não só o interesse dos estudantes, como também esclarecer as dúvidas e afugentar alguns medos referentes à iniciação profissional”.

Como uma grande incentivadora de seus alunos, Márcia contou que aproveitou a Feira para fazer uma atividade avaliativa. “À medida que os alunos iam assistindo as lives e comentando nos grupos, os demais foram se interessando e também começaram a assistir. Muitos assistiram as lives gravadas, mas todos gostaram muito e elogiaram as explicações e, ao final, o interesse e a empolgação foram impressionantes. Isso foi perceptível nos debates das minhas aulas on-line, nos grupos de WhatsApp e nos relatórios que me enviaram das lives assistidas, enfatizou, parabenizando a Unigran.

Premiações

Além de todo o conteúdo sobre os cursos, este ano aconteceu sorteio de prêmios. Os alunos regularmente matriculados no 3º ano do Ensino Médio e/ou Cursos Pré-vestibular (cursinhos) em 2020 concorreram a três smartphones Redmi Note 9S 128GB, e os vendedores foram: Laysa Victoria dos Santos, de Culturama; Lucas Amarilla Saucedo, de Ponta Porã e Nadieli da Silva Santos, de Glória de Dourados. Já os diretores, coordenadores e professores que se inscreverem como responsável por alguma turma concorreram a três televisores LED 50 polegadas, sendo que os sorteados foram Jose Rodrigues Limeira, de Aral Moreira; Josiane Machado Souza Domingues, de Maracaju e Andréa Ifran de Freitas, de Antônio João.

Processo Seletivo

O Vestibular 2021 da Unigran está com inscrições abertas pelo site www.vestibularunigran.com.br. As provas também são realizados no formato on-line devido à pandemia de Covid-19. Para mais informações, interessados devem entrar em contato pelo WhatsApp (67) 99222-5948.

Comentário

A Secretaria municipal de Planejamento decretou, por meio de ato assinado pela titular, Adriana Benício, a suspensão de alvarás de funcionamento a estabelecimentos que, mesmo notificados, deixaram de cumprir as medidas de biosseguranças definidas pelo Decreto 2.664, de 15 de junho de 2020, que trata das medidas de prevenção à propagação do novo coronavírus na cidade.

Foram punidos, pelo período de sete dias, “em virtude do reiterado descumprimento aos decretos publicados visando o enfrentamento da Emergência em Saúde Pública, decorrente do novo Coronavírus, de acordo com a situação epidêmica da Covid-19”, os seguintes locais de atividades públicas: Jânio, Rainha da Sinuca, Mercearia da Simone, Exclusive Conveniência, UPA (Unidade de Pronto Abastecimento), Borges & Galindo e Miud´s Beer.

De acordo com a secretária de Planejamento, nova reincidência desses infratores será penalizada nos termos do artigo 2º, § 2º, do Decreto 2.789, de 30 de julho de 2020, que prevê a cassação do alvará de funcionamento de quem descumprir as determinações oficiais.

Comentário

As unidades de resgate a vítimas de acidentes, entregues pelo Governo do Estado ao Corpo de Bombeiros nesta segunda-feira (23), são as melhores do Brasil e vão melhorar o socorro, afirmam os militares. As sete viaturas que serão utilizadas no atendimento pré-hospitalar possuem equipamentos para estabilizar, imobilizar e transportar adequadamente as pessoas.

“É o melhor modelo que tem para esse tipo de viatura hoje no Brasil”, afirmou o comandante dos Bombeiros de Aquidauana, capitão Vinicius Barbosa Gonçalves. “É a primeira vez que nossa cidade vai receber uma viatura zero km dessas. Com essa unidade, vamos atender Aquidauana, Anastácio, Bodoquena e Miranda - em torno de 120 mil habitantes”, completou o capitão.

Com recursos do Fesa, o Fundo Especial da Saúde e de emendas parlamentares federais, o Governo do Estado comprou e entregou as viaturas do modelo van/furgão. Três delas ficarão em Campo Grande e quatro irão para o interior: Aquidauana, Ivinhema, Jardim e Três Lagoas. Mais de R$ 1,8 milhão foram investidos na aquisição dos automóveis de salvamento, informa a assessoria do Governo.

“Esse é o primeiro lote que chega. Na quarta-feira que vem (2 de dezembro) vamos receber mais cinco viaturas. Também temos processos para compra de mais 11 que já estão autorizados e com recursos do Estado”, explicou o secretário estadual de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, Antonio Carlos Videira, durante o ato.

Atendimento

Para o secretário, a entrega das novas viaturas significa melhoria no atendimento à população. “São investimentos que possibilitam maior eficiência no atendimento às vítimas de acidentes e com isso conseguimos reduzir danos principalmente com evento morte. Quando você presta um serviço célere, rápido e de qualidade, você minimiza as lesões dessas vítimas”, explicou Videira.

Comandante metropolitano dos bombeiros de Campo Grande, o coronel Eduardo Steica da Costa contou que as unidades de resgate são responsáveis por até 80% de todo o atendimento feito pelos militares na Capital e imediações. “É de suma importância para poder atender da melhor forma possível, diminuindo o tempo resposta e melhorando ainda mais as ocorrências necessárias”, falou.

Comandante dos bombeiros de Três Lagoas, o tenente-coronel Leandro Mota de Arruda disse que as viaturas são modernas e dão mais qualidade para o serviço dos militares e para o atendimento às pessoas. “Atendemos Água Clara, Brasilândia e Três Lagoas. Somando, são quase 200 mil pessoas atendidas nas rodovias e cidades. A unidade de resgate é a viatura que mais roda. Por isso, essa vem no momento excelente”, avaliou.

Parceria

Presente no ato de entrega dos automóveis, a senadora Simone Tebet falou da parceria da bancada federal com o Governo do Estado. “Resultado do compromisso do Governo do Estado com a segurança pública. O governador Reinaldo Azambuja sabe que o setor é prioridade em MS, Estado que faz fronteira e que tem grandes problemas em função do tráfico de armas e de drogas (...) Então é uma alegria muito grande para a bancada federal contribuir de alguma forma com o bem-estar de Mato Grosso do Sul. Continuaremos ajudando o governador com essa parceria, especialmente na área da segurança pública”, afirmou.

Para o governador, o trabalho conjunto com deputados e senadores traz resultados positivos para Mato Grosso do Sul. “Temos ainda inúmeros equipamentos que vamos entregar coletivamente para as estruturas de segurança pública: viaturas, armamentos e aeronaves. Isso é fruto de visão da bancada de colocar recursos e Mato Grosso do Sul priorizar demandas da população”, disse Reinaldo Azambuja.

Presente na solenidade no Quartel do Comando-Geral do Corpo de Bombeiros, o ex-senador e atual secretário especial de Relações Institucionais e Assuntos Estratégicos do Governo de Mato Grosso do Sul no Distrito Federal, Pedro Chaves, também falou sobre os investimentos. “O Corpo de Bombeiros é a organização mais importante e aclamada desse País, com rejeição zero. Atua na defesa da comunidade e da natureza. Tenho certeza que esse esforço do Governo do Estado com a bancada federal para mais recursos para a instituição vai continuar”, falou.

Comentário

Morreu neste domingo (22) o diácono José Cândido Pessoa de Mello. Ele é pai da suplente de vereadora Yara Pessoa, servidora pública do Município casada com o ex-vereador e ex-vice-prefeito de Dourados, Carlinhos Cantor. O sepultamento ocorreu na manhã desta segunda-feira (23) no cemitério Parque das Primaveras. As causas da morte não foram reveladas.

‘Seo’ Zé Pessoa, como era chamado pelos amigos, foi um dos pioneiros na PIB (Primeira Igreja Batista) e também foi responsável pela implantação Seminário Teológico Batista e também foi um dos membros da comissão de criação da SSCH (Sociedade Seleta Caritativa Humanitária de Dourados).

O diácono também era considerado uma referência histórica para os membros da Igreja Batista na cidade. Como acompanhou o início das atividades, era reconhecido com um pesquisador e sabia detalhes relacionados às primeiras ações religiosas e sociais desenvolvidas em Dourados.

O religioso também era conhecido como o primeiro dentista com formação profissional na cidade de Dourados. Naquele período ainda era comum a figura dos profissionais considerados práticos, uma vez que a legislação só veio a regulamentar a profissão em 1931.

Comentário

O eleitor de Angélica, cidade localizada na região Conesul do Estado, foi induzido a erro pela fama de ‘bom moço’ do candidato João Donizeti Cassuci, que venceu as eleições realizadas domingo (15) passado com 53,02% dos votos válidos, mesmo estando inelegível até setembro de 2026, depois de ter sido condenado pela prática de crime contra o sistema financeiro nacional.

Cassuci recebeu 3.294 votos contra 2.919 (46,98%) dados ao candidato à reeleição, o atual prefeito Roberto Cavalcanti. Na última sexta-feira (20), mais uma vez, parecer do Ministério Público Eleitoral manifestou pelo improvimento do recurso especial, conforme decisão do Vice-Procurador-Geral Eleitoral Renato Brill de Góes ao relator do recurso interposto por ele junto ao STF (Supremo Tribunal Federal) para legitimar-se candidato no Município, ministro Alexandre de Moraes, uma vez que, inelegível até 17 de setembro de 2026, Cassuci não poderia ter tido o registro deferido pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul para participar do processo eleitoral.

“Mesmo com o registro indeferido – destacou o parecer do vice-procurador – Cassuci foi o candidato mais votado para o cargo de prefeito de Angélica nas eleições de 15 de novembro deste ano”, porém, a conclusão do julgamento de recurso especial interposto por ele para manter-se na disputa foi pelo improvimento, ou seja, o candidato vencedor não poderia ter concorrido no segundo domingo do mês, o que voltou a caracterizar má fé contra a boa índole do eleitor angeliquense.

Saiba mais sobre o caso

Em sessão de análise do pedido de registro de candidaturas, no dia 26 de outubro, o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul confirmou a decisão do juiz Rodrigo Barbosa Sanches, da 27ª Zona Eleitoral de Ivinhema, que indeferiu o registro de candidatura de João Donizeti Cassuci (PDT) à prefeitura de Angélica, em primeira instância.

Na decisão, o magistrado considerou que Cassuci foi condenado pela Justiça Federal como incurso nas sanções do artigo 19 da Lei 7.492/86, que define os crimes contra o sistema financeiro nacional e foi enquadrado na Lei Complementar 135/2010, a Lei da Ficha Limpa, o que o tornou inelegível até 2026 no Município. A Cassuci ainda foi imposta pena de reclusão de 3 anos, um mês e 10 dias a ser cumprida, inicialmente, em regime aberto.

Com essa decisão, o único candidato habilitado na disputa para a Prefeitura da cidade seria o atual gestor, Roberto Cavalcanti, que concorreu à reeleição pelo DEM, tendo a professora Ana Barbosa, do PSDB, como candidata a vice-prefeita.

Como o recurso especial eleitoral interposto pelo candidato, ainda que vencedor, foi novamente recusado, desta vez na instância federal, é de se prever que o Tribunal de Mato Grosso do Sul vá determinar realização de nova eleição na cidade, no sentido, inclusive, de preservar a legitimidade do voto da boa e ordeira população que foi lesada ao depositar sua confiança nas urnas em um candidato que, juridicamente, estava fora da disputa.

Comentário

em uma ação conjunta realizada no início da noite deste sábado (20) a Guarda Municipal de Dourados, Fiscais do Juízo e Conselho Tutelar encerraram uma “Festinha social” em plena pandemia com a presença de 96 jovens, dos quais 50 eram adolescentes. Os participantes estavam aglomerados e não usando mascaras de proteção contra o Coronavirus. Na chácara, localizada na Vila Rosa m, foi apreendida muita bebida alcoólica, um aparelho de som e apreendidos os 3 adolescentes ente 15 e 16 anos que eram os organizadores do evento.

A GMD recebeu denúncia no Centro de Atendimento da Instituição através dos telefones 199/153 relatando o acontecimento da festa e a perturbação do sossego, pois o som estava muito alto. Foi solicitada a presença de Equipes dos Fiscais do Juízo e do Conselho Tutelar que se deslocaram até o local. Na achegada das equipes foi constatada a perturbação do sossego com o som alto e muitas pessoas começaram a correr para os fundos da chácara.

Três adolescentes foram identificados como organizadores do evento, disseram que estavam cobrando R$ 20 à entrada das mulheres e R$ 30 dos homens e que era uma confraternização e que o dinheiro arrecadado foi utilizado para comprar bebidas alcóolicas. Testemunhas relataram que a bebida estava à disposição de todos nas mesas e que não havia nenhum controle, um adolescente foi flagrado ingerindo bebida alcoólica.

Diante da situação os organizadores, a aparelhagem de som e as bebidas foram apreendidos e encaminhados a Delegacia de Polícia Civil para os procedimentos legais.

Comentário

Um estudo sobre sífilis e neurossífilis, realizado na Universidade Federal da Grande Dourados, demonstra que a cobertura pré-natal ofertada atualmente na rede pública de saúde apresenta falhas na prevenção das doenças e no seu tratamento, acarretando aumento no índice da transmissão de mãe para filho durante a gestação.

O problema, por sua vez, contribui para a superlotação da rede hospitalar, principalmente na área intensiva neonatal, e gera altos custos com tratamento e internação ao SUS (Sistema Único de Saúde), cenário que poderia ser diferente se fossem adotadas estratégias efetivas de prevenção a essas enfermidades.

“O diagnóstico tardio da sífilis em gestantes e o acompanhamento inadequado dos parceiros sexuais podem favorecer a transmissão vertical da bactéria Treponema pallidum – causadora da doença – em gestantes brasileiras. Assim, melhorar a qualidade dos serviços de saúde é importante para um controle mais eficaz da neurossífilis”, afirma a bióloga Simone Simionatto, coordenadora da pesquisa.

Doutora em Biotecnologia, a pesquisadora, professora da FCBA (a Faculdade de Ciências Biológicas e Ambientais) e do Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (PPGCS) da UFGD, estuda a sífilis em populações vulneráveis e desde 2013 está à frente de um grupo que pesquisa o tema em Dourados.

O estudo em questão, focado em gestantes, teve início em 2016, mas foi no ano seguinte que se desdobrou numa pesquisa com ênfase em neurossífilis, uma complicação da sífilis que surge quando a bactéria Treponema pallidum invade o sistema nervoso, atingindo o cérebro, as meninges e a medula espinhal. Essa condição leva ao surgimento de sintomas como falência de memória, depressão, paralisias e convulsões.

ALTA INCIDÊNCIA

A professora Simone explica que a inclusão do estudo sobre neurossífilis na pesquisa com populações vulneráveis foi sugerida por uma das alunas da pós-graduação que integrava o projeto. Após identificar um expressivo número de casos da complicação, a enfermeira Anny Danyelly da Costa Ribeiro, mestranda na época, se aprofundou na questão e acabou abordando o tema em dissertação. “Eu entrei na seleção do mestrado com uma proposta de estudar justamente a sífilis em populações vulneráveis. E participando de outros projetos, percebi, juntamente com a professora Simone, que não havia o acompanhamento dos bebês. Nesse sentido, entendemos que havia uma lacuna a ser preenchida”, explica Anny.

A pesquisa rendeu, ainda, um artigo científico, recentemente publicado da Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo. Intitulado “Neurosyphilis in Brazilian newborns: a health problem that could be avoided” (Neurossífilis em recém-nascidos brasileiros: um problema de saúde que poderia ser evitado), a publicação chamou a atenção de veículos nacionais de imprensa e teve repercussão em órgãos como Agência Brasil, Agência Bori (São Paulo/SP) e Rádio Nacional.

O artigo, em inglês, publicado na Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo pode ser acessado aqui

EVIDÊNCIAS VALIOSAS

A abordagem para a pesquisa foi feita junto a 63 gestantes diagnosticadas com sífilis, admitidas para o parto no HU (Hospital Universitário) da UFGD e os respectivos recém-nascidos. Entre os bebês, 12,7% tiveram complicações clínicas, como baixo peso ao nascer, e cerca de 50% tiveram de ser hospitalizados por complicações de sífilis. Cada um desses casos acarretou ao SUS um custo de US$ 881,48 em tratamento e internação, o equivalente a R$ 4.700.

Foram avaliados 21 recém-nascidos com neurossífilis e 42 com sífilis congênita, ou seja, quando a enfermidade é passada de mãe para filho durante a gestação. Das 63 gestantes, 60 receberam acompanhamento pré-natal e 47 delas somente souberam que estavam com a doença na hora do parto.

Uma questão que chamou a atenção da pesquisadora foi a baixa participação dos parceiros no tratamento. “Normalmente, as mulheres, quando recebiam o diagnóstico, reagiam com constrangimento, o que se deve ao pouco conhecimento sobre a doença e por ela ainda estar envolta em estigmas. A maioria delas não recebeu apoio dos parceiros. Prevalece uma grande resistência por parte dos homens em torno da enfermidade, o que nos leva a crer que é preciso um amplo processo de discussão com a comunidade para que a informação seja difundida”, relata a enfermeira.

Assim, sem a inclusão dos parceiros, os tratamentos que envolveram apenas as gestantes não apresentaram resolutividade, pois não houve rompimento da cadeia de transmissão e o bebê acabou sendo infectado via placenta. “É importante que as pessoas saibam que o diagnóstico precoce de sífilis durante a gestação reduz o tempo de exposição do feto ao T. pallidum, diminuindo as chances de transmissão e as complicações na gestação”, explica Anny.

PESQUISA E ESTRATÉGIA

pesquisa sifilis equipe

A enfermeira Anny e colegas do grupo de pesquisa, em laboratório: alerta necessário à Atenção Básica

Diante dos fatos observados, o estudo aponta que somente sanando as dificuldades da rede pública de saúde quanto às políticas de prevenção é que o problema pode ser reduzido. “O diagnóstico precoce da sífilis no primeiro trimestre de gestação, o acompanhamento do tratamento da gestante e do parceiro e futuros estudos para identificar as dificuldades do sistema público de saúde em realizar um pré-natal eficiente são as soluções indicadas”, afirma a professora Simone.

Ela ressalta que os serviços de saúde são essenciais para o controle efetivo da doença, oportunizando a oferta do diagnóstico e o tratamento a toda a população. Diagnóstico oportuno e tratamento adequado podem reduzir gastos com a internação dos bebês. “Se as gestantes e seus parceiros tivessem sido diagnosticados precocemente e tratados de forma adequada, evitando com isso a reinfecção, esses bebês possivelmente não teriam desenvolvido neurossífilis, forma mais grave da doença”, enfatiza a professora.

Simone diz que, estrategicamente, a pesquisa mostra o quanto o atendimento falho e a ausência de ações de prevenção acarretam custos evitáveis ao SUS. “É a universidade pública, que produz 90% da pesquisa brasileira, atuando no sentido de devolutiva para a sociedade e para os serviços de saúde. As pesquisas geram evidências relevantes que podem contribuir para a comunidade”, conclui.

A pesquisa foi desenvolvida dentro do Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde da UFGD, e recebeu financiamento do CNPq, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e ainda da Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento de Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul) e da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) do MEC.

Participaram também do estudo o médico infectologista Julio Croda, da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e as enfermeiras Cristiane de Sá Dan e Andrea da Silva Santos, ambas do HU e alunas do PPGCS na UFGD.

Comentário

Preocupado com a retomada da economia sul-mato-grossense em 2021 após as perdas provocadas pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19) neste ano, o setor produtivo de Mato Grosso do Sul, representado pela Fiems, Famasul e Faems, se reuniu quinta-feira (19) na Assembleia Legislativa com os deputados estaduais e representantes do Governo do Estado para apresentar demandas que devem melhorar o ambiente de negócios.

O pacote inclui um Refis (Programa de Recuperação de Créditos Fiscais) para tributos de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), do ITCD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação), do Fundersul (Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário do Estado de Mato Grosso do Sul) e de multas do Procon, elaboração de um novo FAI (Fundo de Apoio à Industrialização) e a criação de um programa de fomento à energia solar fotovoltaica.

Segundo o presidente da Fiems, Sérgio Longen, muito se fala em retomada da economia e esse pacote de propostas apresentadas pelo setor produtivo leva em consideração pontos importantes para ajudar na recuperação das empresas e na geração de emprego e renda para Mato Grosso do Sul. “Trouxemos propostas concretas que impactam o setor produtivo e contamos com a Assembleia Legislativa e o Governo do Estado, representado aqui pelos secretários Eduardo Riedel (Governo e Gestão Estratégica) e Jaime Verruck (Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), assumindo o compromisso com a gente para a aprovação dessas demandas”, afirmou.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Paulo Corrêa, destacou o respeito e independência entre os poderes e prometeu dar celeridade ao projeto assim que ele for entregue pelo Governo do Estado. “Estamos no fim de ano e precisamos ser ágeis. É uma demanda interessante, porque Mato Grosso do Sul vem sendo campeão na geração de emprego e renda, mas para avançarmos, precisam ser atendidas algumas demandas que, por conta da pandemia, estão atrapalhando o setor produtivo do nosso Estado”, declarou.

Na avaliação do secretário estadual de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, a agenda colocada pelo setor produtivo é uma pauta ampla e importante para a retomada de competitividade do Estado. “São várias questões relacionadas a tributos e energia renovável e são assuntos complexos, que vão ser analisados pela Secretaria Estadual de Fazenda. Vemos com bons olhos esse pacote apresentado. Mato Grosso do Sul já apresenta bons números mesmo num ano de pandemia e por isso mesmo não podemos nos acomodar”, enfatizou.

Pacote

O secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar , Jaime Verruck, explicou que o foco do pacote apresentado é a geração de empregos, uma questão fundamental para o Estado. “Quando trabalhamos um novo FAI, extinguindo o Fadefe (Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Econômico e Equilíbrio Fiscal do Estado), estamos trazendo essa proposta do setor produtivo que é que se mantenham os empregos. Então todo o setor industrial que aderir, após aprovação, ao novo FAI vai ter compromisso de uma geração mínima econômica”, ressaltou.

Outro ponto importante que receberá atenção são as ações voltadas aos micro e pequenos empresários, ponto crucial quando se fala em lei de liberdade econômica. “Estamos trazendo à Assembleia também uma lei de liberdade econômica, que já existe no âmbito federal, e queremos que todas as atividades de baixo risco em Mato Grosso do Sul sejam dispensadas de licenciamento ambiental, liberadas de alvará e de ação de bombeiros. Isso permite que todos os municípios apliquem benefícios aos micro e pequenos empresários e, consequentemente, àqueles que geram empregos”, detalhou Jaime Verruck.

aced na alems

Diretores da Aced presentes no encontro realizado por entidades com o Governo na Assembleia

Com relação ao fomento à geração de energia fotovoltaica, o secretário comentou que hoje já existe uma política estadual de isenção fiscal para quem gera até 1 MW (Megawatt) de energia, que impede a expansão dos empresários que querem fazer a geração distribuída ou vender para quem tem demanda. “A proposta é de ampliar de 1 MW para 5 MW. Para que a energia total do Estado não seja gerada apenas com energia solar, a gente vai estabelecer um teto de até 15% do total de geração de energia, mantendo a isenção tributária, para ampliarmos a geração de energia solar limpa em Mato Grosso do Sul”, finalizou Jaime Verruck, considerando a proposta incluída na pauta do encontro por sugestão da Aced, a Associação Comercial e Empresarial de Dourados.

Comentário

O IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul) vai implantar o projeto-piloto Famílias Fortes no Campus Dourados após ter firmado compromisso com a Secretaria Nacional da Família, ligada ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos nesse sentido.

O projeto tem como objetivo a criação de grupos familiares, onde pais e/ou responsáveis possam ser orientados sobre maneiras eficazes de comunicação e relacionamento, com o intuito de fortalecer o vínculo com crianças e adolescentes. Para isso, o campus receberá o total de R$ 350 mil, a ser investido em equipamentos, material de consumo e bolsas para profissionais envolvidos.

O diretor-geral do Campus Dourados, Carlos Vinícius Figueiredo, explica que o projeto atenderá ainda aos sete Cras (Centros de Referência de Assistência Social), além do próprio IFMS, que tem o compromisso social como um de seus valores. A previsão é que as atividades tenham início em março de 2021, e sigam até dezembro de 2022.

“O Campus Dourados busca sempre estar muito próximo da comunidade e, com o Famílias Fortes, reforçamos nosso compromisso social. O trabalho alcançará todas as regiões do município, por meio dos Cras, que serão nossos parceiros neste programa”, explicou o diretor.

A previsão é que o projeto-piloto atenda até 450 famílias, registradas nos Cras Indígena, e ainda do Canaã I, Jóquei Clube, no distrito de Vila Vargas, Guaicurus, Cachoeirinha, Parque do Lago, além de estudantes do IFMS. “A presença da família na escola pode contribuir com o desempenho dos estudantes e até diminuir índices de evasão", destacou o diretor.

Comentário

Página 2 de 1780

O Tempo Agora

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis