Timber by EMSIEN-3 LTD
Redação Douranews

Redação Douranews

Uma doença bastante comum na infância é a catapora, mas em alguns casos pode haver complicações, principalmente em crianças muito pequenas, em adultos e em indivíduos imunodeprimidos, em tratamento quimioterápico, por exemplo. O mercado oferece vacina contra a catapora e pode ser aplicada a partir dos 12 meses sem limite de idade.

Essa doença também é chamada de varicela, é causada por um vírus, cuja disseminação ocorre muito facilmente. Não é raro ouvirmos falar em epidemia ou surto de catapora em ambientes fechados, como escola, creches, ambiente de trabalho, etc.

O principal sintoma são as bolinhas que aparecem na pele. Uma criança comum chega a desenvolver de 250 a 500 bolhas pequenas que coçam sobre os pontinhos vermelhos na pele. A catapora é facilmente transmitida para outras pessoas. O contágio acontece através do contato com o líquido da bolha ou através de tosse ou espirro. Geralmente, a vacina previne a doença completamente ou a torna muito moderada. Mesmo aqueles que estão infectados com uma versão moderada da doença podem ser contagiosos.

“Apesar de ser uma doença bastante popular e de fácil contágio, pode haver complicações, por isso a imunização é tão importante em todas as idades. Não só a catapora, mas várias doenças podem ser evitadas através da vacinação”, explica o médico Alberto Jorge Félix Costa, diretor técnico responsável da Imunitá Centro de Imunização.

As infecções secundárias da pele são as complicações mais comuns associadas à catapora. A doença cria na pele uma porta de entrada para bactérias, que poderão causar infecções na mesma e também nas partes moles, podendo até atingir a corrente sanguínea, provocando infecções sistêmicas e invasivas. A pneumonite viral causada diretamente pela catapora também é temida. Crianças acima de 12 anos e adultos apresentam maior potencial para desenvolvimento dessa complicação grave. Além disso, pacientes imunossuprimidos podem apresentar doença disseminada, ter acometimento do sistema nervoso central, encefalite por varicela, entre outras complicações.

Comentário

A comissão externa da Câmara dos Deputados que acompanha as obras do governo federal custeadas com recursos do orçamento da União realiza audiência pública, quinta-feira (23) às 9 horas locais, para debater a situação das obras paralisadas e as possíveis medidas para evitar mais prejuízos, no plenário da casa, em Brasília.

A audiência foi proposta pelo presidente da comissão externa, deputado Zé Silva (SD-MG). O parlamentar aponta que o contraste entre os processos do setor privado e do setor público impacta diretamente na infraestrutura do País, o que dificulta o crescimento econômico.

“Estamos reféns de uma burocracia, por vezes, mais voltada para criar dificuldades do que para servir o bem comum, ao mesmo tempo em que assistimos atônitos ao pragmatismo chinês concorrer para a forte expansão econômica experimentada por aquele país nos últimos trinta anos”, afirma o deputado.

Foram convidados para o debate o secretário do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Hailton Madureira; o secretário de Infraestrurura Hídrica do Ministério da Integração Nacional, Rodrigo Mendes; e o secretário nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, Dario Rais Lopes.

Comentário

Em comunicado distribuído no final da manhã desta segunda-feira (20), confirmado por um dos filhos da vítima, conforme divulgou o jornalista Tião Prado, de Ponta Porã, familiares do empresário Jorge Rafaat pedem que a Justiça paraguaia garanta a segurança na fronteira e nega rumores de que estaria responsabilizando outro empresário, Jarvis Pavão, atualmente cumprindo pena por lavagem de dinheiro, como autor do crime de execução ocorrido quarta-feira (15) passada em Pedro Juan Caballero, no Paraguai.

“Os dois eram amigos, assim como os filhos de ambos, além de ser amigos, são sócios de uma empresa produtora de eventos”, diz o comunicado, onde a Família Rafaat pede “paz para nós, nossos funcionários e toda a família fronteiriça”. A nota diz ainda que “não queremos derramamento de mais sangue, não queremos guerra”.

 

Comentário

SÃO PAULO E CURITIBA — Um dos donos da Engevix, o executivo José Antunes Sobrinho decidiu interromper unilateralmente a negociação de um acordo de colaboração premiada com a força-tarefa da Lava-Jato. Na delação, ele prometia entregar provas do pagamento de R$ 1 milhão a um interlocutor do presidente interino, Michel Temer, como forma de agradecimento pela participação em contrato de R$ 162 milhões da Eletronuclear, referente à usina de Angra 3.

Os advogados do executivo afirmam que a mudança de estratégia foi provocada pela absolvição de seu cliente, em maio, em uma das ações da Lava-Jato, por falta de provas de participação em crimes relacionados à Petrobras. No entanto, investigadores da Lava-Jato desconfiam que o abandono das negociações possa ter outras motivações e se dizem surpresos com a desistência.

Sobrinho ainda é investigado em outras frentes da Lava-Jato, envolvendo pagamento de propina na área elétrica e na usina de Belo Monte. Os advogados do executivo descartam retomar o acordo para a colaboração, já que os casos não estão mais com a força-tarefa. Sobrinho havia assinado o termo de confidencialidade e apresentado pelo menos três propostas, em que citava, principalmente, políticos e operadores do PT e do PMDB.

CONTRATO DE R$ 162 MILHÕES

O executivo contou ter ido duas vezes ao escritório de Temer no Itaim Bibi, em São Paulo, para tratar de contratos na Eletronuclear. Em ambas, estava acompanhado de um dos donos da empresa Argeplan, o coronel da Polícia Militar João Baptista Lima Filho, tratado por ele como “pessoa de total confiança de Michel Temer”. Por meio de uma parceria com um fornecedor internacional, a AF Consult, Lima conseguiu, em 2012, um contrato de R$ 162 milhões na estatal e subcontratou a Engevix para realizar a obra.

Após os encontros com Temer, Sobrinho diz ter sido cobrado por Lima a pagar R$ 1 milhão de propina, supostamente a pedido do presidente. Segundo o executivo, o pagamento foi realizado por meio de uma fornecedora da Engevix. Depois da Lava-Jato, Lima teria tentado devolver o valor a Sobrinho, que não aceitou. O executivo disse que Temer era o padrinho político do ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva, o que o presidente nega. Parte das negociações foi publicada em abril pela revista “Época”.

INFORMAÇÕES DESCARTADAS

Como as negociações foram interrompidas, a força-tarefa não poderá usar informações fornecidas por Sobrinho na tentativa de delação. A chegada de Temer à vice-presidência da República, em 2010, coincide com o avanço da Argeplan em contratos do governo federal, conforme O GLOBO apurou.

Em 2010, a empresa participou do consórcio que ganhou o contrato de R$ 3 milhões do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para fazer o projeto executivo de engenharia de uma ponte suspensa sobre o Rio Xingu, na rodovia Transamazônica. A obra nunca saiu do papel, e no ano passado, o governo federal lançou licitação que inclui o mesmo objeto do contrato anterior — a produção de novo projeto executivo, além da execução da obra.

Também em 2010, outro consórcio com participação da Argeplan assinou contrato de R$ 26,5 milhões com a estatal Valec para supervisionar um trecho das obras da ferrovia de integração Oeste-Leste, na Bahia, por dois anos. O acordo sofreu cinco aditivos e já alcançou um volume total de repasses de R$ 74,6 milhões. O documento original foi assinado pelo então presidente da Valec, José Francisco das Neves, acusado de cobrar propina em contratos.

Quando questionado sobre as acusações de Sobrinho, Temer admitiu ter se encontrado com o executivo e com Lima em seu escritório, mas negou ter tratado de contratos da Eletronuclear. Em nota divulgada quando a denúncia veio à tona, disse que “não intermediou interesses empresariais escusos em qualquer órgão público nacional” e que “não cobrou ou delegou poderes a quem quer que seja para arrecadar recursos”.

A Argeplan negou que João Baptista Lima tenha recebido R$ 1 milhão destinados a Temer ou ter havido beneficiamento da empresa em contrato com a Eletronuclear. Alegou ainda ter entregue ao Dnit o projeto executivo da ponte sobre o Rio Xingu. O Dnit informou que foi entregue um “anteprojeto” da ponte, apesar de o objeto da licitação ser o projeto executivo.

Sobre o contrato triplicado, Valec e Argeplan argumentam que os aditivos foram necessários em função da duração da obra, que teve o prazo estendido.

Comentário

Os vereadores de Dourados prestigiaram na manhã desta segunda-feira (20) a solenidade de troca de comando do 2º Grupamento do Corpo de Bombeiros em Dourados. Após dois anos no comando do grupamento, o coronel Edson Ferreira Pinto dá lugar ao tenente-coronel Flávio Pereira Guimarães.

Durante a solenidade, os vereadores de Dourados entregaram a Edson Ferreira Pinto uma moção de congratulação em reconhecimento ao trabalho desenvolvido pelo coronel no comando do Corpo de Bombeiros no município. “O Poder Legislativo douradense reconhece as atividades exercidas por este comando que mesmo em um curto espaço de tempo, conseguiu deixar um legado a nossa cidade. Parabéns coronel Edson Ferreira Pinto, sem dúvida seu trabalho desenvolvido nos enche de orgulho e gratidão”, destaca a moção entrega ao homenageado.

A solenidade de troca de comando no Corpo de Bombeiros foi prestigiada pelo presidente da Câmara Idenor Machado (PSDB) e pelos vereadores Madson Valente (DEM), Cido Medeiros (DEM), Pedro Pepa (DEM), Alan Guedes (DEM), Sergio Nogueira (PSDB), Mauricio Lemes (PSB) e Délia Razuk (PR).

Comentário

O Diário Oficial da União publica nesta segunda-feira (20) portaria do Ministério da Fazenda que autoriza reajuste nas tarifas de serviços postais e telegráficos dos Correios. O objetivo é atualizar as tarifas em relação à inflação acumulada no último ano. Para entrar em vigor, a medida ainda depende de uma portaria do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

De acordo com a ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos), o reajuste médio deve ficar em 10,7% para serviços nacionais e internacionais. O primeiro porte da carta não comercial, por exemplo, terá o valor corrigido de R$ 1,05 para R$ 1,15. No caso de telegrama nacional redigido pela internet, a nova tarifa é de R$ 7,07 por página. Antes, a tarifa vigente era de R$ 6,39. A tarifa da Carta Social, destinada aos beneficiários do programa Bolsa Família, permanece inalterada, em R$ 0,01.

Os Correios informaram ainda que os serviços são reajustados anualmente com base na recomposição dos custos repassados à estatal, como aumento dos preços dos combustíveis, contratos de aluguel, transportes, vigilância, limpeza e salários dos empregados. As novas tarifas não se aplicam ao segmento de encomendas e marketing direto.

As tarifas são atualizadas com base no ISP (o Índice de Serviços Postais), indicador aplicado aos serviços operados no regime de monopólio pelos Correios. Ele é formado a partir de uma cesta de índices (INPC, IPCA, IPCA Saúde, IPCA Transportes e IGP-M), ponderada pela participação dos grupos de despesas da empresa, conforme divulga a Agência Brasil.

Comentário

O presidente interino Michel Temer se reúne hoje (20), às 15 horas locais, em Brasília, com os governadores de todas as unidades federativas para discutir a renegociação das dívidas dos estados com a União. Agora pela manhã os governadores, que integram o chamado Fórum Permanente de Governadores, se reúnem na residência oficial do governo do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, em Águas Claras, para buscar uma proposta consensual a ser levada ao presidente interino.

Às 13h30, os governadores têm encontro agendado com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles no próprio ministério. De lá, ministro e governadores seguem ao Palácio do Planalto para a reunião com o presidente interino, segundo divulga a agência oficial de notícias do Governo.

Comentário

Fábia Helena da Silva Barreto morreu na tarde deste domingo (19), após sofrer acidente na MS 306, em Chapadão do Sul. Segundo testemunhas, a caminhonete seguia no sentido Costa Rica - Chapadão do Sul quando a condutora perdeu o controle do veículo, invadiu a contramão e bateu na lateral de uma carreta.

O espelho retrovisor da S-10 bateu no para-lama dianteiro antes do carro colidir violentamente contra a lateral do outro veículo. Depois de capotar ainda sobre a pista a S-10 foi perdendo pedaços por cerca de cem metros do ponto de colisão até cair numa plantação de milho.

Quando chegou ao local, o Corpo de Bombeiros encontrou Fábia Helena da Silva Barreto já sem vida. Apesar de usar cito de segurança o lado da motorista foi o mais afetado na colisão contra a estrutura de ferro da carreta.

A S-10 teve princípio de incêndio e foi necessário o uso de extintor com pó químico para evitar chamas no milharal. Entre os pedaços do carro que ficaram pelo caminho foi encontrada parte da tampa do motor. A mulher tem um filho acadêmico do curso de Artes Cênicas em Dourados.

Comentário

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados realiza audiência pública nesta terça-feira (21), para debater sobre a regulamentação da profissão de costureira.

O requerimento para audiência é de autoria da deputada Flávia Morais (PDT-GO). Ela destaca que, nos últimos anos, a profissão passou por uma série de avanços tecnológicos. “O que era apenas uma forma de fazer roupas para se vestir passou a ser uma profissão”, afirma a deputada.

Foram convidados para discutir o assunto o presidente da ONG Paranoarte, Valdir Souto Rodrigues;
a coordenadora da área Corte e Costura do Senai de Taguatinga/DF, Marina Canuto; a líder comunitária da Estrutural, Maria Abadia; a presidente da Associação das Costureiras e Artesãs da Estrutural, Sônia Mendes; o diretor superintendente da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção), Fernando Valente Pimentel; e o diretor da área de Confecção do Grupo Rosset, Oswaldo Rosset.

Comentário

O pesquisador Rômulo Penna Scorza Junior, da Embrapa Agropecuária Oeste, de Dourados, será um dos palestrantes de um evento internacional que acontece nesta terça-feira (21), com a participação de diversos profissionais de renomadas instituições.

Rômulo vai ministrar a palestra no Painel "Exposição, avaliação de risco e mitigação" durante a 18ª Conferência Internacional AGRO, intitulada "Comportamento de pesticidas no ar, solo e água". O evento ´teve iníco nesta segunda-feira (20) e é realizado pela Academia Frenesius, na cidade de Mainz, perto de Frankfurt. A Academia Frenesius realiza congressos, conferências e seminários com foco na segurança e qualidade alimentar, bens de consumo e de produtos químicos.

O pesquisador dará uma visão geral da avaliação do risco ambiental de agrotóxicos em âmbito brasileiro, o desenvolvimento de uma orientação sobre a avaliação do risco ambiental de agrotóxicos para os organismos aquáticos no Brasil, e os mapas de vulnerabilidade e definição de cenários de exposição.

Scorza é pesquisador da Embrapa há 14 anos na Embrapa Agropecuária Oeste e possui experiência na área de Agronomia, com ênfase em Poluição do Solo, Física do Solo, Comportamento de Agrotóxicos no Solo, atuando principalmente nos seguintes temas: contaminação ambiental por agrotóxicos, modelagem matemática e simulação da lixiviação de agrotóxicos e dinâmica de agrotóxicos no ambiente solo. Atua também como professor do curso de Mestrado e Doutorado em Recursos Naturais na Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul).

Outros palestrantes da Conferência representam a Universidade de Wageningen, Instituto Agrosphere, Bayer, Basf, Ministério da Infra-estrutura e Meio Ambiente dos Países Baixos, Universidade Sueca de Ciências Agrícolas, Agência Austríaca para a Saúde e Segurança Alimentar, Agência da Alimentação, Ambiente e Segurança e Saúde Ocupacional da França, além do Bureau de Pesquisas Geológicas na França.

Visitas

Aproveitando o evento, duas empresas demandaram a visita do pesquisador Scorza: Bayer e Basf, na sede, na Alemanha. Na Bayer, a visita foi no dia 15 de junho para falar como estão as pesquisas na Embrapa Agropecuária Oeste sobre comportamento ambiental dos agrotóxicos, visita a laboratórios e experimentos de campo da Bayer, assim como possibilidade de cooperação técnica entre Embrapa Agropecuária Oeste e Bayer.

Na Basf, a visita será entre os dias 22 e 24 de junho. O principal objetivo é mostrar os resultados do projeto de cooperação entre Embrapa e Basf, que trata do aprimoramento da ferramenta computacional denominada "Avaliação da Contaminação Hídrica por Agrotóxico (ACHA)" desenvolvida pela Embrapa Agropecuária Oeste.

Comentário

Página 1809 de 1839
  • Douranews Anúncio
  • unimed fevereiro

O Tempo Agora

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis