Timber by EMSIEN-3 LTD
  • unigran topo 1
  • Dnews Whats
Redação Douranews

Redação Douranews

O governo sancionou nesta terça-feira (19) uma lei que cria linha de crédito para auxiliar micro e pequenas empresas durante a crise do novo coronavírus. Aprovada no Congresso desde 24 de abril, a lei que cria o chamado Pronampe estava desde então aguardando apenas a sanção presidencial para entrar em vigor. Essa nova linha de crédito vai oferecer recursos a microempresas com faturamento de até R$ 360 mil por ano, e a pequenas empresas com faturamento anual de de R$ 360 mil a R$ 4,8 milhões, a uma taxa de juros máxima igual à Taxa Selic (atualmente em 3% ao ano), acrescida de 1,25%. O valor poderá ser dividido em até 36 parcelas.

Entretanto, as medidas anunciadas pelo governo para mitigar os impactos econômicos provocados pela pandemia do coronavírus são insuficientes, falhas e não estão chegando a todos que precisam, de acordo com economistas e analistas de mercado ouvidos nesse momento. Pequenos comerciantes contam que vêm enfrentando dificuldades para acessar benefícios e linhas de financiamento. Donos de estabelecimentos de comércios e serviços que estão sem poder abrir as portas e têm faturamento em queda, esses pequenos empresários não conseguem acesso ao crédito prometido.

Dentre as ações já anunciadas pelo governo, estão: auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores informais, desempregados, contribuintes individuais do INSS e MEIs; linha de crédito emergencial voltada a pequenas e médias empresas (com faturamento de R$ 360 mil a R$ 10 milhões) para ajudá-las a pagar os salários de seus funcionários – a operação é feita em parceria com o BNDES, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e bancos privados e está liberada desde 6 de abril; e linha de crédito da Caixa Econômica Federal voltada ao microempreendedor individual e a micro e pequenas empresas para que obtenham capital de giro, liberada desde o dia 22 de abril. (Com informações do G1)

Comentário

A prefeita Délia Razuk recebeu na manhã desta terça-feira (19) os representantes das forças de seguranças pública do Estado para dar início à discussão visando à implantação em Dourados de um Ciops, Centro Integrado de Operações de Segurança, como forma de unificar o trabalho e otimizar os recursos, humanos e estruturais, de forma a melhorar o atendimento prestado à comunidade.

Participaram do encontro, na sala de reuniões do Gabinete, o diretor-geral do Ciops da Sejusp (Secretaria estadual de Justiça e Segurança Pública), Marcos Takeshita, o diretor de Interior, coronel BM Rodinei Ribera Ceballos, o coronel Givaldo Mendes de Oliveira, do Comando de Policiamento, e o ex-comandante do Corpo de Bombeiros em Dourados, coronel Flavio Pereira Guimarães.

A ideia, de acordo com a prefeita Délia, é reunir as forças para um trabalho integrado de atendimento público, “pois hoje há muita demanda e está havendo ligações ou atendimentos em duplicidade, o que acaba prejudicando a prestação do melhor serviço à população”. Ainda de acordo com a prefeita de Dourados, está havendo sobrecarga à Guarda Municipal, isso, segundo reconheceu o comando da PM, devido ao efetivo insuficiente de policiais militares na cidade.

O delegado Takeshita acolheu a sugestão e se comprometeu de leva-la ao governador Reinaldo Azambuja, mas antecipou que o Ciops-Dourados deverá funcionar provisoriamente na sede do 3º Batalhão da PM, “onde poderemos contar com todas as forças integradas, incluindo os Bombeiros e o Samu”. Para a prefeita Délia, a implantação do Ciops em Dourados vai representar “um importante passo para dar uma melhor resposta à população que busca atendimento de emergência”.

Comentário

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira (19) que o Congresso Nacional discutirá o adiamento das eleições municipais deste ano – sem estender o mandato dos atuais prefeitos. O adiamento seria uma prevenção por conta da pandemia do novo coronavírus, assegurando que o processo eleitoral ocorra ainda dentro do calendário de 2020.

Segundo o presidente da Câmara, a maioria dos líderes da Casa defende o adiamento, desde que os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores não sejam prorrogados. O primeiro turno das eleições está marcado para 4 de outubro e o segundo turno, se houver, para o dia 25 do mesmo mês. O predidente do Senado e do Congresso, Davi Alcolumbre (DEM-AP), deve criar um grupo de trabalho conjunto, formado por deputados e senadores, para decidir sobre a questão, publica o portal G1.

"O presidente Davi vai construir um grupo com a Câmara para que possamos discutir a questão da data da eleição, se nós vamos mantê-la no mesmo dia ou se a decisão do Parlamento vai ser modificá-la dentro do próprio mandato numa outra data. Então, seria o adiamento da eleição sem prorrogação de mandato", afirmou Maia.

"Isso, eu vi ontem na discussão com os líderes, que é uma posição quase de unanimidade. A maioria dos parlamentares entende que podemos ter o adiamento, mas não devemos ter a prorrogação de nenhum mandato", acrescentou o presidente da Câmara. Segundo Maia, o grupo pretende tratar da questão também com o próximo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Luís Roberto Barroso, que assumirá o comando da Corte no dia 25.

No começo do mês, Barroso declarou em entrevista à GloboNews que um ponto central para o adiamento das eleições seria a testagem das urnas eletrônicas, prevista para junho. Se os procedimentos fossem prejudicados pela pandemia, segundo o ministro, um adiamento teria que entrar em pauta.

Comentário

Ações preventivas realizadas entre sábado (16) e segunda-feira (18) pela Guarda Municipal de Dourados, atendendo solicitações via Cecom (Central de Comunicação) 24h, através dos telefones 199 e 153 para denúncias, dúvidas, sugestões, resultaram na captura de quatro foragidos da Justiça, apenas no final de semana.

A Guarda Municipal de Dourados já contabiliza, através de rondas, denúncias e atendimentos via telefones 199 e 153, mais de 170 foragidos da Justiça recapturados entre os meses de janeiro a maio deste ano. As equipes da GM mantém rondas constantes nos patrimônios e logradouros públicos.

Durante rondas no bairro Jardim Itália, no sábado (16), um homem de 30 anos foi preso após a guarnição atender um acidente de trânsito às 20 horas, envolvendo um carro e uma motocicleta, quando constatou que a então vítima do acidente tinha mandado de prisão em aberto expedido pela 2ª Vara de Família de Dourados. O homem foi encaminhado para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), e colocado à disposição da Justiça.

Já na manhã de domingo (17), um jovem de 23 anos, natural do Rio Grande do Sul, demonstrou nervosismo ao ser abordado pela GM e, durante checagem, constatou-se haver um mandado de prisão em aberto expedido pela Vara de Execuções Criminais de Santa Maria/RS. O jovem ainda portava um bilhete de passagem com destino a Ponta Porã, onde, segundo disse, iria visitar uma tia.

Em rondas preventivas no Conjunto Residencial Monte Castelo, um homem de 39 anos que conduzia o veículo Honda Biz se mostrou nervoso ao deparar com uma guarnição da GM, e durante a abordagem foi averiguado que o condutor não possuía CNH (Carteira Nacional de Habilitação), que o veículo não estava devidamente licenciado e em desfavor dele ainda havia mandado de prisão em aberto expedido pela 4ª Vara Criminal de Dourados.

Na tarde de segunda-feira (18), a Guarda Municipal foi acionada para atender um chamado de aglomeração de pessoas em um estabelecimento comercial no bairro Parque das Nações I. Chegando ao local, os agentes encontraram sete pessoas em uma mesa jogando baralho. Após abordagem e checagem foi constatado que um dos participantes, um homem de 63 anos, tinha mandado de prisão em aberto expedido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. A aglomeração foi dispersada e o homem encaminhado para a Depac, para onde também foram conduzidas todas as outras pessoas com débitos judiciais encontradas durante a operação do final de semana.

Comentário

A prefeita Délia Razuk confirmou, no começo da tarde desta terça-feira (19), que 40 indígenas devem ser removidos, ainda nesta tarde, para cumprirem regime de isolamento na Casa de Cursilhos, espaço da igreja católica que funciona próximo ao hotel 10, na saída de Dourados, para o tratamento dos sintomas adquiridos a partir da contaminação pela Covid-19.

Segundo a prefeita, o local foi disponibilizado a partir de uma parceria da Diocese com o Município e o grupo JBS, que mantém a planta da indústria de frios da Seara em Dourados, e de onde são emanados o maior número de casos de coronavírus que acomete os índios das aldeias da cidade. Eles serão atendidos por equipes da Secretaria municipal de Saúde, conduzidos pelas viaturas do Samu e terão ainda a segurança assegurada pela Força Nacional.

Com o aumento da propagação do novo coronavírus a partrir do final de semana, é preoucpante o número crescente de indígenas que foram diagnosticados com a Covid-19. Há casos de moradores em Dourados, Fátima do Sul, Maracaju, Douradina, Glória de Dourados e de Itaporã, cidades de ondem se originam muitos dos trabalhadores da indústria do grupo JBS e que agora vão cumprir o período da quarentena na Casa de Cursilhos. 

Comentário

Depois de sondar os preços dos produtos derivados de petróleo comercializados em 40 estabelecimentos da cidade e nos distritos, o setor de fiscalização do Procon encontrou o litro de gasolina mais barato a R$ 3,850 e o mais caro a R$ 4,193, constatando uma variação da ordem de 8,9%. Foram pesquisados ainda os preços do etanol, do diesel comum e do S10.

O menor preço praticado no litro do diesel comum encontrado foi de R$ 3,690; no diesel S10, R$ 2,890; e no etanol o menor preço praticado é de R$ 2,950. No etanol a diferença entre o menor e maior preço é de 17,6%; no diesel comum é de 27,7% e no diesel S 10 é de 15,2 %.

CONFIRA AQUI

O preço médio da gasolina em Dourados é de R$ 3,946. Em abril o preço médio praticado era de R$ 4,220, uma queda agora de 6,5%. O preço médio do etanol em Dourados é de R$ 3,112, sendo que em abril era de R$ 3,330, queda de 6,53%. E em relação ao diesel comum, em abril o preço médio era de R$ 3,447 e nesta pesquisa apontou como preço médio o valor de R$ 3.091, queda de 10.3%. O diesel S 10 apresentou na pesquisa de abril o valor médio de R$ 3,544 e na pesquisa do mês de maio apresentou preço médio de R$ 3,170, mostrando uma queda de 10,54%.

Comentário

Decreto da prefeita Délia Razuk (PTB), publicado na edição desta terça-feira (19) do Diário Oficial do Município, deterina que "creches, hoteizinhos e atividades similares" devem permanecer fechadas em Dourados. O descumprimento da medida levará à aplicação das sanções administrativas e penais, que vão até à interdição do estabelecimento.

O decreto também prevê multa, com base no artigo 186 da Lei Complementar 205, de 19 de outubro de 2012, no valor de 90 Uferms [equivalente a R$ 2.687] e em caso de desrespeito a punição poderá ser dobrada.

O mesmo decreto publicado nesta terça-feira torna facultativo o uso de luvas nas atividades ligadas ao público em geral.

Comentário

A Câmara de Dourados aprovou em 1ª discussão, durante a 15ª sessão ordinária realizada por meios virtuais nesta segunda-feira (18), o PLC (Projeto de Lei Complementar) 017/2020, de autoria da Mesa Diretora, que dispõe sobre a obrigatoriedade da utilização de máscaras de proteção em Dourados. Na próxima sessão, que será realizada nesta quarta-feira (20), às 18h30, o PLC será encaminhado à plenária para 2ª discussão e votação.

De acordo com o projeto, as máscaras, ainda que de produção artesanal, devem ser usadas em qualquer local que possua aglomeração de pessoas, além de logradouros e áreas de acesso público, enquanto durar a situação da pandemia, em decorrência da Covid-19. Caso seja descumprido, o projeto ainda prevê multa de uma Uferms, ou seja, R$ 29,86.

“O projeto tem caráter pedagógico. O objetivo central é incentivar o uso das máscaras de proteção para a própria segurança da comunidade. Além de intensificar a conscientização para que, com o maior número de pessoas utilizando, diminua os riscos de contaminação do vírus. Acredito que irá contribuir para que a sociedade de Dourados possa continuar com o que já foi flexibilizado”, apontou o presidente da Casa de Leis, vereador Alan Guedes (Progressistas).

Ainda durante a sessão ordinária, foi aprovado, em 2ª discussão e votação, o Projeto de Lei 030/2020, de Idenor Machado (PSDB), que denomina como “Rua Elídio Oliveira Freitas” a Rua Projetada 1, localizada no Conjunto Habitacional Vale das Borboletas, no distrito de Panambi.

Em 1ª discussão, foi aprovado o Projeto de Lei Complementar 015/2020, do Poder Executivo, que altera e cria dispositivo na Lei Complementar 310, de 29 de março de 2016, que dispõe sobre o PCCR de servidores da Administração Geral do Município e fixa vencimentos.

Também foi aprovado o Projeto de Lei 369/2019, do vereador Maurício Lemes (PSB), que denomina como “Rua Antônio João Braga da Rocha” a Rua S22, localizada na Vila Valderez. E, em única discussão e votação, foi aprovado o Projeto de Resolução 002/2020, da Mesa Diretora, que cria o artigo 70-A no Regimento Interno da Câmara Municipal, para instituir a Audiência Pública por videoconferência (plataforma virtual).

Tribuna Livre

Ainda durante a sessão, participou da tribuna livre da Câmara de Dourados o diretor da Vigilância em Saúde, Emerson Eduardo Correa, que discorreu sobre ações do combate à Covid-19 no município. Ele apontou que, mesmo que o número de casos tenha aumentado em Dourados, chegando a 67, de acordo com boletim epidemiológico desta segunda, a situação está controlada, porque já era prevista no município, sendo que poucos pacientes foram internados [somente dois], em leitos de enfermaria.

“Ampliamos a equipe de trabalho, instituímos a Unidade de Resposta Rápida e estamos realizando diversas ações, para que a gente possa, da melhor forma possível, quebrar esta cadeia de transmissão do vírus. Hoje nós estamos com um número alto de contaminações, em relação a semana passada. Sabemos a angústia que isso gera na população, mas temos que informar que está dentro do controle da Vigilância em Saúde, da Vigilância Epidemiológica. É uma situação que já esperávamos que iria acontecer, pela cadeia de transmissão ser rápida”, comentou o diretor.

Comentário

Um levantamento da consultoria Quist Investimentos revelou que 78% das empresas não tiveram acesso a nenhum tipo de ajuda emergencial do governo federal em meio à pandemia. Sem crédito, os negócios estão com o caixa no limite e têm dificuldades para cumprir obrigações de curto prazo.

O jornal "O Estado de S. Paulo" divulga resultado de pesquisa que ouviu 100 empresas com faturamento entre R$ 30 milhões e R$ 300 milhões. Entre as empresas que tiveram acesso ao auxílio, 17,5% declararam que o processo foi marcado pela carência de informações e pela falta de clareza nas orientações dos bancos de repasse sobre como operacionalizar as linhas de socorro.

Comentário

O vereador Elias Ishy (PT) indicou à Mesa Diretora da Câmara de Dourados, na sessão de segunda-feira (18), para que seja encaminhado um ofício à Presidência da República, com cópias para a Câmara dos Deputados e o Senado Federal, solicitando a inclusão dos indígenas no grupo de risco da Covid-19 pelo Ministério da Saúde, bem como também a elaboração de plano de combate ao vírus nas comunidades do Brasil, em especial no Mato Grosso do Sul, onde se localiza a segunda maior população do país.

Os primeiros registros da Covid-19 foram realizados na última semana na Reserva, entre eles, de crianças. Em um período de 24 horas foram diagnosticados 10 novos casos só em Dourados. Por esses e outros motivos, segundo Ishy, se faz tão necessária a aprovação e sanção do Projeto de Lei 1.142/20, que dispõe sobre a criação do Plano Emergencial para povos indígenas, quilombolas e tradicionais.

De acordo com Ishy, a ação é essencial para que sejam tomadas medidas urgentes de enfrentamento à pandemia nessas localidades, que pode acabar implicando em uma contaminação sem controle, tendo em vista as condições de vulnerabilidade social dessas famílias. “Sabemos das dificuldades e já temos como exemplo o estado do Amazonas, onde os números aumentam diariamente, principalmente daqueles que moram afastados de hospitais e que não possuem assistência dentro das Reservas"

“A pobreza, a falta de terras para plantação e subsistência, fazem com que essas pessoas precisem sair da reserva para trabalhar na cidade, onde acabam se expondo ainda mais ao vírus e colocando em risco a saúde de toda sua família. Essas que dividem pouco espaço dentro de casa, não sendo possível o isolamento nem a distância mínima solicitada pelos órgãos de saúde”, justifica.

Além disso, o vereador lembra que a falta de água na reserva é algo cotidiano, pois não conta com nenhum sistema de saneamento ou distribuição da potável, sendo necessário, por vezes, caminhar por horas para ter acesso a esse direito fundamental, universal e humano.

Ishy lembrou que no final de semana anterior à sessão foi divulgada uma carta emergencial dos Conselhos Guarani e Kaiowá, onde pediram o fortalecimento da Sesai (a Secretaria Especial de Saúde Indígena), com proteção aos trabalhadores e trabalhadoras, alternativas de isolamento possíveis, leitos e ambulâncias disponíveis, para além, ainda, como a doação de máscaras, produtos de higiene, alimentos e sementes para plantio. Foi recomendado ainda que eles fiquem em seu território, com responsabilidade a lideranças por bloqueios sanitários, com entrada permitida apenas a profissionais da saúde ou ajudas humanitárias. (Da assessoria)

Comentário

Página 10 de 1654
  • ms corona

O Tempo Agora

  • mascaras
  • unigran novo

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus