Timber by EMSIEN-3 LTD
Editais

A revista Despertai, publicação mundial editada em mais de 290 idiomas pelas Testemunhas de Jeová, conta, na edição de 2007, o exemplo de um menino chamado Dorian, do Peru, que quando tinha 4 anos fez o primeiro discurso na Escola do Ministério Teocrático, no Salão do Reino das Testemunhas de Jeová.

Quando começou a freqüentar a escola, ele conseguiu explicar, com base na Bíblia, à professora e aos colegas de sala por que não celebrava o Natal. Depois, quando Dorian tinha 5 anos, pediram-lhe que explicasse a toda a escola — cerca de 500 alunos — o que ele pensava a respeito do Dia dos Pais.

Dorian preparou um discurso de 10 minutos com o tema “As responsabilidades de um pai”, baseado no texto bíblico de Efésios 6:4. Ao concluir o discurso, Dorian disse: “Em vez de comemorar o Dia dos Pais uma vez por ano, os filhos deveriam respeitá-los e obedecê-los em todos os dias”. É isso o que a maioria faz, felizmente, seguindo o ensinamento divino.

Comentário

O presidente Jair Bolsonaro anunciou na manhã deste domingo (9) uma missão de ajuda do governo brasileiro ao Líbano, cuja capital, Beirute, foi atingida por uma forte explosão na semana passada, que deixou mais de 150 mortos e 3 mil feridos. Bolsonaro disse ainda que convidou para chefiar a missão brasileira que irá a Beirute o ex-presidente Michel Temer, que é filho de libaneses.

O anúncio foi feito durante uma videoconferência internacional, transmitida pelas redes sociais de Bolsonaro, e que contou com a participação de outros chefes de estado, entre eles os presidentes do Líbano, Michel Aoun, da França, Emmanuel Macron, e dos EUA, Donald Trump.

Em nota divulgada à imprensa mais tarde neste domingo, Temer disse estar honrado com o convite feito por Bolsonaro para chefiar a missão humanitária do Brasil no Líbano. "Quando o ato for publicado no Diário Oficial serão tomadas as medidas necessárias para viabilizar a tarefa", diz a nota.

"Nos próximos dias partirá do Brasil rumo ao Líbano uma aeronave da Força Aérea Brasileira, com medicamentos e insumos básicos de saúde, reunidos pela comunidade libanesa radicada no Brasil. Também estamos preparando o envio, por via marítima, de 4 mil toneladas de arroz para atenuar as consequências das perdas de estoque de cereais destruídos na explosão", disse Bolsonaro durante a videoconferência.

Comentário

O avanço da doença provocada pelo novo coronavírus chega a patamares elevados em Mato Grosso do Sul. Enquanto as confirmações de novos casos se aproximam de 30 pessoas contaminadas por hora, acima de 700 exames positivos por dia, o isolamento social, essencial para contenção do vírus, registra índices cada vez mais distantes do ideal.

Durante a transmissão ao vivo nas redes sociais deste sábado (8), o secretário estadual de Saúde, Gerado Resende, destacou: “São marcas que nos entristecem. No Brasil são mais de 3 milhões contaminadas e 100 mil óbitos”.

De acordo com o último boletim epidemiológico, em apenas 24 horas foram contabilizados 719 novos casos novos, com total 30.707 confirmações. “Campo Grande responde por metade dos casos novos. Não temos o controle da doença”, ressaltou Resende.

A Secretaria também informou mais 11 óbitos em 24 horas, alcançando 492 vítimas fatais da doença. Além disso, o número de internações também tem aumentado em Mato Grosso do Sul, com 521 pessoas internadas, sendo 313 em leitos clínicos e 214 em leitos de UTI.

Isolamento Social

No ranking nacional, Mato Grosso do Sul ocupa a 23ª posição, com 33,3% de isolamento social, estando entre os cinco piores resultados do país. A Capital é uma das três piores do país no quesito distanciamento social, com 32,9%, muito aquém do mínimo aceitável para o combate à doença, que seria 60% e por isso se mantém como o epicentro da contaminação no Estado.

Comentário

Demitido em abril do Ministério da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM) afirma que o presidente Jair Bolsonaro soube, no começo da crise, que o Brasil iria ultrapassar 100 mil mortos, caso ignorasse recomendações de autoridades sanitárias. Para ele, apesar da "sabotagem enorme" de Bolsonaro, o cenário seria "infinitamente pior" se o presidente tivesse imposto uma estratégia de isolamento vertical.

"A gente conseguiu, durante um intervalo, falar para a população brasileira a realidade. E as pessoas conseguiram montar algumas defesas. Muita gente permanece fazendo o que é correto. Se fosse aquela história de quarentena vertical, sai todo mundo de casa e somente pessoas acima de 65 anos ficam, teria sido um número infinitamente superior", disse Mandetta ao Estadão.

Ex-deputado federal e ortopedista, Mandetta foi demitido do governo após semanas de disputas com o presidente sobre pontos vitais da estratégia de combate à Covid-19, como a necessidade de distanciamento social. Ele deixou a Saúde com cerca de 30 mil casos e 2 mil mortos pela doença, conforme repercute o portal Terra.

"Ele (Bolsonaro) foi negacionista desde os primeiros dias. Entregou o jogo no primeiro tempo. A gente tentava trazê-lo de volta para a realidade. Mas ele se recusou", disse Mandetta. "E se recusa até hoje a encarar a realidade, de que é falso o dilema entre economia e saúde."

Para o ex-ministro, a marca de 100 mil mortos pode servir de "choque de realidade" para o governo assumir a gravidade da pandemia. Mandetta avalia que o País está passando pelo pior momento da doença, mas que em setembro "os números provavelmente vão ficar melhores".

Mandetta afirma que não tratou publicamente, como em declarações à imprensa, sobre previsões de mortos pela doença, mas que Bolsonaro sempre soube da gravidade da pandemia. Segundo o ex-ministro, o presidente preferiu ouvir auxiliares que "falavam o que ele queria escutar" e apontavam uma crise de no máximo 3 meses, que deixaria mil mortos.

"O pior cenário não é esse (100 mil mortos)", diz ele, citando o caos de Manaus como exemplo negativo de combate ao novo coronavírus. "Até falência funerária eles tiveram. Aquilo era o pior quadro. E se tivesse prevalecido a vontade dos negacionistas, ia acontecer o mesmo no Brasil todo. A gente ganhou tempo. Conseguimos salvar mais vidas, pois deu para o sistema se organizar", afirma.

Genocídio

Mandetta afirma que "não gosta de banalizar" o uso do termo genocídio, mas que Bolsonaro foi, no mínimo, negligente no combate à Covid-19. "É tipo um abandono de incapaz. Você calar o ministério no meio da maior crise sanitária é jogar o povo para a própria sorte", observou o ex-ministro.

O portal Terra repercutiu também a análise do Estadão de que o ex-ministro já afirmou que pretende se candidatar ao Planalto em 2022, e considera que a estratégia de Bolsonaro pode pesar em futuras disputas políticas. "Ele aposta que as pessoas não vão ter memória. Vai depender muito da leitura, do poder de indignação das pessoas. Vejo que em países que têm a eleição neste ano, como os EUA, a leitura tem sido extremamente dura com negacionistas", afirmou.

O ex-ministro afirma ser irônico que Bolsonaro "debocha" da ciência, mas aposta na vacinação para encerrar a crise. "Tomara que tenha solução. A gente torce. Mas é ruim criar essa expectativa, na tentativa das pessoas diminuírem a sua defesa, seus cuidados, colocando essa sensação de que a vacina está logo ali". O Palácio do Planalto informou que não comentará as críticas de Mandetta.

Comentário

Mesmo cenário, mesmo rival, final diferente. Dois anos depois da polêmica final de 2018, o Palmeiras deu o troco no Corinthians, venceu nos pênaltis após empate por 1 a 1 na tarde deste sábado (8), na arena, e é o novo campeão paulista. Depois de 12 anos, o Verdão volta a reinar no estado de São Paulo e encerra um jejum que incomodava – apesar de ter vencido duas Copas do Brasil e dois Brasileiros desde 2008, conquistar um título sobre o maior rival tem seu gosto especial.

Mas o título foi conquistado no sufoco: depois de Luiz Adriano abrir o placar, Gustavo Gómez cometeu pênalti em Jô no último minuto de jogo e possibilitou o empate do rival. Nas penalidades, porém, Weverton pegou duas cobranças, e Patrick de Paula fez o gol do título.

O Palmeiras vai aos 23 títulos paulistas, ultrapassando o Santos e se isolando na segunda posição no ranking do Paulistão. O Corinthians ainda é líder, com 30 taças, mas teve frustrada a chance de buscar um tetracampeonato inédito em sua história – venceu em 2017, 18 e 19.

Na história do clube, o Palmeiras não conquista um Campeonato Paulista sem Vanderlei Luxemburgo desde 1976. A escrita se manteve neste sábado: depois de ganhar com o Verdão em 1993, 94, 96 e 2008, Luxa voltou ao Verdão para dar DNA vencedor a um elenco recheado de bons jogadores, mas que ainda não havia dado boas respostas recentemente. O penta de Luxa é para o palmeirense comemorar, porque ele também é o técnico maior campeão do Paulistão na história.(Com informações do Globoesporte) 

Comentário

O Palmeiras preparou uma decoração diferente no vestiário visitante de sua arena para receber o Corinthians para a final do Campeonato Paulista, que acontece na tarde deste sábado (8). O Verdão espalhou fotos de times históricos e símbolos do clube por todo o espaço, que costuma ser “neutro”, sem elementos alusivos à equipe da casa.

Segundo a administração do estádio, o local foi reformado para melhorar a experiência dos torcedores durante as visitas guiadas e segue os padrões do vestiário do Palmeiras.

No Dérbi da final de 2018, foi o Corinthians quem decorou o vestiário da arena palmeirense. Na ocasião, o Timão envelopou o espaço com símbolos do clube e as cores preta e branca.

Comentário

Mato Grosso do Sul registrou um crescimento da ordem de 129% no volume de exportação de soja em julho, comparado com mesmos períodos anteriores, o que eleva, na média, a atração da oleaginosa pelos mercados estrangeiros. Em todo o país o mês de julho superou o mesmo mês do ano passado em 39,35%.

No acumulado de janeiro a julho deste ano, os agricultores do Estado já enviaram para outras nações o equivalente a 3,76 milhões de toneladas de soja. Somados aos produtores rurais de outros estados, o volume de soja exportado chega a 70,72 milhões de toneladas.

Julho de 2020 apresentou recorde histórico de exportação em uma análise dos últimos cinco anos. “Podemos considerar questões de política externa para concretizarmos esses avanços nas exportações, só que mais importante é considerar a eficiência do agricultor brasileiro, que tem conseguido investir de maneira correta para apresentar volume e a qualidade esperada pelos mercados”, explica o presidente da Aprosoja/MS (a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso do Sul), André Dobashi. “Políticas públicas somados à ciência e tecnologias desenvolvidas por entidades de pesquisa, são elementos cruciais que contribuem com essas progressões”, completa o presidente.

China e Argentina foram os principais destinos da soja sul-mato-grossense. Os chineses sozinhos consumiram cerca de 83% do exportado no mês de julho deste ano, quando MS exportou 540 mil toneladas, ante as 236 mil toneladas exportadas em julho de 2019.

Milho

Nas exportações de milho, estadual e nacional, foram registradas quedas. Segundo a Aprosoja/MS, isso se trata de um movimento natural devido a segunda safra que está com colheita em andamento e com baixos estoques de passagem.

Mato Grosso do Sul exportou 19,4 mil toneladas em julho, mas, no acumulado de janeiro a julho o volume somou 153,3 mil toneladas, sendo os principais destinos Irã (58%), Taiwan (30%) e Japão (6%).

Entre esses clientes, a Aprosoja/MS destaca o Irã, que tem demonstrado interesse direto na produção dos grãos sul-mato-grossenses e estreitado relações comerciais, conforme reuniões ocorridas na última semana de julho, com entidades e órgãos governamentais sul-mato-grossenses.

Comentário

Sábado, 08 Agosto 2020 14:37

JBS anuncia 600 vagas de emprego em MS

A JBS anuncia a abertura de mais de 600 novas vagas de emprego nas unidades de Campo Grande, Caarapó, Dourados, Naviraí, Nova Andradina e Terenos, em Mato Grosso do Sul. Somente neste ano, a Companhia já realizou mais de duas mil contratações no Estado, informa via assessoria.

As oportunidades são para as áreas operacionais e administrativas e é desejável já ter exercido a atividade anteriormente. Porém, os interessados sem experiência prévia também podem participar do processo seletivo, pois a Companhia oferecerá capacitação técnica para cada função. Para concorrer, os candidatos devem entrar em contato com a planta de interesse para checar a documentação necessária e agendar a entrevista.

No total, a JBS abriu 5.200 novas vagas de emprego em 16 estados brasileiros e no Distrito Federal. As oportunidades são, em geral, para as atividades de corte, abate e desossa de carnes de bovinos, aves e suínos. Também há posições disponíveis nos Centros de Distribuição, lojas, incubadoras de aves e nas fábricas de ração da empresa em várias regiões.

Contato das Unidades

● Campo Grande – (67) 2107-2500 / (67) 4009-7518
● Caarapó – (67) 3498-1423
● Dourados (Seara) – (67) 3411-2047
● Naviraí – (67) 3409-6753 / (67) 3409-6765
● Nova Andradina – (67) 3449-2205 / (67) 3449-2278
● Terenos – (67) 4009-7554

A JBS é uma das líderes globais da indústria de alimentos e conta com uma plataforma global de produção diversificada por geografia e por tipos de proteína. A Companhia conta com mais de 240 mil colaboradores, em unidades de produção ou escritórios em todos os continentes, em países como Brasil, Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Austrália, China, entre outros – no Brasil são mais de 130 mil colaboradores, sendo a empresa uma das maiores empregadoras privadas do país.

Comentário

O presidente regional do PSDB, Sergio de Paula, confirmou no meio da semana, quando esteve em Dourados, que o partido reavalia a pré-candidatura do ex-deputado Valdenir Machado à Prefeitura e que existe uma predisposição do Governo, com respaldo, inclusive, do governador Reinaldo Azambuja, pela construção de um ‘chapão’ e o apoio das principais forças da base aliada ao projeto de pré-candidatura do deputado Barbosinha, indicado pelo DEM. Ele citou conversações envolvendo o MDB, PSB e o PTB e falou em reivindicar a vaga de vice para um nome tucano.

De Paula passou por Dourados para acompanhar o quadro atual, depois que o nome que tentava reaglutinar o projeto eleitoral da legenda para as eleições de novembro teve que se afastar do processo. Acometido pela Covid-19, Valdenir Machado permaneceu quase uma semana na UTI de hospital da cidade e agora se recupera em casa. Aos 72 anos, o ex-deputado prometeu se manifestar sobre o assunto assim que deixar a quarentena.

Durante o encontro, reservado aos vereadores e poucas lideranças partidárias, em um hotel na saída de Campo Grande, ocorrido na terça-feira (4), conforme repercutiu o site da Folha de Dourados, o próprio Sergio de Paula apresentou como alternativa para a continuidade do partido na disputa a tese de indicação de um nome para ser o candidato a vice, na coligação com o pré-candidato do DEM, o deputado estadual José Carlos Barbosinha.

“O Governo pretende construir um arco de aliança em torno do Barbosinha, foi o que declarou o presidente regional”, confirmou na tarde desta sexta-feira (7) ao Douranews uma fonte que participou do encontro restrito. Nessa nova fase de conversas, incluem-se tratativas para aglutinar os interesses do Governo em torno do pré-candidato democrata junto ao MDB, PSB e o PTB, segundo cogitou Sérgio de Paula, juntando a base de sustentação de Reinaldo na Assembleia em torno de uma solução pacificadora.

Dos partidos citados pelo principal articulador político do governador Reinaldo Azambuja, MDB e PTB ainda não sinalizaram com o lançamento de chapas majoritárias, apesar das investidas ainda tímidas do ex-candidato derrotado em 2016, deputado Renato Câmara no MDB e da atual prefeita, eleita naquele processo, Délia Razuk, que seria a candidata natural do PTB a um novo mandato. No PSB, o médico Davi Infante Vieira vem sendo anunciado como pré-candidato.

Pelo que ficou acordado, segundo a mesma fonte, os quatro vereadores do partido e a Executiva municipal vão aguardar mais uns dias para decidir com o próprio Valdenir, que é o presidente da legenda na cidade o futuro do partido nas eleições de 15 de novembro. Por enquanto, o ex-deputado “tá com 15 dias de quarentena, e se recuperando muito bem”, disse o irmão dele, vereador Idenor Machado. “Vamos esperar, assim que puder, pra ele falar sobre o assunto”, resumiu o vereador tucano, procurado pelo Douranews.

Comentário

Regulamentado por meio de um decreto publicado nesta sexta-feira (7), o governador Reinaldo Azambuja explicou que o Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado) já está pronto para ser implementado. Ele contará com duas delegacias especializadas e será responsável por combate ao crime organizado e à lavagem de dinheiro em Mato Grosso do Sul.

“A criação do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado é mais um instrumento para combater os grupos criminosos e garantir a segurança da população. Temos reduzido os índices de criminalidade e, em cinco anos e meio, as forças policiais de Mato Grosso do Sul tiraram de circulação quase 2 mil toneladas de drogas. Junto a isso, estamos aperfeiçoando as ferramentas de transparência, que também são formas de combater a corrupção, e alcançado os primeiros lugares nos rankings nacionais”, disse o governador.

Serão vinculadas ao Dracco as delegacias de Combate ao Crime Organizado e de Combate à Corrupção. Ambas terão um cartório central e uma seção de investigação geral. O secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, Antonio Carlos Videira, explicou que uma das delegacias já existe e a outra está sendo criada. “Esse decreto regulamenta o funcionamento do Dracco e cria a Delegacia Especializada de Combate à Corrupção, a Decor, e altera a subordinação da já existente Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado [Decco], que sai do Departamento de Polícia Especializada (DPE) e vai para o Dracco”.

Também foi criada a Seção de Operações Aéreas da Polícia Civil, que será responsável pela gestão e operação das atividades áreas de segurança pública no âmbito da instituição e o Laboratório de Tecnologia contra Lavagem de Dinheiro (LAB/LD), que assim como a Decco migrou para a estrutura do novo Departamento da Polícia Civil.

“Trata-se de um avanço considerável para a Polícia Civil, que passa a contar com efetiva ferramenta de enfrentamento aos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e correlatos. Há também um fortalecimento da unidade já existente de enfretamento às organizações criminosas [Decco]. Além disso, a segurança pública do Estado passa a contar com seção específica de tratamento operacional das atividades aéreas, visando propiciar mais efetividade às atribuições de polícia judiciária”, acrescenta Videira.
O Dracco contará ainda com diretoria; coordenadoria de operações com seções de Análise Criminal e Operações e de Assessoramento Especializado, Tecnologia Cibernética e Telemática; coordenadoria de administração, com seção de Expediente e Apoio Administrativo; e laboratório de Tecnologia contra Lavagem de Dinheiro (LAB/LD), com seção de Análise de Dados e de Tecnologia da Informação.

A instalação de unidades dedicadas exclusivamente ao combate à corrupção é um dos critérios que o Governo Federal leva em conta ao calcular os percentuais do Fundo Nacional de Segurança Pública a que cada unidade da federação tem direito. Conforme portaria publicada no Diário Oficial da União, 5% do fundo será rateado entre as unidades da federação que fomentarem a criação e efetivo funcionamento, nas Polícias Civis, de unidades dedicadas exclusivamente ao combate à corrupção.

Comentário

Página 1 de 8719
  • mascaras
  • unigran novo

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis