Imprimir esta página
Segunda, 16 Dezembro 2019 07:15

Trabalho de presos iniciado em Dourados produz bolas para campeonatos nacionais

Escrito por
Reeducando do sistema prisional desenvolve trabalho artesanal de costura de bolas Reeducando do sistema prisional desenvolve trabalho artesanal de costura de bolas Divulgação/Tatyane Santinoni/Agepen

Bolas esportivas utilizadas em campeonatos nacionais e estaduais de futebol e futsal agora são confeccionadas também por detentos do Estabelecimento Penal “Jair Ferreira de Carvalho”, na Capital. Com início em setembro, a costura das bolas acontece dentro das próprias celas, não causando nenhum tipo de prejuízo à segurança da unidade.

Esse mesmo trabalho já é desenvolvido nos presídios de Dourados, Naviraí e Ponta Porã, e está em fase de implantação em Rio Brilhante. O próximo município será Jateí, com uma oficina na penitenciária feminina.

A iniciativa faz parte da parceria entre a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), por meio da Divisão de Trabalho, e a empresa Mundi Mercantil Indústria e Comércio de Materiais Esportivos, representante na fabricação de marcas oficiais conhecidas nacionalmente.

Na penitenciária máxima de Campo Grande, são 74 reeducandos trabalhando com a produção de bolas e tem como objetivo proporcionar ocupação produtiva remunerada durante o cumprimento de pena. Segundo o diretor do presídio, Mauro Augusto Ferrari de Araújo, a meta é atingir 400 reeducandos trabalhando na oficina. “Em cada ala existe um ‘multiplicador’, ou seja, um interno que lidera os trabalhos de costura do local”, explicou.

Preso há sete anos, o interno Gilson da Costa Alves, de 32 anos, encontrou na atividade uma chance de ocupar o tempo ocioso com algo produtivo. “Meu primeiro contato com a costura foi quando estava preso em Dourados e acabei gostando do trabalho, tanto que agora participo do projeto que iniciou aqui na Máxima”, disse o interno que costura, em média, três bolas por dia.

O encarregado por desenvolvimento de mão de obra prisional e designer de produtos da empresa Mundi Mercantil, Cristian Mendes da Conceição, informou que a utilização do trabalho prisional acontece há alguns anos, inclusive no estado de São Paulo, e tem sido um sucesso.

“Primeiramente começamos a parceria nas penitenciárias paulistas, realizamos um teste em Dourados e deu muito certo, então decidimos migrar total ou parcialmente nossa produção para as unidades penais de Mato Grosso do Sul, devido à logística e número de internos trabalhando”, destacou.

Conforme Cristian, a média varia entre 100 e 300 presos que atuam na costura em cada unidade penal que o trabalho já está implantado, dependendo da organização interna e do sistema de segurança do local. “A intenção no presídio de Segurança Máxima de Campo Grande é produzir 1.500 bolas por semana, podendo este número chegar a 3 mil peças, conforme o desempenho dos internos”, garantiu Cristian que acompanha todo o trabalho de perto.

Redação Douranews

Mais recentes de Redação Douranews