Timber by EMSIEN-3 LTD
  • cmd recess
Sexta, 15 Fevereiro 2019 09:50

Operação investiga fraudes na compra de cartilhas educativas no Estado

Escrito por
Policiais percorrem corredores de repartições públicas em busca de documentação das investigações Policiais percorrem corredores de repartições públicas em busca de documentação das investigações Campo Grande News/Mayara Bueno

Força-tarefa formada pelo MPE (Ministério Público Estadual), PF (Polícia Federal) e CGU (Controladoria Geral da União) investiga esquema de superfaturamento, na operação “Aprendiz”, desencadeada nesta semana e que já identificou sobrepreço de R$ 1,6 milhão em cartilhas educativas encomendadas pela Secretaria da Casa Civil do Governo estadual. Essa é a diferença entre o preço de mercado e o que foi pago: de R$ 400 mil, as agências cobraram valor de R$ 2,1 milhões.

De acordo com o titular da 30ª Promotoria do Patrimônio Público, Marcos Alex Vera de Oliveira, estão sendo investigadas seis agências de publicidade, uma editora e duas gráficas, além de servidores da Secretaria estadual da Casa Civil que teriam participado do esquema fraudulento. A força-tarefa averiguou documentação referente à compra de dez cartilhas educativas encomendadas pela Secretaria entre os meses de junho de 2015 e agosto de 2016.

O material educativo foi usado em campanhas como o “Trânsito Mais Legal” e de outros temas, como combate a dengue, qualidade dos alimentos e coleta de lixo. De acordo com o promotor, o material era comprado por meio das agências de publicidade, empresas que prestam serviço para Secretaria, garantido por licitação. Essas agências contratavam a editora que subcontratava as gráficas para elaboração das cartilhas.

As gráficas investigadas não venceram qualquer licitação e, por isso, não têm vínculo oficial com a Secretaria, o que impediria essa subcontratação. A única possiblidade de esta negociação ser regular era se tivesse algum pré-cadastro com o governo, o que não existe. No endereço de uma delas, a força-tarefa encontrou apenas uma casa, sem qualquer equipamento.

“Se fossem adquiridas no mercado regular [cartilhas], o custo seria infinitamente menor”, disse Marcos Alex. Um exemplo foi de encomenda de uma delas, em que o preço de mercado seria de R$ 64 mil, mas, para o governo estadual, foram cobrados R$ 664 mil, diferença de 992%. A editora emitia nota fiscal e as agências recebiam 15% pela intermediação.

11 mandados de busca e apreensão foram cumpridos na Governadoria e agência nesta quinta-feira (14). Marcos Alex disse que a força-tarefa irá avaliar a documentação apreendida e, a partir daí, convocar os citados para interrogatórios. Na Governadoria, onde fica a Secretaria de Estado da Casa Civil, os policiais federais ficaram por cerca de 5 horas e saíram sem falar com a imprensa.

Conforme repercutiu o site Campo Grande News, os envolvidos podem responder por peculato, corrupção passiva, associação criminosa e, no caso dos servidores, improbidade administrativa. A operação é desdobramento da ‘Toque de Midas’, desencadeada em maio de 2017, segundo o site da Capital.

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014
E-mail: douranews@douranews.com.br

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus