Timber by EMSIEN-3 LTD
Redação Douranews

Redação Douranews

Essa frase, postada na página de apresentação do amigo Junior Bitencourt, no perfil pessoal que mantinha no Facebook, “resumem muito bem o que significou, para todos nós, a figura marcante, alegre, combativa e espontânea” do ex-secretário municipal de Agricultura Familiar, vítima de trágico homicídio ocorrido na tarde deste sábado (4) em Dourados, destacou o deputado Barbosinha (DEM-MS), ao se referir ao fato.

“Episódios como esses nos fazem refletir sobre o significado da vida e a dor da morte. A vida de um geógrafo, com 36 anos de idade, vocacionado para as boas causas sociais, liderança política emergente, significa exatamente nada diante da presença fria e calculista do elemento morte, que está a desafiar a Humanidade, como a impor-se com poderes julgadores”, avaliou o deputado.

“Nessa hora, fica a boa lembrança do papel exercido pela figura pública, a convivência com o amigo em torno de bons propósitos e a saudade. Aos familiares e demais pessoas da convivência dele, os nossos mais profundos sentimentos, com a certeza de que Deus tem um plano, seguro e confiável, para todos”, acrescentou.

Barbosinha ainda comentou observação contida na última postagem deixada por Bitencourt pela rede social: "Meu pai disse, não se preocupe criança, tudo vai ficar bem, Deus tem um plano pra você", contida em trecho da turnê do duo Overdriver Duo, de Novo Hamburgo-RS. “Antecipou-se o amigo em suas despedidas, traduzindo uma certeza, de que Deus é o melhor e maior consolo nessa hora”.

Câmara lamenta

"Com profundo pesar lamentamos o trágico falecimento do secretário municipal de Agricultura Familiar Alceu Junior Silva Bittencourt, ocorrido nesse sábado, diz a nota distribuída pelo presidente da Câmara de Dourados, vereador Alan Guedes (PP), ao exigir das autoridades de segurança pública "o pronto esclarecimento dos fatos e a prisão do autor (ou autores) do crime". Alan Guedes também apresentou a solidariedade dos demais membros da Casa à família enlutada, "destacando o vigor e o empenho com que o secretário Junior Bittencourt prestava em sua função pública".

 

Comentário

O secretário de Agricultura Familiar da prefeiitura de Dourados, Alceu Júnior Bitencourt Silva, foi assassinado no início da tarde deste sábado (4) com um golpe de faca no pescoço.

O crime aconteceu no bairro Izidro Pedroso, no interior de uma barbearia que seria do secretário que morreu antes da chegada do socorro médico. Segundo consta, o autor do crime seria um ex-funcionário do local.

8F37A462 0655 4515 885B EF06D21DFF1E

Policial recolheu faca usada como arma do crime (Eliel Oliveira)

 

Antes de assumir funções na Secretaria de Governo da prefeita Délia Razuk, e depois ser designado para a Agricultura Familiar, Bitencourt era um dos mais próximos assessores do ex-prefeito Laerte Tetila e chegou a candidato a vereador pelo PT em 2012, quando obteve 792 votos.

Comentário

Sábado, 04 Julho 2020 11:23

Morre a viúva do professor Celso Amaral

Morreu em Dourados, na manhã deste sábado (4), dona Neuza Carvalho do Amaral. Ela nasceu em 10 de fevereiro de 1928 em Dourados e tinha 92 anos de idade.

Neta de pioneiros que chegaram na região no início do século XX, dona Neuza, como era chamada, era filha do ex-prefeito de Dourados Antônio de Carvalho, com Gasparina de Mattos Carvalho. Carvalho foi o sexto prefeito de Dourados, entre os anos de 1948 a 1951.

Casou-se com o professor Celso Müller do Amaral, que foi vereador e deputado estadual, em 26 de abril de 1950 e deixou dois filhos (Maria Eugênia e Celso), uma nora (Margit), dois netos (Ricardo e Sofia) e muitos amigos, como relatou um dos filhos, o empresário Celso Carvalho do Amaral.

Educação

O casal era apaixonado pela educação. Celso era químico, formado pela Universidade Makenzie, e em seu mandato como vereador e deputado estadual, a partir dos anos 50, liderou movimentos políticos em favor do setor.

A Escola Estadual Presidente Vargas, foi uma das conquistas desse movimento; foi dele o ato de doação de áreas para a construção do prédio da escola no centro da cidade e parte da área que abriga o campus 2 da UFGD na Cidade Universitária.

Comentário

Com 9.910 casos confirmados no Estado, o mapa do coronavírus deve superar as 10 mil ocorrências em Mato Grosso do Sul nas próximas 24 horas. Três novos óbitos em Dourados, mais dois em Campo Grande e um em Itaquiraí elevaram a quantidade de mortes para 114 (1,2%) no cômputo geral.

Há 54.061 casos notificados e ainda 1993 em análise no Lacen (Laboratório Central) do Estado. Segundo o boletim epidemiológico da manhã deste sábado (4), continuam sem encerramento 2157 exames coletados. O novo boletim mostrou 522 casos novos em 24 horas, e, com 284 ocorrências, Campo Grande voltou a assumir o epicentro da Covid-19 no Estado. Dourados é o segundo, com 79 casos novos.

O Estado tem 73% de ocupação global de leitos públicos na capital do Estado, número que preocupa o Governo, conforme admitiu o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende. Em Dourados, a taxa da macrorregião indica 48% de ocupação global, com 18 internações em UTI pública e nove pacientes ocupando UTIs da rede privada.

"A se verificar esse crescimento nos próximos dias, nós, seguramente, não vamos ter condições de garantir, pelo SUS, o atendimento de saúde a toda nossa gente", revelou Resende. 

Comentário

Uma mulher de 33 anos morreu logo após dar à luz, por complicações que também teriam sido causadas pela Covid-19. O fato ocorreu na noite de quarta-feira (1), mas só veio à tona na tarde desta sexta (3), no Hospital Universitário de Dourados. Esta é a 32 ª morte por coronavírus em Dourados que conta com 2.869 casos positivos da doença.

De acordo com o repórter Sidnei Bronka, do site LigadonaNotícia, o bebê se encontra internado na unidade hospitalar. O resultado do teste que indicou positivo para coronavírus na mulher foi divulgado nesta sexta-feira pela Secretaria estadual de Saúde.

A mulher estava gestante de 31 semanas e deu entrada no Hospital Universitário no mesmo dia, às 18 horas, com quadro de dispneia e tosse, quando foi internada na maternidade com suspeita de Covid-19. Às 21 horas, segundo a publicação, ela foi avaliada pelo plantonista da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) que indicou que fosse entubada, porém, mesmo assim, o profissional definiu que faria o parto, o que ocorreu às 22h10.

Logo após o bebê ser retirado por cesárea, a mulher apresentou parada cardiorrespiratória. A equipe médica ainda tentou reanimá-la, sem sucesso. Ainda de acordo com a Secretaria de Saúde do Estado, a vítima fatal da doença possuía hipertensão arterial, asma e obesidade grau III.

Comentário

Comparando os valores per capita (por pessoa) repassados pelo Governo federal e estadual para Dourados e outros municípios líderes de macrorregião de saúde, o deputado Barbosinha viu uma diferença gritante. Ele diz que enquanto recursos para a saúde de Campo Grande equivalem a R$ 44,00 por pessoa e de Corumbá, a média é de R$ 33,00 por pessoa, Dourados fica com apenas R$ 14,00 por pessoa.

“Tenho dito que Dourados está precisando de um gerente que tenha coragem e conhecimento para brigar por aquilo que é nosso”, afirmou Barbosinha que é pré-candidato a prefeito pelo DEM, frisando que situações como essa vêm gerando a grave crise financeira em que Dourados está mergulhado.

“Estamos perdendo repasse de ICMS. E, o que é ainda mais grave, o dinheiro que vem da União e do Estado para a saúde, é bem menor do que recebem os outros municípios”, enfatiza o deputado, lembrando que a cidade é referência em saúde para 800 mil habitantes que moram em 33 municípios ao redor.

“Como se justifica que o nosso repasse por pessoa seja equivalente a 1/3 do que recebe Campo Grande?”, questiona Barbosinha, reafirmando o discurso de que o município precisa de gestão e que a receita pode aumentar sem o aumento de impostos ou taxas.

Com um repasse menor para a saúde, os pacientes sofrem por falta de equipamentos e profissionais e a saúde fica sempre devendo atendimento e qualidade às pessoas, analisa o pré-candidato.

Barbosinha diz que um dos motivos de colocar seu nome à disposição de Dourados é visando buscar soluções para defasagem de receita na saúde e na participação do ICMS, por exemplo, que vêm tirando a capacidade de investimento da Prefeitura da segunda maior cidade do Estado.

Barbosinha foi prefeito aos 23 anos, presidiu a empresa de Saneamento de MS (Sanesul) por mais de sete anos. Foi presidente da Aesbe (Associação Brasileira das Empresas de Saneamento) e secretário de Justiça e Segurança Pública. “Já gerenciei grandes orçamentos, sei como é que faz, e estou disposto a ajudar na reconstrução das contas de Dourados”, afirma o parlamentar, notando que depois da pandemia, a situação tende a se agravar com a retração da economia e redução do nível de empregos em diversos setores da sociedade. “Recuperar essas receitas através de uma gestão informatizada e eficiente são vitais para Dourados voltar a crescer”, conclui.(Da assessoria)

Comentário

Um sub oficial da Polícia Nacional do Paraguai executou a tiros seis membros da família e em seguida suicidou-se. A chacina ocorreu nas primeiras horas desta sexta-feira (3) em um sítio na cidade de Capiatá, na região metropolitana de Assunção. O policial matou os próprios filhos, os ex-sogros e uma cunhada. Ele transmitiu toda a tragédia através de teleconferência para a esposa dele, atualmente residindo na Espanha, conforme repercute o site Ponta Porã News.

A tragédia aconteceu casa dos ex-sogros do policial Isidro Casco Salinas, de 31 anos, que atuava na Direção Nacional de Trânsito da Polícia. Segundo o relatório preliminar sobre o caso, Isidro chegou na casa em uma motocicleta e abriu a porta a ponta pés. Ele foi recebido pelo sogro Alberto de la Cruz Riveros Benítez, de 51 anos, a que matou instantaneamente sem dizer uma única palavra.

Em seguida, ele matou a sogra, Amalia Portillo, de 50 anos, e na sequência os filhos, Amalia Casco Romero, de 2 e Amilcar Casco Romero, de apenas 1 ano e ainda a cunhada, Liliana Maribel Gómez, de 16 anos. Outras duas pessoas foram baleadas e levadas para o Hospital de Trauma, onde uma delas que ainda não teve o nome divulgado também morreu. Após o crime, o policial se matou.

Comentário

O MPF (Ministério Público Federal) ofereceu denúncia nesta sexta-feira (3) contra o senador José Serra (PSDB-SP) por lavagem de dinheiro à época que era governador de São Paulo. A filha do parlamentar, Verônica Allende Serra, também foi denunciada. Estão sendo cumpridos oito mandados de busca e apreensão para aprofundamento das investigações sobre o esquema em endereços em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Segundo a denúncia da força tarefa da Operação Lava Jato, em 2006 e 2007 Serra recebeu vários pagamentos da empreiteira Odebrecht em contas no exterior, em um total de R$ 4,5 milhões. O MPF disse que “supostamente” o dinheiro seria usado para pagamento de despesas das campanhas eleitorais do então governador.

Rodoanel

Em troca do dinheiro, Serra teria permitido que a Odebrecht, junto com outras empresas, operasse um cartel, combinando os preços das obras para a construção do trecho sul do Rodoanel, um anel rodoviário que circunda a região central da Grande São Paulo. “No caso da Odebrecht, essa atuação servia para se atingir a meta de lucro real estabelecida para sua participação nas obras do Rodoanel Sul, pelo superintendente Benedicto Júnior, de 12% sobre o valor do contrato, o qual só foi possível de atingir diante da inexistência de competição no certame licitatório, em razão da formação prévia de um cartel”, afirmam os procuradores na denúncia.

“Em outras palavras, o cartel, que veio a ser efetivamente estabelecido, prestou-se a maximizar os lucros desta empreiteira, do que defluiu não apenas um ganho econômico, como também maior disponibilidade de recursos ilícitos (decorrentes de contratação conquistada em ambiente de ausência de competitividade) para que ela, então, pudesse realizar pagamentos de propina que foram sendo ajustados com os agentes públicos no curso das obras”, enfatiza o texto ao explicitar o funcionamento do esquema.

Delação

A investigação mostra, a partir de documentos obtidos em cooperação com autoridades internacionais, que foram feitos diversos pagamentos usando uma rede de contas offshore (em locais com menor tributação). De acordo com os procuradores, eram feitas várias movimentações financeiras no exterior para dificultar o rastreio dos recursos.

Os contatos entre Serra e a Odebrecht eram, segundo o MPF, feitos por Pedro Augusto Ribeiro Novis, que foi vizinho do senador. O executivo assinou um acordo de colaboração com a Justiça. “Em razão dessa proximidade, cabia sempre a Pedro, em nome da Odebrecht, receber de José Serra, em encontros realizados tanto em sua residência quanto em seu escritório político, demandas de pagamentos, em troca de “auxílios” diversos à empreiteira, como os relativos a contratos de obras de infraestrutura e a concessões de transporte e saneamento de seu interesse”, denunciam os procuradores.

O MPF acusa ainda Verônica Serra de, seguindo as ordens do pai, ter ajudado a movimentar os recursos no exterior.

Bloqueio

Além dos mandados, o Ministério Público Federal informou que obteve autorização judicial para bloquear R$ 40 milhões em uma conta na Suíça. De acordo com a denúncia, Serra teria recebido da Odebrecht mais R$ 23,3 milhões em 2009 e 2010 para liberar R$ 191,6 milhões em pagamentos da estatal estadual Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa) à empreiteira.

Segundo a assessoria do senador, Serra só tomou conhecimento da denúncia nesta sexta-feira e ainda está analisando o processo antes de se pronunciar. Em nota, o senador José Serra afirma que os fatos que motivaram as ações de hoje são “antigos e prescritos”. Ele diz ainda que “causa estranheza” que os mandados sejam cumpridos em meio à pandemia de Covid-19. “Em movimento ilegal que busca constranger e expor um senador da República”, enfatiza.

No comunicado, Serra destaca ainda que não cometeu atos ilegais e que sempre teve “integridade” na sua vida pública. O senador diz que “mantém sua confiança na Justiça brasileira, esperando que os fatos sejam esclarecidos e as arbitrariedades cometidas devidamente apuradas”. (Agência Brasil)

Comentário

O Procon (Programa Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor) realizou pesquisa de preços dos produtos que compõem a cesta básica durante visitas feitas nesta quinta-feira (2) a 12 estabelecimentos da cidade e encontrou variação de até 31% entre estabelecimentos. Em relação aos valores levantados em junho pelo órgão, a cesta básica apresentou queda de 0,38% no valor global dos produtos.

Nesta pesquisa, coletados os preços de 29 itens, os fiscais do Procon encontraram produtos com variação significativa de preços de um estabelecimento para outro. O extrato de tomate na embalagem com 350ml, por exemplo, registrou diferença de 332,22% entre o menor e o maior preço.

CONFIRA OS PREÇOS DO MÊS

O quilo da batata foi encontrado com diferença de 145,73% entre o menor e o maior preço. A goiabada com 600gr teve diferença de 322,09% e o quilo de sal, de 151,90%. Já o quilo da carne bovina de segunda apresentou diferença de 85,97%. Foram encontrados 14 produtos com diferença superior a 100% entre os estabelecimentos com menor preço para o maior, como, por exemplo, sabão em pó, margarina, sabonete, erva mate de tereré e o papel higiênico.

De acordo com o Procon, continua valendo a recomendação para que o consumidor se mantenha atento às especificações contidas na embalagem dos produtos, como prazo de validade, composição e peso líquido e possa avaliar os preços entre estabelecimentos para conseguir economia. Os telefones do Procon para mais informações são: 3411-7754 ou 151.

Comentário

A secretária de Assistência Social Maria Fátima de Alencar promoveu reunião virtual com 93 servidores na manhã desta quinta-feira (2) quando apresentou o Plano de Contingência e Biossegurança que visa a segurança dos servidores e do público. O direcionamento da Prefeitura de Dourados é que os atendimentos da pasta contemplem a demanda ampliada diante do cenário de pandemia do coronavírus com a maior seguridade possível.

Ela cita que a pandemia ampliou as vulnerabilidades sociais e, consequentemente, a demanda no SUAS (Sistema Único da Assistência Social), o que reforça a necessidade de que os servidores estejam muito conscientes das medidas de precaução ao contágio.

Equipe de servidores, coordenadores e diretores estruturam o plano, com base em direcionamentos das autoridades de saúde. No documento encontram-se os cuidados individuais e coletivos que todos devem tomar, com esclarecimento de dúvidas sobre atendimentos aos usuários e ações necessárias para lidar com o aumento de demanda.

A secretária destaca que “a reunião seguiu as recomendações da OMS (Organização Mundial de Saúde) e de forma on-line foi possível agilizar processos de comunicação de ações, conectar as pessoas e mantê-las unidas como um grupo, além de ser oportuno para o aprendizado do uso de novas tecnologias, que tem a potencialidade de diminuir custos e continuarem sendo usadas à longo prazo”.

Na próxima semana, a Secretaria de Assistência Social terá um ciclo de capacitações com foco no enfrentamento ao coronavírus. O evento, nos dias 7 e 9 de julho, vai abordar temas de biossegurança no atendimento ao público, cuidados de biossegurança às equipes de limpeza e impactos da pandemia na saúde mental do trabalhador. As atividades acontecerão em parceria com a UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), disponibilizada pela Pró-reitoria de Desenvolvimento Humano e Social, Setor de Saúde e Qualidade de Vida.

Comentário

Página 3 de 1685
  • disk corona

O Tempo Agora

  • mascaras
  • unigran novo

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis