Menu
Buscarsexta, 21 de junho de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
27°C
unigran24
banner100
Campo Grande

Fonoaudiólogo suspeito de estupro atendeu pelo menos 200 crianças

De 14 crianças que foram ouvidas, a polícia confirmou indício de estupro em quatro. As vítimas possuem entre 4 e 8 anos.

17 março 2022 - 13h00Por G1/MS

Atuando há pouco mais de um ano em Campo Grande (MS), a Polícia Civil afirma que o fonoaudiólogo suspeito de abusar sexualmente de pacientes, todos meninos, com idades entre 4 e 8 anos, pode ter atendido pelo menos 200 crianças. Todas elas serão chamadas para prestar depoimento, acompanhadas dos pais ou responsáveis. O nome do suspeito não foi revelado e ele está preso.

A delegada titular da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), Fernanda Félix, disse que em 2022, o fonoaudiólogo realizou 75 atendimentos.

"Ele está trabalhando em Campo Grande atendendo pacientes pediátricos e adultos há mais de um ano. Somente em 2022 ele atendeu 75 crianças, e todas serão chamadas para serem ouvidas aqui na Depca", apontou.

Após novos registros de denúncias, o fonoaudiólogo foi levado novamente à Depca, na manhã desta quinta-feira (17) para novos esclarecimentos. De acordo com a delegada, ele permaneceu em silêncio ao ser questionado sobre os atos denunciados em depoimento que durou duas horas.

“Ele não negou, nem confirmou. Apenas manifestou o desejo de falar apenas em juízo. Não respondeu nenhuma pergunta. Ele apenas disse que veio de Manaus”, esclareceu.

A primeira denúncia chegou à delegacia, na quinta-feira (10), e após, outras mães procuraram a polícia para relatar casos semelhantes sofridos pelos filhos. Para realizar uma denúncia, a DEPCA fica na rua Dr. Arlíndo de Andrade, 145 - Amambai, Campo Grande. As denúncias de crimes envolvendo crianças e adolescentes também podem ser feitas através do disk 100.

Relato de abuso

Há quatro meses, um menino, de 8 anos, começava os atendimentos de fonoaudiologia com o suspeito. Na primeira consulta, a mãe, de 38 anos, acompanhou a sessão, mas logo foi repreendida pelo fonoaudiólogo, que avisou que o segundo atendimento seria apenas entre ele e o paciente.

A empresária começou a reparar comportamento atípico no filho há um mês. Segundo a mãe da vítima, o garoto teria perguntado ao irmão mais velho se "era normal o tio [fonoaudiólogo] passar a mão no pipi" dele.

Chorando muito, o menino relatou os abusos à mãe. De pronto, a empresária mencionou que tentou abordar a situação com o filho mostrando que a culpa não era dele. Relatando à mãe, o menino disse que o fonoaudiólogo trancava a porta do consultório, colocava música, pedia para a criança subir na maca e iniciava os abusos.

"O fonoaudiólogo pedia para passar a mão no pipi dele. O abusador abaixava o short do meu filho, passava a mão e pedia para que o meu ele fizesse a mesma coisa com o fono, mas a criança disse que não sabia o que estava fazendo", contou.

Quando soube do caso, a mãe combinou com o filho de que levaria ele para consulta. A empresária disse ao menino: " 'assim que o fono pegar em você, sai correndo e chama a mãe', foi aí que eu acionei a polícia e denuncie o caso. O meu filho destrancou a porta e saiu correndo e gritando".

À mãe, o garoto mencionou que nunca tinha feito nenhuma sessão de fonoaudiologia e o suspeito pedia apenas para a criança "relaxar". "O fono trancava a porta e falava que era tratamento. Ele nunca fez aula, só escutava música e mandava o meu filho fazer desenho na mão dele para 'ele relaxar'", relata a mãe da vítima de 8 anos.

Como denunciar casos de violência

A Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA) fica localizada na rua Dr. Arlíndo de Andrade, 145 - Amambai. O telefone da delegacia é (67) 3323-2500.

Conselhos tutelares

No site Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho, estão disponíveis os endereços e contatos dos conselhos tutelares que operam em Mato Grosso do Sul e recebem denúncias. Clique aqui.

Disque 100

O Disque 100 atende 24 horas, todos os dias, incluindo fins de semana e feriados, em todo o Brasil. Pela internet, as denúncias podem ser feitas pelo aplicativo Direitos Humanos Brasil ou pelo WhatsApp, no número (61) 99656-5008. A Secretaria de Direitos Humanos recebe denúncias anônimas e encaminha o assunto aos órgãos competentes no município de origem da criança ou adolescente.

Ministério Público

Todo estado brasileiro conta com um Centro de Apoio Operacional (CAO), que pode ser acionado para a defesa e garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes. Os números de contato são: 127 e 0800-647-1127, como ligação gratuita em todo estado ou (67) 3318-2032.

Deixe seu Comentário

Leia Também