Menu
Buscarsábado, 13 de abril de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
25°C
Brasil

Brasil trabalha para erradicar pobreza extrema em 2020

17 março 2011 - 21h31Por Redação Douranews, com Exame

A pobreza extrema no Brasil será erradicada em 2020, após ter diminuído em 45,5% durante o Governo Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2009), afirmou a cientista política Sonia Fleury, conselheira do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES).

A professora Sonia Fleury, que também participou nesta quinta-feira do segundo dia de eventos do 4º Seminário de Pensamento Atlântico, que ocorre até sexta-feira em Las Palmas de Gran Canaria (Espanha), intitulado "América Latina, laboratório mundial".

Segundo ela, as políticas públicas impulsionadas nos últimos anos para construir um sistema universal de saúde, aumentar o valor da previdência com a alta do salário mínimo e criar o programa Bolsa Família para a população mais pobre impactaram na redução da pobreza e no aumento da classe média, que cresceu entre 34% e 38% no Governo Lula.

Ela explicou que o crescimento da classe média é um fenômeno de ascensão social muito forte e considerou que as políticas públicas no Brasil dos últimos anos tiveram resultados efetivos na redução da pobreza, mas não se traduziram em uma significativa redução da desigualdade.

Por isso, segundo ela, é preciso "dar mais atenção às políticas universais de saúde e educação".

De qualquer maneira, a professora ressaltou que, atualmente, de cada dez idosos, oito estão cobertos com aposentadorias contributivas ou não-contributivas.

A cientista política indicou que o Brasil registra uma taxa de desemprego de 6%, o que representa uma situação de quase "o pleno emprego".

Com uma economia que cresce a um ritmo de 5% e a quitação da dívida externa que mantinha com o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Brasil, apesar de ter "uma taxa de juros muito alta e uma moeda sobrevalorizada", caminha em uma direção "muito mais sustentável" que outra nações da Europa, declarou Sonia Fleury.