Menu
Buscarsábado, 15 de junho de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
29°C
unigran24
banner100
PORTO ESPERANÇA

Trevo com a rodovia BR-262 avança

Moradores, isolados, agora sonham com novo futuro

17 agosto 2022 - 16h58Por Assessoria

Em fase de conclusão de implantação, o trevo que ordenará o acesso a Porto Esperança pela rodovia BR-262 receberá até o final de agosto a capa asfáltica e será liberado quando for finalizada a estrada até o antigo distrito de Corumbá, cuja abertura está sendo executada pelo Governo do Estado com recursos do Fundersul.

A obra de R$ 20,7 milhões vai tirar a comunidade ribeirinha do Rio Paraguai do isolamento que perdura desde os anos de 1990, com o fim do Trem do Pantanal. Porto Esperança nasceu com a chegada dos trilhos da antiga Estrada Noroeste do Brasil às barrancas do rio, em 1912, se tornando importante entreposto de cargas e passageiros.

Considerada uma obra emblemática para a sub-região do Pantanal, ao integrar a comunidade com a cidade, distante apenas 80 km, e fomentar o turismo de pesca e histórico e gerar renda no lugar, a estrada de revestimento primário (cascalhada com resíduos de minério de ferro) terá 11,2 km de extensão em meio a uma planície alagável.

Moradores: mais esperança

“Não consigo entender como uma comunidade de 100 anos não tinha acesso a serviços básicos, com um grande potencial para desenvolver o turismo”, afirma o governador Reinaldo Azambuja, que lançou a obra no ano passado, ao visitar o distrito, e entregou a estação de tratamento de água e rede de distribuição da Sanesul para as 130 famílias que ali residem.

A felicidade dos moradores, a maioria vivendo em casas simples sobre palafitas, traduz a importância da ligação de Porto Esperança com a BR-262, Quando chove, o único caminho até a ponte é o rio, onde o transporte para Corumbá é de ônibus ou carona, onerando o bolso de quem precisa ir até a cidade, por motivos de doença ou para resgatar a aposentadoria.

“Quando alguém fica doente é um Deus nos acuda, pois nem todo morador tem condições de pagar o transporte pelo rio”, relata a líder comunitária Natalina Mendes. Uma viagem de ida e volta a Corumbá custa, em média, R$ 350, incluindo barco e ônibus. Com a paralisação do trem, o distrito entrou em decadência e perdeu 70% da população.

Drenagem: sistema complexo

Quem trafega pela BR-262 nas proximidades da ponte sobre o Rio Paraguai já percebe o novo traçado em direção ao distrito e a intensa movimentação de máquinas e operários. As etapas do serviço incluem a implantação do trevo, a uma distância de 6,5 km da ponte, e abertura do acesso, que terá, em alguns trechos, aterros de até 3,5 metros.

A sonhada estrada foi projetada distante da margem do Rio Paraguai levando em consideração as grandes inundações que ocorrem na região, conhecida como Nabileque. O antigo acesso, aberto pelos próprios moradores, margeia o rio, sem infraestrutura, e torna-se intransitável na cheia e quando chove. O solo é característico do Pantanal: argila saturada (acúmulo de água).

Segundo a empresa Equipe, executora da obra, foram concluídas a terraplenagem e sub-base em 5,5 km de estrada. O serviço avança por mais 2,2 km, com abertura do traçado, lançamento de material e implantação dos canais de drenagem. O controle das águas exigirá a instalação de 27 aduelas (blocos de concreto), algumas em formato triplo.

A obra ainda depende de liberação de um pequeno trecho próximo ao trevo com a BR-262, por onde passa o gasoduto Bolívia-Brasil, com previsão de implantação de uma ponte de vazante de 20 metros para evitar o impacto do tráfego pesado com o solo em área restrita. A estrada terá duas pontes de concreto, de 54 e 48 metros, também em execução.

Deixe seu Comentário

Leia Também