Menu
Buscarsegunda, 15 de julho de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
10°C
unigran24
Dourados

Dono de terreno baldio que não limpa imóvel paga caro em Dourados

16 fevereiro 2017 - 15h57

A Semsur (Secretaria municipal de Serviços Urbanos) iniciou esta semana os serviços de roçada e limpeza de terrenos baldios no perímetro urbano. Os trabalhos começaram pelo Portal de Dourados e avançaram para o Jardim Climax, Jardim dos Cristais, Monte Carlo e região do Parque Alvorada I e II.

A roçada e limpeza de terrenos baldios têm como objetivo evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika vírus e febre chikungunya, tanto que uma das primeiras determinações da prefeita Délia Razuk foi a limpeza de vias e prédios públicos da cidade.

Sicredi

O secretário Joaquim Soares lembra que esses terrenos podem ser propícios para a criação de animais peçonhentos como cobras, escorpiões, ratos e outros, um risco para a população.

O edital de notificação de roçada e limpeza foi publicado no Diário Oficial do Município do dia 13 de janeiro, estabelecendo prazo de dez dias úteis para os proprietários providenciarem a roçada e limpeza de seus terrenos. Quem não cumprir é passível de multa, de acordo com a Lei Municipal 1067/79 (Código de Posturas do Município), nos artigos 170 e 174, que preveem a execução dos serviços pela Prefeitura e posterior cobrança pelos serviços, acrescido de 10% do valor a título de administração. Em caso de reincidência, a multa tem valor dobrado.

O proprietário que deixar de cuidar do terreno pode pagar caro. Em uma área de 360 metros quadrados, por exemplo, o valor cobrado pelo serviço é de R$ 216. Acrescido das multas referentes os artigos 170 e 174 (de acordo com a Uferms vigente – hoje é de R$ 24,43), o valor chegaria a R$ 1.146,92, mais a reincidência de R$ 573,46 e a taxa de 10% - R$ 57,34, totalizaria uma despesa de R$ 1.993,72.

De acordo com o diretor de Fiscalização de Posturas, Luiz Carlos Lopes, o proprietário infrator tem prazo de oito dias para recorrer de eventuais multas. “A Prefeitura não está fazendo nada mais que cumprir e fazer se cumprir a lei. É obrigação do poder público observar a aplicação da lei e é também dever do cidadão, contribuir para manter a cidade limpa”, pontua.

O secretário de Serviços Urbanos, Joaquim Soares, explica que quando o edital é lançado no Diário Oficial do Município todos os donos de terrenos já estão automaticamente notificados de que devem fazer a roçada dos imóveis dentro daquele prazo.

“O dono de terreno que deixa de cuidar da sua área, preferindo que a Prefeitura execute o serviço, acaba pagando mais por isso”, diz, lembrando que a idéia é que cada um procure manter o terreno limpo durante o ano todo. “Além de evitar criadouros de mosquitos e animais peçonhentos, ele estará contribuindo por uma cidade limpa e ao mesmo tempo valorizando o imóvel”, raciocina.

Deixe seu Comentário

Leia Também