Menu
Buscarsegunda, 27 de maio de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
13°C
Economia

Em Brasília, Reinaldo consegue elevar o teto do FCO para o Estado

08 dezembro 2016 - 11h01

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) garantiu o aumento no volume de recursos do FCO (Fundo Constitucional do Centro-Oeste) destinados a Mato Grosso do Sul. Dos atuais R$ 1,36 bilhão, o Estado passa a contar com R$ 2,24 bilhões. A aprovação desta reivindicação aconteceu, na manhã desta quarta-feira (7), em Brasília, na 7ª Reunião do Condel (o Conselho Deliberativo Centro-Oeste), que contou com a presença dos governadores da região Centro-Oeste, da Sudeco e do Ministério da Integração.

“É uma conquista muito significativa para Mato Grosso do Sul, pois auxilia em nosso trabalho de atração de novos empreendimentos. Não foi somente a ampliação no valor do recurso destinado ao Estado, mas uma série de mudanças nas regras de financiamento que vão beneficiar o setor rural e empresarial”, avaliou o governador.

Reinaldo disse ainda que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles está sensível ao pedido de redução das taxas de juros do FCO e que o assunto deverá ser avaliado na próxima reunião do CMN (o Conselho Monetário Nacional). “Fizemos um apelo ao ministro, juntamente com os demais governadores e a bancada e ele se mostrou sensibilizado. Nossa expectativa é otimista, pois com a redução dos juros, o FCO vai se tornar mais atrativo e conseguiremos mais projetos de investimento”, afirmou.

O secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck, acompanhou o governador Reinaldo Azambuja na reunião do Condel. Segundo ele, as mudanças que foram apresentadas à Sudeco e validadas pelo Conselho “terão um impacto relevante na captação de mais empreendimentos”.

Entre as mudanças está a desvinculação de insumos e estoque nos empréstimos de capital de giro, possibilitando o uso para quitar despesas, inclusive de folha de pagamento, além da extensão dessa modalidade para grandes empresas (não somente micro, médias e pequenas). Essa alteração já está em vigor a partir deste mês. Além disso, foi incluída a possibilidade de financiamento de projetos para a retenção de matrizes suínas e a ampliação do percentual de repasse do Banco do Brasil, de 7% para 10% ao BRDE, agências de fomento e cooperativas.

Deixe seu Comentário

Leia Também