Menu
Buscarsábado, 13 de abril de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
25°C
Esportes

Santos pega o Cerro Porteño e atropela planejamento

02 março 2011 - 12h00Por Redação Douranews, com Globo Esporte.com

"Não vamos fazer da Libertadores uma obsessão".

Essa frase foi dita no fim do ano passado pelo diretor de futebol do Santos, Pedro Luiz Nunes Conceição, o mesmo que, há três dias, anunciou ao técnico Adilson Batista que ele estava demitido.

As recentes atitudes dos cartolas santistas desmentem o discurso repetido desde que a equipe venceu a Copa do Brasil e garantiu um lugar no principal torneio interclubes do continente. E atropelam um planejamento de seis meses, pensado para a conquista da América.

Hoje, contra o Cerro Porteño, na Vila Belmiro, pela segunda rodada da competição, o auxiliar Marcelo Martelotte dirige a equipe.

Ele foi escalado para apagar o incêndio causado pela queda de Adilson, que deixa o comando do elenco com só uma derrota em 11 jogos.

O baixo rendimento da equipe, apesar do bom aproveitamento, determinou a demissão. Após o empate com o Deportivo Táchira na estreia, a diretoria temia que um novo tropeço na Libertadores atrapalhasse a campanha na primeira fase. Preferiu não pecar pela omissão.

Agora, o Santos busca um novo treinador. Com a negativa de Abel Braga, o clube tenta tomar Ney Franco "emprestado" da CBF.

O presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro já admitiu a possibilidade e agora negociará com a confederação a liberação do atual comandante das categorias de base da seleção. A ideia é que ele fique apenas até o fim da Libertadores e, depois, retorne ao seu posto para a disputa do Mundial sub-20, em julho.

Ney Franco conta com a simpatia de dirigentes e jogadores, principalmente Neymar, que foi dirigido por ele no Sul-Americano sub-20. A hipótese vai de encontro com o que foi pregado em 2010.

Após a demissão de Dorival Jr., em setembro, a diretoria não quis contratar ninguém e efetivou Martelotte até o fim do Brasileiro.

A ideia era investir em um nome de peso apenas para o torneio continental deste ano e evitar queimar um profissional com uma possível má campanha no Nacional.

"Desde que vencemos a Copa do Brasil, todos só pensavam na Libertadores", afirmou ontem o interino Martelotte, que desta vez deve ter vida curta à frente do time.

Agora ex-treinador do time, Adilson foi contratado ainda em novembro, antes mesmo do fim do Campeonato Brasileiro, com o rótulo de ser um técnico com experiência na competição sul-americana foi vice-campeão em 2009, com o Cruzeiro.