Menu
Buscarsegunda, 27 de maio de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
13°C
Futebol

Renato Gaúcho se transforma no 'rei do Sul' após título do Grêmio

08 dezembro 2016 - 11h20

Renato Portaluppi adentra o auditório da Arena, mãos dadas com a filha Carol, e a reação é instantânea. O ambiente se transforma. Quase ganha vida própria, sob a luz cintilante do maior personagem da história do Grêmio. Ali, diante dos holofotes, o treinador toma para si todos os focos de atenção e domina o cenário com a maestria de um ídolo que retornou a sua "casa" para se tornar ainda mais ídolo. A fala segura, malandra, cítrica, é respaldada por um cartel de glórias: dos gols do Mundial ao penta da Copa do Brasil. Ao primeiro título da Arena. Ao fim do jejum.

Tudo isso teve o dedo heroico de Renato Gaúcho. Em entrevista coletiva após a conquista sobre o Atlético-MG, na noite desta quarta-feira (7), o comandante falou com a propriedade de quem manda no Tricolor – guardadas as devidas hierarquias. Brincou, se divertiu e até bebeu cerveja servida pelo presidente Romildo Bolzan, numa espécie de extravaso da estrela que havia adotado um perfil mais maduro e bem menos espalhafatoso até então.

Enquanto jogador, Renato nutriu uma relação de troca mútua e direta com o Tricolor. O atacante forjou a história do clube, ao passo que o clube forjou a carreira do atleta, com os títulos da Libertadores e do Mundial, em 1983. Como treinador, o ídolo teve duas passagens de relativo sucesso, mas sem taça, em 2010 e 2013. E retornou para a empreitada vitoriosa após um hiato de dois anos sem trabalhar.

Tempo suficiente para amadurecer. Acostumados a um Renato malandro, os gremistas encontraram um treinador bem mais cauteloso, salvo algumas frases de efeito. Na campanha até o penta, soube pontuar bem os ânimos de seus atletas, ao blindar o elenco a cada fase, sempre com vantagem obtida no jogo de ida. Em especial, nesta final, disputada em meio à tragédia com o avião da Chapecoense. Mesmo emocionado e abatido, o treinador atuou para manter elevado o nível de concentração e o moral do grupo.

A postura comedida, porém, foi deixada em um segundo plano bem distante na entrevista coletiva após o duelo derradeiro na Arena. O treinador expandiu sua idolatria – como se fosse possível – ao encerrar o jejum de 15 anos, com o penta inédito da Copa do Brasil e o primeiro título da história do novo estádio. Novamente, forjou a história do clube. Com informações do Glooboesporte