Menu
Buscarquarta, 17 de abril de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
18°C
Mundo

Mais de 140 mil já fugiram da Líbia nos últimos dez dias

01 março 2011 - 19h15Por Redação Douranews, com The Tripoli Post
Situação de refugiados na fronteira entre a Líbia e a Tunísia, atinge um ponto de crise

A agência das Nações Unidas para os Refugiados (UNCHR) informou que a situação dos refugiados na fronteira com a Líbia, a Tunísia tem atingido o ponto máximo de crise e os seus funcionários são incapazes de lidar com o afluxo de estrangeiros. Uma condição similar é relatada na fronteira da Líbia e Egito. A organização estima que cerca de 140.000 tenham cruzado para Tunísia e Egito.

A UNHCR disse que, segundo as equipes de emergência que atuam na fronteira tunisiana de Ras Adjir, a situação chegou ao seu ponto maior de crise, com 14.000 pessoas que atravessaram segunda-feira de Líbia. Foi o maior número de passagens em um único dia desde meados de fevereiro. Cerca de 15.000 ainda eram esperados para atravessar até o final do dia de hoje, terça-feira.

As autoridades tunisianas disseram que cerca de 75 mil pessoas fugiram para o seu país, da Líbia, desde 20 de fevereiro. Com dezenas de milhares deles presos na fronteira esse número é bem maior do que o esperado. Um número semelhante pode ter ido para o Egito, onde a maioria tem sido capaz de prosseguir as suas viagens para outros lugares.

A porta-voz do alto comissariado da ONU para os refugiados, Melissa Fleming, disse a jornalistas, em Genebra, que a situação pode chegar a um ponto insustentável de crise. “É extremamente importante que o transporte se torne rapidamente disponível para evitar uma crise humanitária."

Cerca de 2.000 pessoas estão de passagem para a Tunísia a cada hora, mas uma vez na Tunísia, muitos deles não têm para onde ir. Outros 20.000 ainda estão do lado líbio. A maioria é egípcia, mas há também um número significativo de China e Bangladesh. "Podemos ver centenas de pessoas esperando para atravessar a fronteira. Muitos estão esperando de três a quatro dias no frio, sem abrigo ou comida", disse Ayman Gharaibeh, chefe da equipe de emergência da Agência, na fronteira. "Normalmente, os três primeiros dias da crise são os piores. Isso parece estar ficando pior a cada dia", acrescentou.

Na segunda-feira, a agência ergueu 500 tendas perto da fronteira em um campo de trânsito. Mais 1.000 tendas eram esperadas para hoje, dando abrigo a um total de cerca de 12.000 pessoas por esta noite. Duas pontes aéreas estão previstas para quinta-feira com tendas e suprimentos para até 10.000 pessoas.

A situação da água e higiene na fronteira continua precária. A agência pediu ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e ao Fundo das Nações Unidas (UNICEF) para ajudar a melhorar essas instalações.  Civis da Tunísia, a Tunísia do Crescente Vermelho e os militares têm sido incansáveis no seu apoio, mas estão seriamente sobrecarregados.

O pessoal da UNCHR que visitarou o ponto de entrada nas fronteiras para a Tunísia estavam preocupados com os números enormes do lado líbio. Fleming, em Genebra, disse que a agência de refugiados estava particularmente preocupada "com o grande número de africanos que não estão sendo autorizados a entrar na Tunísia neste momento.

A UNCHR está em negociações com os voluntários de autonomeados a partir da comunidade local, que estão guardando a fronteira.”

O líder Gharaibeh disse que a maioria das pessoas que atravessam a fronteira são homens jovens. "Esta é a única razão pela qual a situação não se degenerou em uma enorme crise até agora."

Enquanto isso, o governo egípcio informou que cerca de 69.000 pessoas cruzaram a fronteira para o Egito a partir de Líbia desde 19 de fevereiro. "A maioria daqueles que cruzaram são egípcios, a maioria dos quais já foram transportados para outras cidades. Cerca de 3.000 pessoas permanecem na chegada e área de embarque aguardando transporte para a frente", disse Fleming.

Na segunda-feira, a UNCHR distribuiu itens de socorro e de alimentos preparados pelo Crescente Vermelho do Egito. Hoje, o grupo Crescente Vermelho do Egito entregou uma remessa de suprimentos médicos e comida à UNCHR no leste da Líbia. Os alimentos e remédios estão sendo enviados em resposta a pedidos de líderes tribais que a UNCHR reuniu no fim de semana, e deverão chegar amanhã. Mais comboios estão sendo preparados.

Mas a questão do saneamento é relatada como um desastre, já que muitos estão dormindo nas ruas e parques de estacionamento. Espero que as coisas possam melhorar depois, diz o líder do Programa Mundial de Alimentação da ONU, Josette Sheeran, em visita a fronteira nesta terça-feira.

Na Líbia, em si, o pessoal do UNCHR nacionais mantiveram escritório da organização em Tripoli abertas para os refugiados. O UNCHR tem vindo a oferecer ajuda para aqueles que são capazes de chegar ao escritório. Funcionários também há uma lotação de atendimento 24 horas.  Esta ligação de telefone e uma linha aberta de Genebra, continua a receber chamadas desesperadas de refugiados na Líbia e seus familiares no exterior, dizendo que se sente preso, ameaçado e perseguido.

"Temos ouvido vários relatos de refugiados que nos dizem os seus compatriotas foram alvejados e mortos. Outros nos dizem sobre as expulsões forçadas e ataques a suas casas", disse Fleming em Genebra.

Entretanto, um grande número de egípcios estão irritados, reclamando que foram esquecidos pelo governo. Há também preocupações com milhares de refugiados registrados no Iraque, Somália e Sudão, muitos dos quais disseram que se sentem presos, ameaçados e perseguidos.