Menu
Buscarsábado, 13 de abril de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
25°C
Política

Réu do Mensalão, Genoíno é nomeado assessor de Jobim

10 março 2011 - 19h47Por Redação Douranews, com Agência Brasil

Rejeitado pela opinião pública na última eleição, ex-deputado é “premiado” com cargo de assessor especial no Ministério da Defesa

Embora a resposta ao seu envolvimento no “Mensalão”, em cujo processo aparece como réu, o ex-deputado José Genoino foi “premiado” com o cargo de assessor especial do ministro da Defesa, Nelson Jobim. A nomeação de Genoíno foi publicada no Diário Oficial da União de hoje (10), garantindo a vaga ao cearense de Quixeramobim.

A publicação vem “premiar” o histórico petista que destacou-se durante a ditadura militar, quando participou da Guerrilha do Araguaia, mesmo tendo sido um dos primeiros a “caírem”. Preso em 1970, ele ficou fora de cena por cerca de sete anos, quando voltou a trabalhar como professor de História em São Paulo. No final dos anos 80, Genoíno participou da fundação do Partido dos Trabalhadores – PT.

Em 1979 ele foi anistiado, sendo eleito em 1982 como deputado federal, tendo sido conselheiros de plenário do presidente da Assembléia Nacional Constituinte de 88, Ulysses Guimarães e na Casa, ocupou por duas vezes a liderança da bancada petista – 1991 e 1999 – e focou sua atuação parlamentar sobre a concepção de Estado. Assim, ele tornou-se especialista em dois temas: Forças Armadas e segurança pública.

Ele ainda ganhou destaque pelas atuações nas comissões parlamentares de inquérito da Corrupção e na dos Anões do Orçamento. A primeira culminou no impeachment do ex-presidente Fernando Collor, e a outra CPI cassou o mandato de vários deputados por fraudes na elaboração dos orçamentos da União.

Em 2002, Genoino assumiu a presidência nacional do PT, cargo que recebeu “como uma missão” do então presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva. Ele permaneceu na presidência do partido até 2005, quando sofreu um forte viés na sua carreira política. Instalada a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Correios, os trabalhos desenvolvidos constataram um esquema de pagamento de propinas, pelo governo federal, a parlamentares da base aliada que votassem a favor de matérias de interesse do Executivo.

O esquema, que ficou conhecido como Mensalão, envolveu o nome de Genoino que hoje responde a processo no esquema de compra de votos. Ele foi apontado na denúncia do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, como um dos cabeças do esquema. O processo contra os réus do Mensalão tramita desde 2007 no Supremo Tribunal Federal (STF).

Deixe seu Comentário

Leia Também