Menu
Buscarquinta, 13 de junho de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
32°C
unigran24
banner100
VACINAS

Imunizar é se prevenir contra a morte

Pediatra e coordenador de campanhas alertam sobre desmotivação

22 abril 2022 - 10h22Por Rozembergue Marques

Em agosto do ano passado o Brasil iniciou uma campanha de vacinação infantil em massa contra o sarampo e a poliomielite em meio a um quadro que causa apreensão. As taxas de imunização de crianças contra 17 doenças – entre elas o sarampo – estão preocupando tanto as autoridades em saúde como os pediatras e outros especialistas. A preocupação é baseada nos números e toma por base o sarampo, cujo vírus já havia sido considerado extinto no país.

Transmitido pelo ar, seu causador principal – do gênero Morbilivirus – provoca febre alta, mal-estar, tosse persistente, conjuntivite e deixa manchas vermelhas pelo corpo. Ele ataca as células do sistema imunológico e reduz por um período longo as defesas do organismo, favorecendo a ocorrência de infecções secundárias que podem matar. O vírus da doença havia sido eliminado do Brasil em 2016 e voltou agora via Venezuela.

A intensificação das campanhas e os males da não vacinação são apontadas pelo pediatra Eduardo Marcondes, que por duas vezes foi secretário de Saúde em Dourados, como principais desafios para reverter esse quadro de desinteresse dos pais por levar os filhos para vacinar. Marcondes credita à “politização oportunista” da pandemia da Covid-19 uma das causas dessa baixa procura.

 O coordenador de imunização da Secretaria municipal de Saúde, Edvan Marcelo, vai na mesma linha que Marcondes. “O Brasil foi pioneiro na incorporação de diversas vacinas no calendário do Sistema Único do Saúde (o SUS), porém nos últimos anos observa-se uma baixa procura pela vacinação, principalmente das crianças, consequentemente uma baixa cobertura vacinal, colocando todos os sistemas de saúde no Brasil de certa forma em alerta, para a possibilidade de ressurgimento de doenças até então não circulantes no país. O sucesso do programa pode ser uma das causas da queda da cobertura”, avalia o coordenador.

Edvan lembra que o PNI (Programa Nacional de Imunização) do Governo Federal ofereceu ampla cobertura à população que hoje está com 30, 40 e 50 anos de idade, e que foi devidamente vacinada na infância, quando doenças como o sarampo ou a poliomielite eram visíveis e a preocupação em vacinar as crianças era maior. “Hoje, como a doença desapareceu, os pais que foram beneficiados pela vacina e que por isso não conviveram com a doença, muitas vezes não percebem a importância da imunização. Grupos anti-vacinas, atualmente também interferem através de ‘fake news’ nesta baixa cobertura vacinal e a pandemia de Covid-19 acaba selando esse período de baixa procura por parte de pais e responsáveis”. Em relação a vacinação contra a Covid, “essa também é a realidade de baixa procura”, prosseguiu Edvan.

Apelo

O coordenador das campanhas no âmbito municipal aproveitou a entrevista ao DOURANEWS para fazer um apelo aos pais:

- Convocamos [pais e responsáveis] para que busquem os serviços de saúde com a intenção de vacinar as crianças em tempo oportuno e/ou manter em dia as vacinas. É notório que somente COM A vacinando é possível garantir condições de saúde a sociedade, em elação as doenças imunopreveniveis. A prova disso está nos índices da Covid-19 na cidade de Dourados. Somente com a vacinação em dia teremos a possibilidade de mudar a história do ressurgimento das doenças, conclamou.

 Já o pediatra Eduardo Marcondes considera que desde o início da pandemia houve uma série de atitudes e de intervenções que acabaram por macular um dos pilares do PNI, que é o critério único para todos os estados do país. “O federalismo é a base do PNI. Quando vem um Poder e deixa isso solto, aleatório, e sob responsabilidade de cada governador, nós quebramos a espinha dorsal do Programa”, apontou.

Marcondes cita também a movimentação política nos bastidores e entre os parlamentares, como a criação de uma CPI, como atos “dispensáveis” em um momento que exigia decisões claras e sem paixão política. Ainda assim, diz que é necessário um “olhar para o futuro”.

Sem noção

“Informações desencontradas, sem base científica ou a divulgação de notícias mal apuradas na mídia sobre reações a vacinas, não ajudam em nada. Os governos, em todas as instancias, precisam ressignificar o valor das vacinas através de uma ampla campanha não só chamando os pais mas também explicando as consequências da não vacinação, que inclusive possui punições previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente (o ECA) e na Constituição Federal, no que tange a outras vacinas obrigatórias”, defendeu o pediatra.

“Tenho a impressão de que as famílias que optam por não vacinar seus filhos não têm a menor noção do incrível potencial de morte e sofrimento que as doenças infecciosas possuem, e que causaram no passado. As pessoas esqueceram como era viver sem vacinas. Espero que possamos lembrá-las: uma criança em cada cinco morria. O mundo antes das vacinas não me parece um local muito alentador. Eu não gostaria, como pediatra que sou, que nossas crianças voltassem para lá”, concluiu o médico.