Menu
Buscardomingo, 19 de maio de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
16°C
Economia

Apesar de instabilidade, mercado aposta na retomada do crescimento econômico

19 dezembro 2016 - 10h15

O índice relativo à produção industrial sul-mato-grossense melhora no mês de novembro, conforme a Sondagem Industrial realizada pelo Radar Industrial da Fiems junto às empresas estaduais. “O índice de evolução da produção industrial marcou 48,5 pontos, crescimento de 7,8% em relação a outubro. O resultado indica que na passagem mensal houve elevação do número de empresas com crescimento na produção, porém, o índice permanece abaixo dos 50 pontos, sinalizando que para o conjunto da atividade industrial o desempenho ainda não foi positivo”, detalhou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende.

Ele destaca que em novembro 22,4% das empresas apontaram aumento na quantidade produzida, enquanto em outubro eram 13,8% nessa condição. “Além disso, 25,9% reportaram queda, contra 36,7% no último levantamento. Já as empresas com produção estável tiveram participação de 51,8% do total, contra 49,4% no mês anterior”, informou, completando que, mesmo com diminuição, a capacidade ociosa segue elevada.

Para 40% dos respondentes, conforme a Sondagem Industrial, a utilização da capacidade instalada esteve abaixo do usual para o mês de novembro. “Desempenho que se refletiu no índice, com o resultado permanecendo muito abaixo do patamar considerado adequado para o período. Por fim, a ociosidade média da capacidade instalada em novembro ficou em 32%, contra 35% no mês de outubro”, destacou Ezequiel Resende.

Ele acrescenta que, entre os empresários industriais sul-mato-grossenses, ainda há expectativa de estabilidade para os próximos seis meses. “O empresário industrial de Mato Grosso do Sul acredita que nos próximos seis meses o nível de demanda por seus produtos, o número de empregados e as exportações devam permanecer estáveis. Os índices de expectativa das três variáveis marcaram 50,4, 50,4 e 51 pontos, respectivamente”, enumerou.

Com relação à demanda por seus produtos, em dezembro, 22,4% das empresas responderam que esperam aumento nos próximos seis meses, enquanto no último levantamento eram 25,3% nessa condição e 25,9% apontaram queda contra 28,7% na pesquisa anterior. Já as empresas que acreditam que o nível de demanda se manterá estável responderam por 51,8% do total, contra 46,0% no mês anterior.

Quanto ao número de empregados em dezembro 15,3% das empresas responderam que esperam aumento nos próximos seis meses, sendo que no último levantamento eram 9,3% nessa condição. Enquanto 18,8% apontaram que esse número deve cair contra 26,7% na pesquisa anterior. Já as empresas que acreditam que o quadro de funcionários se manterá estável responderam por 65,9% do total, contra 64,0% no mês anterior.