Menu
Buscarsábado, 13 de abril de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
25°C
Mercados

Ambiente de trabalho pesa na escolha do emprego

18 março 2011 - 19h11Por Redação Douranews, com Ig

Uma pesquisa realizada entre janeiro e fevereiro deste ano pelo site Trabalhando.com sobre o que motivas as pessoas a permanecerem em seus trabalhos aponta que, para 52% dos entrevistados, o principal atrativo é a boa convivência com colegas e com os gestores. Os demais fatores levantados como importantes para motivação foram: oportunidades de promoção (22%), possibilidade de aumento de salário (14%), status da empresa (5%) e outros (7%).

As empresas vêm valorizando cada vez mais um bom ambiente de trabalho. Algumas apostam em ambientes de trabalho mais descontraído, como o Google, com o objetivo de fazer com que seus funcionários se sintam bem e, com isso, gerem melhores resultados. Entretanto, segundo Marcelo Mendes, sócio-diretor da LM Eventos Educativos, não adianta escolher o profissional escolher uma empresa que tenha um estilo que não esteja alinhado com seu perfil profissional.

Na opinião de Mendes, o ambiente é importante, mas não é o fator final para tomar a decisão. “Tem que haver outros critérios, como se a função se encaixa ao seu perfil e se os valores e a sua proposta de crescimento estão alinhados.”

Se a pessoa trabalha em uma área inadequada ao seu perfil, por exemplo, provavelmente ela não desempenhará a função da melhor forma e, como conseqüência, não terá resultados positivos. “Com isso, aquele ambiente, que antes a pessoa achava bom, pode se tornar hostil e pesado” destaca Mendes.

O papel do chefe

Daniele Amatti, sócia e consultora da empresa de coaching Crescimentum, afirma que o ambiente também depende do líder de cada empresa. “Se há uma boa liderança, provavelmente o ambiente será bom. A equipe fica mais motivada.”

Foi o que aconteceu com Thaís. “Ele era bruto, mal educado e não me respeitava. Ele ia para o escritório poucas vezes por semana, mas os horários em que ele estava lá eram extremamente ruins. O ambiente ficava mais pesado e acaba irritando todos os funcionários, gerando até briga entre nós. Sem ele, a rotina era ótima, calma e organizada.”

Ao receber uma proposta para trabalhar em Bauru, cidade vizinha, Thaís aceitou na hora. “Eu teria que acordar bem mais cedo e chegaria em casa quase ao anoitecer. Além disso, receberia, a princípio, um salário menor. Mesmo assim, essa era minha chance de sair daquele ambiente que me causava crises de enxaqueca devido ao estresse. Aceitei a proposta e hoje trabalho em um lugar agradável, ganho um salário compatível com a minha função e tenho um ótimo chefe.”

Renato Grinberg, presidente da Trabalhando.com Brasil, destaca que a geração Y (de 20 a 30 anos) está colocando um peso muito maior no ambiente de trabalho e na preocupação com a qualidade de vida. Além disso, com o crescimento da economia, mais oportunidades estão surgindo. “As pessoas têm mais escolhas. Se não gostam de um lugar, têm mais facilidade para mudar. Não se prendem tanto.”
O importante é que as empresas entendam que oferecer um bom clima no trabalho não é mais tarefa apenas de recursos humanos, e que essa preocupação está diretamente ligada ao retorno financeiro que a companhia terá. “Os funcionários acabam ficando mais na empresa, produzem melhor, e evita-se a rotatividade. Tudo isso influencia e faz com que a companhia lucre mais”, ressalta Grinberg.

Um bom ambiente

Mendes acredita que um bom ambiente é aquele no qual a empresa valoriza as pessoas e oferece oportunidade de crescimento. “A valorização da liderança e a facilidade para os funcionários exporem suas idéias fazem com que o local de trabalho se torne agradável.”

A flexibilidade, a liberdade de expressão, a tolerância a erros e o relacionamento com chefe e colegas são os principais fatores apontados por Grinberg como fundamentais para um bom ambiente de trabalho.
Mas a idéia de um bom ambiente varia de pessoa para pessoa. “Alguns, preferem lugares que têm mais regras e, por isso, apresentam mais desafios. Outros, valorizam o bom relacionamento com a equipe e gestores. Depende muito de cada um. É preciso que o profissional faça uma reflexão dos seus valores em relação aos da empresa e para ver se estão alinhados”, ressalta Daniele.

Deixe seu Comentário

Leia Também