Timber by EMSIEN-3 LTD
  • 10 anos
  • 10 anos1
Manoel Afonso

Manoel Afonso

SIM OU NÃO? A propaganda eleitoral gratuita é injusta, cara e chata. Com o eleitor mais esperto, a sua influência caiu como em 2018. O custo de R$ 1 bilhão será pago por você, via isenções fiscais às emissoras. Mas depois que a ‘Lava Jato’ provou a as doações falsas das empreiteiras ao caixa do PT esse sistema precisa ser repensado.

RESPONDA: Você acha que o horário eleitoral influenciará na eventual mudança de seu voto para prefeito? Mesmo os debates no radio e TV – se acontecerem - não terão peso na escolha. Os políticos, viciados no sistema que aprovaram em benefício próprio, ignoram a ‘astúcia’ do eleitor, como já advertia o ‘sábio’ Chapolim Colorado.

LARANJINHA? Pelo seu fraco desempenho nas pesquisas, comenta-se que Marcio Fernandes cederia lugar ao ex-governador Puccinelli no MDB, antes do 1º ou 2º turno - se houver no pleito prefeitural de Campo Grande. Pelo cenário desfavorável e perfis de ambos é até possível. Afinal, a velha sanha de poder ensurdece e cega os políticos.

DEPUTADO Lucas de Lima (Solidariedade) articulando a audiência pública virtual no dia 30, 15 horas, sobre as ‘Queimadas do Pantanal’. Deputado Evander Vendramini (PP); projeto seu garante isonomia ao servidor portador de deficiência física. Deputado José C.Barbosa (DEM); autor de projeto obrigando o uso de álcool gel como profilaxia a Covid-19. Deputado Marçal Filho (PSDB) destinou R$1.130 mil de suas emendas parlamentares para investimento na saúde de 10 cidades.

É ZEBRA?: Macaco é 17! Aqui o ‘jogo do bicho’ resiste ao tempo e aos governos. Fruto da conjugação de fatores envolvendo a polícia míope, a política e a justiça. E pergunta-se: essa operação em curso contra a contravenção seria a reprise de outras? Muitos trovões com ‘pouca chuva’? Bem, é esperar para conferir.

INFLUÊNCIAS: Nas eleições municipais pesam as questões domésticas e o perfil dos candidatos. Mas se a economia continuar recuperando-se influenciará - principalmente nas grandes e médias cidades. O eleitor tem postura pragmática: olha muito para o seu umbigo. Em tempos de crise financeira ele é conservador. Mas só quando já tem o suficiente - ele se posta de liberal - permite alguns avanços sociais.

DESEJOS: Variam de acordo com o bairro/cidade. No interior eles são pontuais, mais visíveis. Pela própria formação o eleitor é moderado; o posto de saúde, a boa escola, a creche, ruas e praças conservadas, iluminadas, a coleta de lixo, segurança e perspectivas de trabalho. Ele sabe; para ter esses benefícios é preciso ter bom gerenciamento social e econômico. Nesta hora ele faz a comparação entre os candidatos que se apresentam.

O INTERIORANO dificilmente se deixa levar por questões estritamente ideológicas. Avesso a isso, foca no perfil dos candidatos, cujas trajetórias na vida privada e pública ele conhece bem. Sem churumelas, é aí que reside o cerne da questão. Claro, se no curso da campanha algo de extraordinário acontecer, haverá mudanças. Pode ser que a maioria das eleições - se não estejam hoje ainda decididas, estarão pelo menos encaminhadas.

PORTA DA ESPERANÇA: Em 2016 foram 18.934 candidatos a vereador nas 26 capitais; agora são 24.135. Só em Campo Grande teremos 776 postulantes - 266 mulheres - 65% de homens. A coligação de Marquinhos Trad (PSD) lidera com 342. É a porta da esperança onde poucos serão os escolhidos. O aumento é reflexo direto das novas regras proibindo os partidos de fazerem coligações nas chapas proporcionais.

‘BOQUINHAS’: Quem não quer uma? Claro, a preferência é para os filiados dos partidos políticos. De 2010 a 2019 foram quase 40 mil comissionados no Governo Federal como moeda de troca junto aos partidos alinhados. O PSOL é o único partido que não indicou filiado para cargos do alto escalão onde o salário beira os R$ 17 mil. O PT e o MDB lideram pelas nomeações havidas no Governo Dilma Roussef (PT).

DEPUTADO Neno Razuk (PTB); pede melhorias em trechos das rodovias MS 485 – MS 386, MS 156 e MS 295 – e a pavimentação da rua Caiuás em Dourados. Deputado Zé Teixeira (DEM); pede construção de ponte sobre o rio Coxim em S. Gabriel D’oeste e o recapeamento de ruas de Itaporã. Deputado Lídio Lopes ( Patriota); aprovado seu projeto assegurando aos deficientes visuais o direito ao registro civil em braile.

E PRECISA? Conta cruel: Cada um dos 81 senadores tem 74 funcionários totalizando 6 mil entre ‘aspones’, amigos, parentes, maçanetas, cabos eleitorais e outros. Imagine agora uma empresa com 6 mil trabalhadores. Calcule sua produção e benefícios sociais que gera para município, estado e país. Se nos ‘EUA’ cada Estado tem só um senador não se justifica esse excesso no Brasil. Seria por que ‘somos mais ricos’ que os gringos?

BOM EXEMPLO: Vem da Itália essa lição de juízo. Eles acabaram de realizar um referendo para a reforma constitucional com o voto direto dos eleitores. O número de deputados caiu de 630 para 400 e no Senado de 315 para 200. Embora o voto não fosse obrigatório, o comparecimento atingiu 69%. Aqui esse assunto é tabu; nas campanhas eleitorais os partidos descartam a redução no pacote de promessas. Por que será hein?

VIDA CURTA: “Não é curto o tempo que temos, mas dele muito perdemos A vida é suficientemente longa e com generosidade nos foi dada, para a realização das maiores coisas, se a empregamos bem. Mas, quando ela se esvai no luxo e indiferença, quando não a empregamos em nada de bom, então, finalmente constrangidos pela fatalidade, sentimos que ela passou por nós sem que tivéssemos percebido”. (Sêneca )

TAPETÃO? Após o ex-presidente Fernando H. Cardoso (PSBB) opinar está em curso a operação contra a reeleição. Serão necessárias 171 assinaturas para a PEC iniciar a tramitação até a Câmara, onde precisará ter 308 votos favoráveis e 49 no Senado. Em 2015 a proposta foi reprovada no Senado. Em 2016 - 47% dos prefeitos acabaram reeleitos e em 2018 a reeleição dos governadores atingiu 50%. Façam suas apostas.

DEPUTADO João H. Catan (PL) autor de 2 projetos; devolução de taxas de matrículas escolares e prejuízos pelos efeitos do ar nos dutos de água dos consumidores. Deputado Capitão Contar (PSL); ativo nas sessões; comemora a lei sobre o combate à violência obstétrica. Deputado Gerson Claro (PP) relator de vários processos na CCJR e ativo nas sessões virtuais. Deputado Antônio Vaz (Republicanos); articulando com a Secretaria de Saúde ações contra o Covid-19 e participando das sessões on-line.

‘CRISTOFOBIA’: Ocorre no exterior com os radicais contra os cristãos e aqui contra os católicos e os evangélicos por iniciativa de personagens da esquerda. No carnaval e em eventos de rua ridicularizam Cristo e o crucifixo com encenações desrespeitosas e sexualizadas contra a nossa religiosidade. Mas é vergonhoso: a grande mídia tem sido conivente ao não criticar essas aberrações. Ora! O pessoal ‘canhota’ pode tudo?

A DIFERENÇA: Ruth B. Ginsburg: 27 anos na Suprema Corte dos ‘States’ marcados por decisões difíceis. O mundo jurídico e político lamentou sua morte aos 87 anos de idade. Discreta e culta, não usava a mídia para polemizar assuntos do dia a dia. Inspirou o filme ‘A Suprema’. Pena que ela não tenha servido de modelo para os deslumbrados e controvertidos ministros do nosso STF que tanto adoram os holofotes.

CORREIOS: O PT ‘conseguiu’ quebrar a empresa com a farra sindicalista; sem meios para encarar a nova realidade do mercado. O caminho agora é seguir a receita de outros países. Empresas interessadas: Amazon, DHL, Magalu e a americana FedEX com 600 aviões, 75 mil veículos, 280 mil funcionários em 220 países, inclusive no Brasil há 30 anos. Mas é fundamental preservar os interesses do consumidor nas 5.556 cidades.

CONCORDA?: “É, 2020 é um ano do qual sempre nos lembraremos. Não há como nos esquecermos dos dias em que o mundo virou de cabeça para baixo. Fomos dormir preocupados com coisas como agenda de viagens do ano e metas e acordamos com a obrigação de repensar nossas carreiras e negócios. Apesar de termos a sensação de que tivemos um ano que valeu por uma década, precisamos ter em mente que 2020 não acabou...” (Allan Costa)

 

ari artuzi“Prometo manter os postos de saúde abertos 24 horas, inclusive à noite”. (Ari Artuzi em campanha para prefeito de Dourados)

Comentário

DESAFIOS: 38% do eleitorado está nas capitais e 70 cidades com mais de 200 mil eleitores. É aí a batalha decisiva dos partidos já olhando 2022. O PSDB comanda 30 das cidades ( 21 milhões de habitantes), MDB 15 ( 5,6 milhões de habitantes), DEM, PSB, PSD 7 cada. O PT que em 2008 venceu em 25 delas não tem nenhuma atualmente. A intenção (tendência) de votos destas cidades acaba influenciando no resto do eleitorado.

NA CAPITAL e nas cidades do interior, como sempre, há candidatos para todos os gostos: profissionais, sindicalistas, idealistas, equivocados, religiosos e ingênuos. Cada qual avalia sua participação pela própria ótica, muitos sem o senso de autocrítica e estima. Milagres? Surpresas? São possíveis, mas improváveis pelas pesquisas. Esse tipo de campanha engessada que teremos não oferece muitas chances para reviravoltas.

A RODA GIRA! Wilson B. Martins, Pedro Pedrossian, Levy Dias, Juvêncio Fonseca, Lúdio Coelho, Delcídio do Amaral e André Puccinelli. Passaram! Agora tchau! Novos nomes estão na área. Um deles é o ex-ministro Luiz H. Mandetta (DEM) ativo nos bastidores e costurando a participação de seu partido (DEM) nas eleições da capital apoiando Marcos Trad (PSD) e de olho no pleito de 2022. É a renovação. Faz parte.

MANDETTA: Pode concorrer ao Senado na disputa com Simone Tebet (MDB) e outros postulantes. Estar em alta no maior colégio eleitoral do Estado e com apoio do prefeito fará a diferença. E perdendo as eleições na capital o MDB estará ainda mais fragilizado para as disputas ao Senado e ao próprio Governo em 2022. Quem estiver bem situado agora debaixo dos holofotes da mídia colherá os dividendos no futuro.

CAPITAL e seus candidatos a prefeito: Marcos Trad (PSD), Dagoberto Nogueira (PDT), Pedro Kemp (PT), Sérgio Harfouche (Avante), Esacheu Nascimento (PP), Guto Scarpanti (Novo), Marcelo Bluma (PV), Marcio Fernandes (MDB), Cris Duarte (Psol), Sidineia Tobias (Podemos), Paulo Matos (PSC), João Henrique (PL), Marcelo Miglioli (SD), Loester Trutis (PSL) e Thiago Assad (PCO).

PROPAGANDA: Decisiva! Sofisticada com os recursos influenciadores do ‘eleitor piolho’ das redes sociais também pelo celular. E quem não tem um? Igual a 2018, esse pleito caminhará no pulsar da internet. A ameaça da Justiça em punir o ‘faknews’ será inócua. Esse pessoal estará sempre a frente da justiça. Basta um só ‘disparo’ na internet para fazer estragos incalculáveis. Desmentir e recuperar as perdas leva tempo.

O PODER de convencimento evoluiu. E a música tem sido forte componente das criticas influenciadoras. Na Revolução Francesa, a ‘Marselheise’ embalou a povo. Esse trecho dela diz tudo: “ Às armas, cidadãos! Formai vossos batalhões! Marchemos, marchemos! Que um sangue impuro banhe nossos campos!” Impossível dissociar essa canção do movimento que ceifou a realeza. Tanto é que acabou eleita o Hino Nacional.

HUMOR: Sempre presente; das velhas paródias mesclando ironia, emoção, reforçando imagens com refrões marcantes e fáceis como a aquela marchinha ‘Vassourinha’ na campanha presidencial de Jânio Quadros (1960). Vale lembrar também ‘Homem de Miranda’ composta por Renato Teixeira para a campanha de Pedrossian ao Governo em 1990, tocada até hoje nas rádios como música integrante do repertório regional.

ANIMADO? Eleição já foi comparada a Copa do Mundo. A medida que a data ia se aproximando apareciam os sinais através de manifestações diversas e criando o clima característico do evento. Neste ano, embora o pleito municipal sempre seja mais motivador, nem parece ano de eleição. Reflexo de leis proibitivas? Culpa da pandemia? Desilusão do eleitor? Descrédito dos políticos? Acho que é um pouco de cada ‘coisa’.

SAUDADE? Cartazes em postes, faixas, comícios, passeatas, santinhos, brindes e outros artifícios proibidos pela pretensa moralidade eleitoral. A urna eletrônica veio como santo remédio. Mas o que dizer da onda de corrupção que atingiu o país em todos os níveis nos últimos 20 anos? Aprimoram o processo eleitoral - mas agora querem acabar com a Lava Jato que incomoda políticos e poderosos. Quanta incoerência!!!

CONVENCE? Qual seria a postura ideal de um candidato a vereador para pedir o voto? Mostrar seu currículo profissional? Revelar detalhes de sua trajetória na sociedade e seus projetos que podem efetivamente beneficiar a comunidade? Tudo isso para tentar convencer o eleitor cético, desmotivado, mas sabido, disposto a levar alguma vantagem neste ‘investimento’ camuflado sob o manto do ‘patriotismo e cidadania’? Convencerá?

O ELEITOR: Nele na sua maioria afloram algumas características: matreiro, calculista, esperto, ardiloso, ladino, manhoso, sagaz, ressabiado, malicioso, calejado, astucioso, vivo, dissimulado. Isso não é inerente a sua personalidade. É fruto sim do ambiente, da cultura política dominante. A apatia do eleitor de hoje é comparável ao desânimo do nosso torcedor em relação ao do futuro da seleção brasileira de futebol. Que pena!

TRAPALHÕES? A ‘Síndrome de Hutchinson-Gilford’ deixa 8 vezes a pessoa mais velha precocemente. Ela lembra a crise que atingiu o PSL no MS. pela precocidade da manifestação dos mesmos vícios dos velhos partidos. A briga interna pela candidatura à prefeito de Campo Grande é pífia, vexatória, ridícula. Portanto, esqueçam aqueles discursos ufanistas pela renovação de posturas. Enfim, prevaleceu a sede de poder.

EM BAIXA: O PT perdeu o monopólio do discurso e a bandeira em defesa das causas das minorias. Mas agora se repete aqui a ‘diáspora’ de outras capitais. Partidos da esquerda (Psol, PSB, PC do B) saíram debaixo da saia do PT lançando candidatos próprios ou fazendo alianças segundo a realidade local. PSB e PCdo B optaram pelo apoio a Marcos Trad e o Psol decidiu por uma chapa própria e feminina. Inédita.

APARÊNCIAS: Elas podem enganar, mas em política elas precisam ser respeitadas na avaliação do potencial dos concorrentes e a realidade do cenário local. Veja o caso do prefeito Marquinhos: além de sua administração com boa avaliação nas pesquisas, conseguiu costurar 9 partidos em torno de sua reeleição. São eles: PTB, PTdoB, PSDB, Republicanos, PCdoB, Cidadania, Patriota, Democratas e Rede. Ficou mais forte.

AGUENTA? Política não é para os fracos. Mesmo quem tem couro grosso um dia sucumbe. É o caso do senador Renan Calheiros (MDB) bombardeado desde aquele escândalo (2007) com a modelo Mônica Veloso. Internado para extrair um tumor renal, ele reclamou e admitiu que ‘o corpo um dia não resiste a tanta pressão’. Aliás, observem como os políticos envelhecem precocemente. É o preço do poder! Não há almoço grátis.

PALAVRAS certas em boca errada? Sim ou não, mas é um aviso. A fala do ministro Fux na posse do STF tirou o sono dos réus por corrupção. Ele foi claro ao advertir: “...Não podemos permitir que se obstruam os avanços que a sociedade conquistou nos últimos anos em razão das exitosas operações de combate a corrupção autorizadas pelo Poder Judiciário, como ocorreu com o Mensalão e tem ocorrido com a Lava Jato...”.

CONFIRA: “ (-)...O vídeo estrelado por Lula erra na leitura da realidade. Aponta Bolsonaro como um “mostrengo” que foi parido pelas oligarquias brasileiras”, a quem o ex-presidente acusa de lucrarem em cima da desgraça do povo mais pobre. O Bolsonaro não é resultado do arbítrio de oligarquias. Essas estavam se locupletando com Lula no poder, inclusive dividindo o butim da corrupção industrial. Ou os empreiteiros com quem ele tinha relações até pessoais eram gente das camadas populares?...” (Guilherme Macalossi)

Na internet: Reclamam do preço do arroz, mas bebem a cerveja mais cara


Paulo Francis: Existe povo, politicamente? Não há resposta científica que nos dê certeza

Comentário

VIDA E MORTE: Não brinque com fogo. O aviso é para os políticos. Nem bem começou a peleia eleitoral e os casos de contaminação pelo Covid-19 alastram-se na classe política. E já pergunto: como será o comportamento dos candidatos no período efervescente da campanha? Andarão no fio da navalha, na linha tênue entre a chance de vitória e o risco de adquirir a doença e morrer. Sem rodeios, essa a situação, embora muitos teimem em ignorar. Ao invés de chegar ao poder podem acabar no cemitério.

PERGUNTAS que preocupam os ajuizados. Como serão gravados os programas de radio e televisão? Todos esses espaços do setor de comunicação que serão utilizados estarão devidamente desinfetados? Na televisão, os candidatos usarão máscaras durante a fala? Como estará a evolução da epidemia no dia 27 de setembro, data do início do programa eleitoral? Até 15 de novembro muita coisa pode acontecer - também em função de eventuais resultados das pesquisas para se ter a vacina tão desejada.

NOVIDADE: Até aqui 2 personagens tinham papel de destaque junto as candidaturas: o advogado e o profissional de marketing. Um cuidando da parte jurídica e o outro conectando o candidato junto ao eleitorado. Agora outro elemento ganhará o papel de terceiro protagonista: o médico. Ele irá aconselhar e evitar situações perigosas quanto aos ambientes visitados e a forma de contato do candidato com o eleitorado. Um tropeço pode ser fatal e a campanha do postulante pode acabar bem antes do fim.

SOCORRO!!! Com o dinheiro curto e com as coligações proibidas na proporcional, os candidatos dos partidos nanicos precisam se ‘virar nos 30’ para não desistirem da candidatura. Além das promessas de cargos na prefeitura no futuro governo, devem pedir aos grandes partidos ajuda para viabilizar o material de campanha. Apesar da legislação proibir, o pessoal sempre encontra uma válvula de escape.

SEM NOVIDADES: O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) cumprindo seu compromisso de apoiar Marcos Trad (PSD), independentemente dos tucanos indicarem ou não o candidato a vice. A parceria entre Governo e Prefeitura da capital vai muito bem. A pretensa candidatura frustrada da deputada federal Rose Modesto (PSDB) não mudará o cenário onde Marquinhos figura como favorito. Também na política manda quem pode, obedece quem tem juízo.

MALANDRO: É falsa a ‘mea culpa’ que o ex-presidente Fernando H. Cardoso (PSDB) fez sobre o golpe de sua reeleição em 1977. Mas logo agora que Bolsonaro subiu nas pesquisas? No fundo ele quer rediscutir o fim da reeleição e impedir que o presidente Bolsonaro fique mais 4 anos no Planalto. Santa incoerência: no congresso do PSDB, em 2019, em apoio a FHC, foi aprovada moção de apoio a reeleição presidencial.

INCOERÊNCIAS: Os intelectuais canhotas defendem a esquerda mas adotam o consumismo capitalista. Eles estão por aí. E só para ilustrar: O escrito Jorge Amado, comunista assumido, escreveu “O Mundo da Paz” em homenagem a Stalin a quem chamou de ‘mestre, pai e guia’. Mas, por ironia do destino, acabou fã de carteirinha de Antônio Carlos Magalhães, cacique político da Bahia, e até escreveu cartas ao ‘Mestre Antônio’, lidas até em propagandas eleitorais.

O RETORNO? Doze anos após sua última vitória na capital com a candidatura de Nelsinho Trad (2008) o MDB tenta agora com Márcio Fernandes. Em 2012, perdeu com Edson Giroto e em 2016, pelos desgastes dos escândalos, nem candidato teve. O candidato Márcio aposta no prestígio de padrinhos como Puccinelli, Carlos Marum, Edson Giroto e Jr. Mochi. Mas independente da eventual força dos apoiadores, o ‘candidato precisa encantar’, como dizia o ex-vice governador Moacir Khol (PDT).

HUMOR: Lá nos confins do nordeste, Apolônio, o garçom do hotel, ouviu do cliente a solicitação inédita: “Traga H2O gelada”. Sem saber o significado do estranho pedido valeu-se do experiente professor Freitas, o intelectual da cidade que tirou a dúvida na hora: “H2O é água, seu imbecil. Quer dizer água”. De imediato serviu ao freguês uma jarra de água e depois lá no final do corredor perto da cozinha comemorou saltitante: “Ah, ah, ah, esse cabra de fora achava que nós não sabia ingrês. Lascou-se”!

PAULO FRANCIS: Nos 1960 a Nova Esquerda me fascinou. Porque a parte “ajudar os pobres” e humilhar os ricos, propunha a liberdade sexual e o espírito de aventura ausentes do que eu conhecida da vida de revolucionários comunistas. Isso degringolou em preguiça, ignorância e incompetência que marcam a contracultura, que prevalece a auto-afirmação; sou bom porque negro, invertido, porque mulher, porque isso e aquilo.

MIRANTE: Em 2019 a dívida bruta do Brasil era 79,8% do PIB. Situação delicada. Com a Covid-19 abriu-se a janela para gastos diversos; auxílio emergencial, crédito para empresas, compensações para cidades, estados e saúde. Em 2021, como diz o caipira, é que a porca torcerá o rabo. E não será criando ou aumentando impostos, mas com a reforma administrativa que precisa cortar privilégios e incentivos injustos. Quero ver como os homens do poder se comportarão.

NO FOSSO: Tomados pelo sonho da riqueza fácil, políticos atravessam o sinal, viram notícia policial e acabam na cadeia. O constrangimento familiar/social inevitável, mas passageiro. Sorte deles! Existe a mão amiga da impunidade à serviço dos credores da Justiça, como o STF nas decisões em pról do ex-presidente Lula (PT) e cia. Mas a Lava Jato e a nossa Lama Asfáltica, independentemente das absolvições ou condenações, já mostraram ao povo quem é quem; isto é, as barbaridades com dinheiro público. Certo?

INSISTENTES: Apostando nas decisões dos ministros (da 2ª. ‘Tchurma) que ele precavidamente nomeou para o STF, Lula já arrota grosso na mídia ‘colocando-se à disposição para salvar o país”. Na outra ponta, o ex-governador Puccinelli (MDB), alvo de nova decisão judicial, bloqueando mais R$ 77,7 milhões de seus bens, continua por aí articulando candidaturas e alianças. Definitivamente eles parecem ter outro conceito de dignidade e honra. Uma afronta ao senso crítico do eleitor mediano.

MALANDRAGEM: Chegou com o descobrimento como mostra esse final da carta de Pero Vaz de Caminha ao Rei de Portugal. “...E pois que, Senhor, é certo que, assim neste cargo que levo, como em outra qualquer coisa que de Vosso serviço for, Vossa Alteza há de ser de mim muito bem servida, a Ela peço que, por me fazer graça especial, mande vir da Ilha de São Tomé a Jorge de Osório, meu genro, o que dela receberei em muita mercê. Beijo as mãos de Vossa Alteza”. Conclusão: o país deu no que deu!

PANTANAL: “Todo inverno é a mesma coisa. Há milênios – e muito antes de haver seres humanos por essas bandas. Uma imensa planície alagável, quase no centro geográfico da América do Sul, depois de meses de estiagem, pega fogo. No verão, depois de chuvas dignas de um dilúvio, ela inunda. E depois pega fogo. E inunda. E não adiantará nada tirar de lá todas as pessoas, fazer uma cerca bem alta e talvez até colocar uns barcos militares do Greenpeace para patrulhar os rios próximos. O ciclo vai se repetir, independente da minha vontade, da sua ou da Greta Thumberg...” (Paulo Pozzonoff Jr – jornalista)

DISCREPÂNCIA: Nossos parlamentares ganham mais que no Primeiro Mundo, mas não se pode dizer o mesmo dos professores. A OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico divulgou: aqui o salário real médio anual dos mestres é 24.765 dólares no ensino infantil, contra 36.677 dólares em média dos países da OCDE. No ensino médio é de 25.966 dólares no Brasil contra 49.778 dólares nos países da OCDE. Enquanto isso o Congresso Nacional segue impoluto custando cada vez mais.

ENGAJADO: O cantor Zeca Pagodinho gravou ‘Comunidade Carente’, onde canta o desencanto dos eleitores do subúrbio. No balanço gostoso ao seu estilo, ele arremata com esse verso atual e oportuno: “Nós já preparamos vara de marmelo, arame farpado e cipó-camarão para dar no safado que for pedir voto na jurisdição. É que a galera - já não tem mais saco prá aturar pilantras. Estamos com eles até a garganta”.

Lula: “É nestas horas que me vem à cabeça esta frase que li num livro de Victor Hugo, escrito há um século e meio...” (Lula lendo o escritor francês? Você acredita?)

Na internet: Eleitor que decide eleição é quem tem potencial para mudar de voto.

Na internet: Não seja mesário voluntário. Os partidos têm 3,7 bi garatidos por lei, criada por eles mesmos e você vai trabalhar de graça?

Bruno (goleiro): “Não devo pedir perdão para ninguém. Durmo com a minha consciência tranquila”.

Comentário

APRENDIZADO: Noto lições nesta pandemia. A presença física ficando dispensável nas relações do dia a dia e na gestão pública. Com a internet usada por 130 milhões de brasileiros é justificável o incremento nas ações digitais para facilitar o atendimento, diminuindo a burocracia e descomplicar as relações do dia a dia. Mas, as pragas trazidas de Portugal ainda resistem: o reconhecimento de firmas e autenticação da segunda via.

EXEMPLOS: Os bancos estão quilômetros à frente em termos de planejamento para mudanças já em andamento. O gerente de uma agencia na capital revelando as lições da Covid-19. Além do número de agências, o espaço físico delas será reduzido bem como o número de funcionários para o atendimento pessoal. O investimento focará na tecnologia e nos profissionais desta área - cada vez mais essenciais no mundo atual. Aquela imagem de uma grande agencia suntuosa, com 20 caixas, é passado.

‘MILAGRES’: Proliferam na internet propagandas de especialistas na orientação de candidatos lembrando que com 8 segundos no horário eleitoral Bolsonaro investiu nas redes sociais. Aliás, o dr. Enéas, lá atrás, poderia ter ido mais longe se tivesse os recursos digitais de hoje. Na pandemia, quando o tempo sobra, quem apostar nas plataformas digitais, abrirá o leque de relacionamento com os eleitores para expor currículo e projetos. Se para sonhar com o poder é preciso gastar, vale a pena gastar.

1-DA ASSEMBLÉIA: Deputado Lucas de Lima (Solidariedade): É seu o projeto para constar na fatura das concessionários de serviços públicos os fones de emergência em casos de violência domestica. Deputado Marçal Filho (PSDB); quer maior enfoque no alerta ao suicídio na pandemia; Quer a retomada de cirurgias eletivas; com sua ajuda foi inaugurado o Centro de Convenções de N. Andradina. Deputado José C. Barbosa (DEM): pediu ações para solução do abastecimento de água nas aldeias; quer suspensão ou prorrogação da validade do concurso da Agepen.

ANO PERDIDO? Para aquele pessoal insaciável, sem limites, que pratica literalmente o verbo acumular e que está excluído do grupo de risco, sim! Mas para outro tipo de gente é diferente. São pessoas que admitem; as fraquezas afloraram, confessam que estão revendo conceitos e valores de conduta de vida, estão mais solidários, até menos céticos olhando a ciência com respeito e apegando-se a religião e família. Pouco importa se o balanço financeiro de 2020 ficar negativo. O que importa é a vida!

SABIA? Segundo a Receita Federal, das 10 profissões mais rentáveis, 7 são ligadas ao serviço público e estatais. E mais, nos últimos 10 anos a gastança com o funcionalismo cresceu em 125%, um descompasso com os ganhos na iniciativa privada. Se o Senado não tivesse votado com o Executivo, o Brasil gastaria mais 43 bilhões em 2021 para pagar os funcionários. Com a pandemia o debate da reforma administrativa volta para tentar reconfigurar as atribuições e os gastos e equilibrar as contas públicas. Tomara!

MALDIÇÃO? A sequência de administrações danosas do Rio de Janeiro é grave. O tsunami teve Leonel Brizola, Moreira Franco, Garotinho, Benedita da Silva, Nilo Batista, Rosinha Garotinho, Marcelo Alencar, Sergio Cabral e Wilson Witzel. Mas o vice governador Claudio de Castro (PSC) e o presidente da ALERJ André Ceciliano (PT) são investigados no caso que afastou Witzel. E mais: 27 deputados estaduais e 75 assessores parlamentares também investigados por corrupção. “Tutti buona gente”.

2-DA ASSEMBLEIA: Deputado Capitão Contar (PSL): Incentivando o civismo nesta Semana da Pátria sem perder de vista as questões legislativas. Deputado Evander Vendramini (PP): Discutindo demandas da segurança e combate do Covid-19 em Corumbá junto ao Quartel da PM . Deputado Neno Razuk (PTB): Aprovado seu Projeto de Lei prevendo protocolo de informações sobre pacientes com Covid-19. Deputado Lídio Lopes (Patriotas): Seguro na presidência da sessões da CCJ e Redação e também com participação ativa nas sessões virtuais da Casa.

DESVIOS? Os partidos gastam a grana do Fundo Partidário como querem. Compram carros, imóveis, bancam viagens e se estruturam para viabilizar as atividades. Exemplo: o PT levou R$ 117 milhões em 2019. Sem aposentadoria devido ao impeachment, a ex-presidente Dilma (PT) tem cargo de R$ 18 mil na Fundação Perseu Abramo. No fundo quem paga essa conta é o contribuinte, com os políticos se justificando mais ou menos assim: “com os gastos fazemos a boa política pela democracia e um futuro melhor”.

ENCOLHIDOS: A prática é antiga. Políticos com ou sem mandato postulando a prefeitura de Campo Grande e de outras cidades, já pensando em 2022. ‘Quanto mais candidaturas melhor em prol da democracia’. Democracia à parte - a tese nem sempre respeita o bom senso e a inteligência dos eleitores, hoje bem informados e céticos. É a jogada de usar a exposição do nome e imagem como trampolim. Mas eles correm o risco de saírem menores das urnas, embora ancorados no generoso Fundo Eleitoral.

LARANJAL: Deve continuar nestas eleições e explico: como o número de candidatos à vereança tende a multiplicar, muitos partidos lançarão mão de postulantes laranjas (de fachada) apenar para atender aos requisitos da lei que acabou com as coligações e exige chapa pura de cada partido. Mas, para os partidos que vão receber bastante dinheiro do ‘Fundão’ essa operação fica mais fácil porque em tese os candidatos gastariam pouco. Mas as agremiações com verba magra - terão que caçar candidato a laço por aí.

MELHORA? Das 5570 cidades, 1,118 não tem uma só vereadora e só 644 (12%) municípios são governados por mulheres que detém apenas 7.823 (14%) representantes no legislativo municipal. Dois pontos a destacar: 52% da nossa população é de mulheres e pela primeira vez os partidos estarão obrigados a repassar o equivalente a 30% do Fundo Eleitoral às candidatas. Mas é grande a chance do machismo partidário que manipula a política partidária boicotá-las. Sabe como é...

DE GRAÇA? Nas redes sociais um eleitor manifesta sua insatisfação com o médico Drauzio Varella que pede a adesão voluntária para servir como mesário nas eleições. O eleitor fala dos riscos de contágio da Covid 19; opina que o Governo deveria usar o dinheiro do Fundo Partidário para remunerar o mesário. E arremata lembrando da aposentadoria de R$ 28 mil paga a políticos presos na Lava Jato. Se o eleitor resiste à ideia de ir votar, imagine ficar o dia inteiro na seção eleitoral em clima de Covid-19!

3-DA ASSEMBLEIA: Deputado Antônio Vaz (Republicanos): Seu projeto prevê o uso do watsApp para denunciar abusos de crianças e adolescentes; pede o pagamento do IPVA em 12 vezes no cartão de crédito. Deputado João Catan (PL) Presente às sessões com intervenções fundadas no direito, normas e bom senso. Deputado Gerson Claro (PP); destinou emendas de R$40 mil cada à Escola Mal Castelo Branco e Escola Chico Mendes de Água Clara; presente as sessões da CCJ e Redação. Deputado Zé Teixeira (DEM) enaltece o agronegócio, a gestão estadual e preocupado com o Covid-19.

BOBAGENS & CIA’: Não é por acaso: os candidatos do PT a prefeito nas capitais (também em Campo Grande) estão mal nas pesquisas. As incoerências petistas alertam o eleitor. O deputado federal Vander Loubet (PT), por exemplo, votou contra o aumento da pena nos casos de corrupção com dinheiro do combate ao Covid-19. Pois é! Com tantos políticos petistas condenados ou denunciados por ‘meter a mão’, a declaração não chega a surpreender. Mas será um ‘prato cheio’ para os seus adversários.

‘CIUMEIRA’: Também aflora na política. Vale recordar. Nas primeiras pesquisas para prefeito de Campo Grande o deputado Capitão Contar (PSL) beirou 10%, só atrás de Marcos Trad (PSD). Aí começou a discórdia na sigla, escolhendo o vereador Vinicius Siqueira - recém egresso do DEM - hoje muito distante da pontuação de Contar nas pesquisas. Se o eleitor ficou sem entender os critérios da escolha, há uma certeza: no fundo todos os partidos são iguais, pelas incoerências e sede de poder. Não é assim?

DOURADOS Amostra da Ranking Pesquisas coloca Barbosinha com 42,60%, para prefeito, seguido de Délia Razuk 13,20%, Guedes 7%, dr. Davi Vieira 2,80%, Daniela Hall 2,40%, Racib Harb 2%, Jeferson Bezerra 1,80%, João Carlos 1,40%, Marisvaldo 1,20%, professor Ênio 1%, Mauro Thronicke 0,80%. – indecisos, não sabem, nulos ou não responderam 23,80%. A pesquisa registrada no TSE sob número 02332/2020 - foi realizada entre os dias 28 a 30 de agosto ouvindo 500 pessoas.

1- INTERNET: A reforma administrativa exclui parlamentares, juízes, procuradores e militares. Pelo visto os integrantes dessas categorias não pertencem ao povo, mas a si mesmos, como um todo – mas à parte.

2- INTERNET: Pastora mata marido, padre desvia milhões e eu vou para o inferno só porque tomo umas cervejas?!

3- INTERNET: - E aí doutor, como está meu processo? - Olha, acabaram de julgar o processo da Princesa Isabel. O seu está na fila.

Comentário

SEM TESÃO: É visível o desinteresse pelas eleições. A abstenção deve superar 2016 quando 32,5% dos eleitores das 57 cidades com 2º turno não foram votar. Incoerência: o voto é obrigatório, mas a multa pela falta em 2018 foi de R$ 3,50. No voto para vereança o desastre será oceânico. Não há ambiente e nem oportunidades para o eleitor conhecer as propostas ou os candidatos. Os postulantes novatos, escondidos pela máscara podem passar despercebidos nas eleições. Quanto ao velho horário eleitoral não deve atrair a atenção devido a concorrência da TV a cabo e do celular.

IMAGINAÇÃO: Não pode faltar aos candidatos. A Covid-19 provocará a migração da campanha para o ambiente digital com importância maior que a prevista. A propagação de ‘fake news’ e a disparidade de recursos entre os candidatos terão nova proporção. Mas quem buscar a reeleição levará vantagem sobre os estreantes. Nas cidades menores valerá o velho ‘corpo a corpo’ ou o ‘boca a boca’. É possível que igrejas possam abrigar comícios camuflados concomitantemente aos cultos, devido a presença de dezenas de pessoas. Amém, Jesus!

PROJETOS: Cada político tem o seu e o do ex-ministro Mandetta (DEM) tem aflorado após sua demissão e já incomoda lideranças. O lançamento do seu livro sinaliza: quer ocupar espaço, juntar forças ou formar seu próprio grupo. Mas ele pode se beneficiar caso Murilo Zauith (DEM) assuma o Governo para Azambuja disputar algum cargo em 2022. O jogo jogado; Senador Nelsinho Trad (PSD) ainda terá mandato a cumprir, o ex-governador Puccinelli (MDB) desgastado. Mandetta poderia tentar a vaga ao Senado ocupada por Simone Tebet (MDB) ou o próprio Governo. É o que andam dizendo.

NA CONTRAMÃO Chico Anísio dizia que só aqui o comunismo é levado a sério. Darcy Ribeiro ironizava essa esquerda, universitária, utópica, ‘nutella’, lembrando que o Brasil não é a Suécia; pois nós não somos iguais. Mas a esquerda não entendeu, não tem identificação com o eleitor evangélico de conceitos de moral/ família diferentes das pautas progressistas do PT e cia. O estigma comunista - tutor da esquerda - favorece o centro/direita. É a religião - decisiva nas eleições e caminhando à frente da política sindical e socialista. Conclusão: não dá para ser marxista e cristão ao mesmo tempo.

LAVA JATO: Ela desnudou a corrupção no Brasil a partir do Governo PT-MDB e alcançou vários países da América do Sul, América Central e chegou até a África onde nossas empreiteiras atuavam em conluio com os governantes. No Peru, por exemplo, os escândalos provocaram renúncia e prisões de autoridades. Evidente que aconteceram equívocos pontuais, mas o que não justifica a campanha para desmoralizar o trabalho que condenou mais de 150 acusados confessos e recuperou bilhões de reais. Incrível: Governo e oposição interessados em denegrir o ex-juiz Sergio Moro. É pena.

COMPARANDO: Nos Estados Unidos o Poder Judiciário custa o equivalente apenas a 0,15% do PIB; na Itália chega a 0,19% e na Alemanha, 0,32%. Mas no rico Brasil a fatura do Judiciário em 2019 foi de 1,5% do PIB. O custo por habitante foi de R$ 479,16 e o custo final de R$ 100,2 bilhões. Apesar dos avanços tecnológicos, investimentos e altos salários, as reclamações continuam. Muita pompa e burocracia palaciana, mas com resultados práticos distantes do ideal. Justiça que tarda...

ACERTO: “Política é feita com construção e a gente está discutindo. Temos agora as chapas, uma construção diferente. É chapa pura de vereadores, não pode mais coligar. Tem que cuidar da chapa e o partido fez um bom trabalho, temos ótimos nomes que vão concorrer para o Legislativo municipal e eu não tenho dúvida. Nós vamos chegar em um entendimento... Você chega em um entendimento quando coloca a Capital em primeiro lugar.... Tudo isso é fruto de uma parceria e, assim como na Capital, estamos percorrendo os municípios, falando com os aliados”. (Governador Reinaldo sobre o apoio do PSDB à reeleição de Marcos Trad (PSD), ao Campo Grande News)

ENFIM... O governador tem o comando de seu partido no Estado e já decidiu pelo apoio à reeleição do prefeito Marcos Trad (PSD) na capital. Sem ilusões: Uma eleição está ligada diretamente a próxima. Daí há de se olhar naturalmente para o pleito de 2022 onde repousam projetos diversos, inclusive do próprio governador em disputar o Senado O raio x do PSDB mostra que é um partido como os demais, com aspirações individuais mas que naturalmente não comprometem o projeto maior de poder.

FAVORITO: Evidente que o que vale é o voto na urna. Mas aqui na capital - analisando o quadro de postulantes, o desempenho do prefeito Marquinhos, sua notória habilidade na relação com outras lideranças e com a Câmara Municipal, vem se cacifando para se reeleger no primeiro turno. Esse pacote de obras junto com o Governo Estadual premia bairros populosos, valoriza a parte central e vias estratégicas nos bairros. A comparação do cenário horroroso de antes com a atualidade agradável leva-nos a essa previsão.

DESGASTES: Com exceção do funcionalismo público, as senadoras Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (PSL) foram criticadas pela opinião pública no episódio do veto presidencial em que ambas votaram contra o Planalto. No caso de Soraya - a memória coletiva lembra que para se eleger ‘grudou’ na imagem de Bolsonaro e acabou de perder uma briga jurídica com seu suplente, tem errado muito em pouco tempo. Não calça as sandálias de humildade e não tem grupo político. É o começo do fim?

“CHE TIEMPO GUARÉ’: Expressão guarani para denominar ‘a saudade de pessoas e de tempos do passado’. Com esse título Nery da Costa Jr, meu ex-colega do Conselho da OAB-MS e hoje desembargador do TRF da 3ª. Região, lançando sua primeira obra literária com mais de 700 páginas onde alinhou conhecimento, pesquisa e sensibilidade. Nela, mergulha fundo na história, nas questões sociais e culturais de Amambai e região, onde nasceu e viveu até 1.999. Com essa obra, ‘Nerinho’ resgata fatos e personagens importantes no contexto daquele cenário regional. É ler e viajar no tempo. Eu gostei.

‘COMPADRIO’: Só falta o Supremo Tribunal Federal opinar sobre receita culinária. Ironias a parte, aguarda-se a posição da Corte sobre a possibilidade de reeleição dos presidentes da Câmara e Senado como questiona o PTB. Embora o STF seja o poder moderador, o senador David Alcolumbre (DEM-AP) lembra que o assunto é uma questão interna do Senado. Como o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) também sonha com a reeleição na presidência da Câmara, a tendência é que o Supremo lave as mãos e deixe senadores e deputados resolverem suas questões de suas respectivas casas.

‘OH, COITADO”: Passados tantos anos o ex-presidente Lula (PT) vem a público pedir desculpas amarelas por ter concedido – no último dia (2011) de seu Governo – asilo ao terrorista italiano Cesare Battisti, da facção Proletários Armados pelo Comunismo. Quem não se lembra? O então ministro Tarso Genro, da Justiça, alegou ‘razões de soberania’ para não atender o pedido de extradição da Itália? Agora, Lula diz que foi enganado e a imprensa noticiando discretamente, mas sem criticar. É fácil entender. Basta ler o que a mídia italiana tem falado sobre esse episódio vergonhoso.

BOLA DE CRISTAL: O exercício da futurologia sobre a era pós pandemia tem sido muito praticado. Para alguns o homem mudará de comportamento, reverá sua postura e ambições materiais. Outros arriscam que haverá maior solidariedade em todos os níveis e que seremos mais imediatistas e simples. Mas, um amigo opina: tudo voltará como antes; projetos, consumismo e cada um pra si. É como a velha história dos passageiros do avião dando as mãos e rezando na turbulência, mas que ao desembarcarem nem se despedem e nem agradecem o piloto pela habilidade salvadora demonstrada.

REVIRAVOLTA: Até o final de 2019 a situação de Donald Trump era excelente. O desemprego caiu, a confiança do empresariado disparou e nas pesquisas seria imbatível em 2020. Ele surpreendia com seu estilo e apesar de algumas gafes não se preocupava com a oposição. Mas veio a pandemia, ele apostou errado em contrariar a ciência. A economia piorou, o desemprego aumentou e as suas declarações criaram um clima que desembocou na violência das ruas. De favorito nas pesquisas, amarga agora posição incômoda. Ora! Em qualquer lugar do mundo é preciso respeitar o eleitor.

EM ALTA: Inegavelmente que repercutiram muito bem as avaliações constatadas em pesquisas colocando Mato Grosso do Sul no seleto grupo dos 5 Estados que deverão sair da pandemia com saldo positivo de crescimento do Produto Interno Bruto. A projeção que ultrapassaremos os 2,0% do índice de crescimento de 2019, anima e empolga, do campo à indústria. Com isso o Governo investe alto em todos os segmentos da administração, na capital e interior. Isso é bom.

Se você quer saber o que Deus pensa do dinheiro, dê uma olhada nas pessoas a quem ele deu riqueza (Dorothy Parker)

A pergunta: você já escolheu seu candidato a vereador?

.

Comentário

TRAIÇÃO: Mesmo em ano de eleições sem graça, não se pode esquecer os eleitores independentes (‘vira casaca’). É curioso o conceito dos políticos sobre eles. Quando um cidadão troca de partido ou resolve votar noutro candidato, é chamado de traidor pelos ex-companheiros irados. Mas no novo partido o clima é de festa e ele é visto apenas como convertido ou eleitor independente.

FIDELIDADE: Desde a Roma antiga o tema é discutido. Cesar dizia que “amava as traições mas odiava os traidores”. De lá para cá, as convicções políticas estão ainda mais sujeitas a chuva$ e trovoada$. O conceito de traição suavizado por sinônimos amenos. Traição é fruto da evolução cultural/social; da libertação de dogmas religiosos; independência familiar, fatores que influenciam o eleitor. É a democracia a fiadora da independência, desta ‘traição’ do eleitor aos políticos e partidos, de olho no poder.

OS INDEPENDENTES: O pleito de 2020 não será o primeiro em que crescerá o percentual de eleitores independentes, votando livres das amarras. A popularização da internet, via celular, será o diferencial com material variado sobre as eleições e os candidatos. Um banquete incluindo ironia, acidez e humor. Na internet os ‘rabos’ dos políticos aparecem e os eleitores mutantes ou vira-casacas são os novos independentes.

1-DA ASSEMBLÉIA: Deputado Lídio Lopes (Patriotas); sua emenda beneficiando os pequenos agricultores de Japorã; ativo nas sessões da Casa e da CCJR. Deputado Marçal Filho (PSDB); pede isenção de ICMS aos hospitais filantrópicos; prevê direito às gravidas de optar pela cesariana desde o 39º mês na rede pública. Deputado José C. Bartbosa (DEM): tem conseguido melhorias para a segurança pública de Dourados; pediu ao Ministério da Agricultura recursos para construção da Ceasa em Dourados. Deputado Neno Razuk (PTB); voltou aos trabalhos legislativos após curar-se do Covid; sua emenda possibilitou a compra de um veículo para a Casa Peniel da capital.

CIRO GOMES: “...( ) O Lula não tá bem. Bajulação demais, incenso demais, poder demais, virou um deus, perdeu os amigos que tinham autonomia crítica perto dele e de repente tomou-se de muito ódio que tá tirando ele da percepção da realidade...( )...agora para o Lula, o povo que sempre votou conosco e que votou no Bolsonaro é fascista, chama o povo de gado...( )...É absolutamente grave o que aconteceu e fazer de conta que não aconteceu é insultar a inteligência média do nosso povo. Se você lembrar a origem do PT e do Lula, “todo mundo era bandido para eles”...”

APOIADORES: Ajudam os candidatos? O prefeito Bruno Covas, de São Paulo, quer distância do senador J. Serra e do ex-governador Alckmin (PSDB), pegos na ‘Lava Jato’. No Rio de Janeiro o postulante do MDB negará relações com líderes ‘ilustres’, o ex-governador Sergio Cabral e o ex-deputado Eduardo Cunha. Por analogia a situação se repetirá em Campo Grande - com a imagem do candidato a prefeito emedebista associada ao ex-governador Puccinelli e ao ex-deputado Edson Girotto, do MDB.

PORQUE NÃO? Evoluímos na adoção da urna eletrônica, mas ela começa a ficar obsoleta pela internet. Daí que está na hora de pensar no voto através do e-mail. Isso democratizaria o uso da internet, agregando ‘eleitores marginalizados’, cortando os gastos da Justiça Eleitoral e evitando que o eleitor saia de casa para votar. Poder-se-ia adotar o sistema duplo de votação com o eleitor, dependendo de seu perfil e local, escolher a opção conveniente. É o caminho da evolução com economia.

2-DA ASSEMBLEIA: Deputado Capitão Contar (PSL); Escudado nos 78.390 mil votos recebidos esteve em Corumbá na visita do presidente Bolsonaro que assinou a bandeira usada em campanha. Deputado Evander Vendramini (PP); aprovado seu projeto reconhecendo o carnaval de Corumbá como patrimônio cultural; acompanha as ações de combate aos incêndios do Pantanal. Deputado João H. Catan (PL): presente às sessões virtuais e atento aos ecos da devolução que fez do projeto do governo por aumento de impostos.

POSITIVA: Assim pode ser definida a atuação de Jaime Verruck à frente da Semagro (Secretaria do Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar). Aliás, a denominação da Secretaria sintetiza bem sua importância no nosso contexto sócio econômico. Os grandes projetos passam pela sua mesa com resultados em números positivos que tem viabilizado essa administração. Verruck é economista, ex-diretor do sistema Fiems/Sesi/Senai e tem cursos Universidade da Pensilvânia, Fundação GV e doutorado em desenvolvimento em Madri. Cada qual no seu lugar.

PROJETO: O ‘Democratas’ não será só coadjuvante em 2022. No Bolsão, excetuando Três Lagoas, há um vazio de representação na Assembleia, incentivando a pretensão de Ademar Silva Junior em se candidatar. Ligado à ministra Tereza Cristina (Agricultura), presidiu a Famasul, a Seprotur e hoje comanda a Agencia Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater). Ademar é natural de Aparecida do Tabuado e tem boas relações nas cidades daquela região. Um nome viável politicamente.

NA LUPA: Pela pesquisa do ‘Data Folha’, o eleitor está em desacordo crescente com o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal nas suas posições contra o Palácio do Planalto. Como massa de pão, crescendo na avaliação geral, o presidente Bolsonaro paga o auxílio emergencial, rearticula sua base de apoio partidário na Câmara, começa a mostrar suas obras e visitar bases onde o PT reinou. Lembro que a avaliação negativa do Congresso pulou de 32 para 37 pontos comparada com a última pesquisa de maio.

3-DA ASSEMBLEIA: Deputado Antonio Vaz (Republicanos); pede obrigatoriedade da cirurgia de lábio leporino na Santa Casa; pediu a participação das Forças Armadas no combate aos incêndios do Pantanal. Deputado Lucas de Lima (Solidariedade); visita bairros da capital e mantém contato com entidades e autoridades da Secretaria de Saúde na prevenção e combate ao Covid-19. Deputado Gerson Claro (PP); liberada emenda de sua autoria, de R$60 mil à APAE de Itaporã; acompanha ações para a ferrovia ligando Maracaju a Cascavel (PR); presente às sessões da CCJR da Al Legislativa.

PEGOU MAL: Os policiais rodoviários federais batendo recorde de apreensões de drogas. Mas veio o ciúme da Associação dos Delegados Federais e da Federação Nacional dos Delegados Federais. As entidades conseguiram no STF através do ministro Dias Tófolli e na Justiça Federal (6ª. Vara Federal do DF) derrubar a portaria do ex-ministro Moro da Justiça que ampliou os poderes da PRF no combate ao narcotráfico. Essa amputação de competência dos policiais deve facilitar a vida do pessoal do tráfico cada vez mais abusado. Aposto que o leitor não gostou da notícia.

‘BARBARIDADE’: O debate sobre a volta do ‘imposto do cheque’ disfarçado é mais um dentre tantos envolvendo o bolso do contribuinte desde antes de Cristo, onde o imposto também era pago com dias de trabalho do cidadão ao Governo. Mas vem da Rússia do czar Pedro o imposto pra lá de hilário. Ao voltar da Europa Ocidental e sob o pretexto de modernizar o país, a começar pela cara dos homens, ele instituiu o ‘imposto sobre barbas’. Funcionava assim: Para mercadores e nobreza ele chegava até a 100 rublos anuais e aos comuns apenas 1 copeque.

PELO PODER: A sucessão presidencial ganhando maior espaço na mídia do que as eleições municipais. As publicações sobre declarações e posturas de políticos mostram que ela é prioridade no Congresso. As votações são influenciadas pelas eleições de 2022. Pelos argumentos do deputado Rodrigo Maia (DEM), o projeto de construir a candidatura de oposição é complexo. Além de não atrair a esquerda não une o pessoal pragmático do Centrão. Encontrar um nome de peso, com respaldo popular é o desafio.

HIPÓCRITAS: Eles estão em todos os locais; às vezes em situações impensáveis. Digo isso após ler a notícia que a Controladoria Geral da União detectou mais de 680 mil agentes públicos que receberam (uma vez ou mais) o auxílio emergencial - num total superior a R$ 980 milhões. Aposto que esses espertos continuarão, nestas eleições, com o discurso contraditório; exigindo honestidade dos candidatos. Ora! Discursar contra a corrupção não basta. É preciso sim também praticar a honestidade.

DUAS NOVIDADES: A posse do ministro Luiz Fux na presidência do STF e a aposentadoria do ministro Celso de Mello são dois fatos que mudarão o cenário na corte e suas relações com o Executivo. Fux é defensor da ‘Lava Jato’, contra o financiamento privado das campanhas eleitorais e à favor do dogma da ‘teoria do domínio do fato’ no combate aos crimes do colarinho branco. A saída de Mello, em novembro, abrirá vaga para indicação do Executivo, contrário a postura do ministro decano na 2ª. Turma. O STF será mais discreto? É possível que sim.

“Tem muita água para passar debaixo dessa ponte. Em política dois anos são muita coisa. Mas seria uma honra. Qualquer pessoa gostaria de ser convidada para ser vice” (Ministra da Agricultura Tereza Cristina)

“O comunismo é uma espécie de alfaiate que quando a roupa não fica boa faz alterações no cliente” (Millôr Fernandes)

“O Brasil é um país onde a esperteza passou a ser chamada de competência” (Antônio Ermírio de Moraes)

“Não se iluda com 5 mil amigos no ‘face’. Jesus só tinha 12 e ainda foi traído”

Comentário

RECUPERA? Nas eleições de 2012 o PT elegeu 632 prefeitos e 5.128 vereadores. Mas em 2016 emagreceu elegendo apenas 256 prefeitos e apenas 2.808 vereadores. Para 2020 a previsão é ruim: o PT tem chances de vencer só em duas capitas (Recife e Vitória) e está mal das pernas nas estratégicas São Paulo e Rio de Janeiro. Detalhe: em 2016 o PT só venceu em Rio Branco, lá no Acre. Esse discurso atual de Lula - de que é inocente - já cansou, não sensibiliza mais o antigo eleitor hoje influenciado pelo auxilio emergencial do Bolsonaro. O eleitor, preocupado sim, mas com o seu próprio bolso.

SEM MENTIRAS: “Na verdade, a privatização é uma coisa estranha para o governo, porque a máquina foi feita para não ser reduzida de tamanho. Isso é normal. Então, quando você vai privatizar, você mexe no jogo de interesses. Então, o ‘establishment’ não deseja que aconteça as privatizações. O mundo de governo é muito diferente do mundo da iniciativa privada. As lógicas são diferentes, o tempo é diferente. Nós da iniciativa privada normalmente temos dificuldade de nos adaptar ao tempo, à lentidão da burocracia estatal” (Salim Mattar, ao deixar a Secretaria de Desestatização e Privatizações)

ENFIM... Salim Mattar, ‘cap’ da Localiza, entrou no Governo para tentar enxugar a máquina pública, mas, concluiu que não é fácil. Afinal, a classe política tem interesse em manter o velho sistema de gastar, proporcionar empregos e mecanismos de votos e poder, é claro. Para os políticos quanto mais cabides, diretorias e departamentos nas estatais melhor. Taí o exemplo do velho ‘Correios’, sucateado pelos interesses políticos. Acho que o empresário Salim Mattar estava se sentido ‘déplacé’ - uma palavra francesa - para não dizer deslocado, fora de lugar - lá no Governo. Grande perda.

PERA LÁ... Viralizou na internet aquele episódio de Catalão (Goiás) onde um menino engraxate ao comprar um relógio para presentear seu pai acaba homenageado pelo comerciante. O fato leva-nos a questionar a lei, que para evitar o trabalho escravo e a fuga escolar, veda o exercício de atividades de crianças. Mas, não seria possível – como antigamente - fazer ‘bicos’ sem, prejudicar a vida escolar e formatando o caráter inclusive? Enfim podemos estar criando uma geração de alienados da realidade. Depois... não vai adiantar reclamar!

É O JEITO? Alguns acham que seria pura sorte, questão de simpatia pessoal ou pelo fato dele representar o Estado onde o presidente viveu por algum tempo em Nioaque. Mas o fato é que o senador Nelsinho Trad (PSD) vem sendo prestigiado pelo presidente Bolsonaro desde a memorável visita à Casa Branca. Agora se repete o prestigiamento ao integrar a comitiva que foi ao Líbano. Política tem dessas coisas; não combina com salto alto. Nelsinho sabe disso. Outros nem tanto.

RETROVISOR: Nem sempre o candidato com maior tempo de rádio e TV vence. Em 1989 Ulysses Guimarães (MDB) usou 22 minutos durante quase dois meses e ficou em 7º lugar com 4% dos votos dentre os 22 candidatos. No pleito municipal da capital em 2012, Edson Giroto (MDB) tinha 13,26’ de tempo no horário eleitoral, contra 03,01’ de Alcides Bernal (PP) que acabou vitorioso. Ulysses era o ‘Senhor das Diretas’ e Giroto o braço direito de Puccinelli, ‘conhecia Campo Grande’, mas ambos, pelo excesso de exposição, cansaram o eleitor com discursos inconvincentes e repetitivos.

E AGORA? O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não divulgou a partilha do horário eleitoral, mas 10 partidos, no mínimo, serão excluídos pela clausula de barreira (e do acesso ao Fundo Partidário) por força da Emenda Constitucional de 2017. Para sua orientação confira a estimativa da distribuição feita por especialistas: PT 10,7’ - PSL 10,1’ – PP 7,2’ – PSD 6,6’ – MDB 6,6’ – PR 6,4’ – PSB 6,2 – PRB 5,8’ – PSDB 5,7’ – DEM 5,7’ – PDT 5,5’ – Solidariedade 2,5’ – Patriota 2,3’ – Pode 2,1’ – PSOL 1,9’ – PTB 1,9’ – PC do B 1,7’ – Novo 1,6’ – PROS 1,6’ – PSC 1,6’ – PPS 1,6’ – Avante 1,4’.

LEMBRADAS: Vários pré-candidatos a prefeito de Campo Grande planejam ter uma mulher como candidata a vice- prefeita. Mas, essa equação é difícil de ser resolvida. São vários os fatores que devem ser levados em conta para achar a figura ideal, que agregue prestígio e votos. Pesam as questões profissional, cultural, religiosa e familiar. Mas aqui vai o lembrete: a maioria do eleitorado feminino é machista, tem preconceito contra candidatas Sempre procuram motivos para não votar nelas. Queridas e ‘complicadas’.

NOVO OLHAR: Antes, a tese do ‘rouba, mas faz’ firmou-se como prática adotada em todos os níveis administrativos. O entendimento ‘pacífico’ era de ver com normalidade ‘aquela fatia’ desviada pela empreiteira ao gestor público como um ‘prêmio’. Mas com tantas denúncias de corrupção de obras pelo Brasil afora, inclusive aqui no Estado - com figurões sendo presos - o eleitor ficou mais criterioso e questiona: a obra era necessária? O custo, justo? A obra corresponde ao projeto? Foi fiscalizada por quem? Ficou assim no imaginário popular o estigma maldito de que o gestor pode estar levando ‘por fora’.

QUALIDADE: Recentemente assisti ao vídeo divulgado pela prefeitura de Paraíso das Águas onde máquinas da empreiteira destruíram o asfalto recém-concluído nas ruas do distrito de Bela Alvorada, que segundo o prefeito Ivan da Cruz Pereira (DEM) estava em desacordo com as especificações do contrato. A empreiteira acabou por refazer toda a obra sem ônus ao município. Chamou a atenção pela postura do gestor, exceção nesta prática de se fazer vistas grossas às falhas na construção de prédios públicos, pontes, viadutos, asfalto nas cidades e rodovias, onde cada um leva ‘o seu’.

CORRUPÇÃO: Será que aquilo mostrado na Operação Lava Jato era mentira, pura invenção? Mas, o que eu quero lembrar é que as tais emendas parlamentares, que teriam como objetivo único levar benefícios aos municípios carentes, em alguns casos se transformaram em fonte de corrupção, beneficiando parlamentares, gestores públicos e empreiteiras. Também a qualidade dos serviços e obras prejudicada. As emendas precisam passar por um processo de depuração para evitar que políticos façam uso delas em benefício do próprio bolso. É o famoso caixa de campanha.

SENADORA: Pés no chão e de olho na cadeira do senado ocupada por Simone Tebet (MDB). Essa é a postura da ministra Tereza Cristina (DEM) vacinada contra fofocas. Ela pode até ser a candidata a vice de Bolsonaro em 2022, No caso, o ex-ministro Luiz H. Mandetta (DEM) tentaria o senado. Um ex-deputado elogiou a habilidade política dela, capaz de negociar até com os chineses. Com o agronegócio voando, seu prestígio nacional respinga aqui, seu projeto ganha corpo e força em todos os municípios. Ela virou peça importante no tabuleiro político.

‘O REIZINHO’: O deputado Rodrigo Maia (DEM), cada vez mais poderoso e ousado. Quer ser protagonista em 2022 e como presidente da Câmara – aliado de primeira hora do STF – quer mudar regras em benefício da classe política. Seu canhão de poder mira dois alvos: a quarentena de 8 anos para o pessoal do Judiciário e do Ministério Publico, e a proibição dos militares na ativa serem candidatos a cargos eletivos. E mais: já fala em articular na formação de uma chapa presidencial que fuja do radicalismo que se apresenta atualmente. Entendi.

CONFIRA! “Em nome de um pretexto conservacionismo de fachada, as Ongs (Organizações Não-Governamentais) do setor ambiental tem se articulado, nas últimas décadas, para impedir o desenvolvimento no Estado pelos meios naturais que nos privilegiam: o bioma Pantanal e, por conseguinte, a Hidrovia do Paraguai e a pecuária extensiva...( ) ...Organizações como Ecoa, WWF, SOS Pantanal e Rios Vivos se manifestam apenas para criar cenários apocalípticos, com base em estudos e teses financiados não se sabe por quem, na tentativa de barrar investimentos na navegação fluvial, na exploração sustentável do Pantanal ou outra atividade econômica que torne Mato Grosso do Sul altamente competitivo lá fora. (Lucimar Couto – no CGNews).

UMA MÃE! A ‘generosidade’ tem sido a marca forte nas decisões do Supremo Tribunal Federal. O STF é uma grande fonte de jurisprudência beneficiando os réus ligados à gestão pública. Os exemplos são tantos que a coluna não comportaria a citação de todos. Mas vale registrar a operação que se avista na 2ª. Turma da Corte e que pode beneficiar o ex-presidente Lula (PT) e assim colocá-lo em condições de disputar as eleições de 2022. Decididamente o sistema está falido.

LIGEIRINHO: Determinação pode ser um fator decisivo numa candidatura. Tenho observado: isso não falta ao deputado José Carlos Barbosa (DEM) nesta fase de impor o nome, trabalhar as articulações que somam apoio e diminuam restrições. Claro que as desistências de eventuais pretendentes facilitam o caminho, mas isso não resolve o pleito antecipadamente. Seu bom trânsito com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) é fator que ajuda a quebrar resistências no ninho tucano e quem sabe levá-lo a prefeitura de Dourados. Mas Barbosinha sabe, eleição não se ganha sozinho. Não é?

“O PT é parte do passado, o PSOL é uma espécie de PT retrô” (Orlando Silva, PC do B)


“A arte da tributação é a arte de depenar o ganso, obtendo o máximo de penas com o mínimo de grasnidos” (Jean Colbert)


“A sociedade se compõe de duas classes: uma que tem mais apetite que jantares e outra que tem mais jantares que apetite” (Nicolas Chamfort)


“As redes sociais não são sociais. Muitas pessoas que te seguem, na verdade, te perseguem” (Nizan Guanaes)

Comentário

ENCRUZILHADA: Prefeitos sob o fogo cruzado, notadamente nas médias e grandes cidades. Pergunta é difícil de responder: como satisfazer os interesses de alguns nichos sociais, igrejas, comércio e outras atividades laborais e obedecer a todos os protocolos do combate à Covid-19? É difícil aos prefeitos tomarem decisões que agradem a todos ou a maioria, sem os riscos de propagação da pandemia. Há o fator político; estamos em ano de eleições; é natural que os reflexos eleitorais possam ocorrer. Sabe como é...

CENÁRIO: A oposição política aos prefeitos tenta se aproveitar da situação delicada com propostas questionáveis. É como se os políticos fossem imunes ao vírus, que tudo não passasse de uma farsa. Às vezes falta-lhes juízo ou conhecimento científico. Aos religiosos o lembrete: só a fé não tem evitado a morte de fiéis, pastores e padres. A oração em casa não teria o mesmo valor? E a pergunta da hora: como as igrejas estariam socorrendo a pobreza para amenizar os efeitos da pandemia? De leve...

3º TEMPO? Pelas postagens radicais nas redes sociais, em muitas cidades e capitais essas eleições podem se transformar na continuação do pleito de 2018. Deduz-se que Bolsonaro deva ser o grande cabo eleitoral embora esteja sem partido e que a questão ideológica pode – excepcionalmente – pesar também em cidades menores. E mais: as eleições municipais podem representar uma prévia das eleições presidenciais de 2022, onde o discurso de combate a corrupção pode ganhar ainda mais força. Questões de cunho conservador vão se equiparar ao discurso do progresso. Um embate diferente?

DO MÉDICO: “( )...Temerosos de que os tempos do abraço não voltem mais, nos tornamos equilibristas nas escadas rolantes da vida, por puro medo do corrimão, tocado sabe-se lá por quantas mãos...( )...E torcemos que o elevador não venha carregado para não termos de improvisar aquela cara de desculpe, eu não vou subir agora, obrigado. E quando o elevador finalmente chega vazio, ficamos rezando que nenhum inconveniente decida interromper a marcha até o nosso andar...( )...melhor que cada um assuma a sua cota na resignação ao mesmo...( )...Se faltar estímulo, lembre-se: depressão abaixa a imunidade e anima o vírus...” (dr. J.J. Camargo – Porto Alegre)

NO MIRANTE: Como ficará a metade da população brasileira e a sua economia quando esse auxílio emergencial acabar? Pressionado, o Planalto deve prorrogar a medida até o final do ano, mas com valor menor. Portanto, tem prazo para acabar. É inegável que o dinheiro pago ajuda na sobrevivência das pessoas mais vulneráveis, fomenta a circulação de riquezas gerando empregos. Mas, a economia do país não terá mudanças espetaculares em 2021. O presidente tem avisado: está no limite fiscal.

NOVOS TEMPOS: As empresas seguradoras acabaram por aderir aos novos tempos para facilitar a relação com a clientela. Antes, na assinatura do contrato o cliente tinha a opção de ter à sua disposição o chamado ‘carro reserva’ durante o período em que o seu veículo segurado estivesse na oficina para reparos. Agora – no lugar do carro reserva - o cliente fica credor de usufruir dos serviços do ‘Uber’ durante esse mesmo período. A mudança garante ao cliente a manutenção do benefício com custo menor à seguradora.

OBRAS & OBRAS: Só falta um km para a conclusão do asfalto Figueirão-Costa Rica (61 kms) e está em andamento o projeto do asfalto Paraíso-Costa Rica. Só elogios para o asfalto entre os distritos de Palmeiras e Piraputanga. Outros projetos em andamento: alça de acesso do asfalto à ponte da Rota Bioceânica em Porto Murtinho; asfaltamento de Antonio João a Cabeceira do Apara e outro trecho de Cabeceira do Apa a Guia Lopes da Laguna; minianel em Ponta Porã na ligação através de Maracaju. Ainda: o projeto ‘Mais Pontes’ já tem 40 delas sob estudo geológico e a ponte no rio Aquidauana entre Corguinho e Bandeirantes (100 m de extensão) atende antiga reivindicação.

OS DESCONECTADOS: Assistindo no facebook ‘jornalistas medalhões’ da mídia nacional prevendo o resultado das últimas eleições presidenciais, percebe-se que eles estavam fora da realidade. Esquerdopatas, comprometidos com os patrões dependentes de verbas do Planalto. Mas, em 2022 pode haver bis. Bolsonaro tem chances de vencer por WO pela falta de unidade e discurso da oposição, além do estigma do STF e do Congresso. A subida do ‘capitão’ nas pesquisas mostra isso e o ‘auxílio emergencial’ seria o golpe de misericórdia na esquerda intelectual que só sabe fazer barulho.

PASMEM! Na Globo, Folha, Estadão e UOL, principalmente, você não encontra uma notícia positiva sobre o país. É o discurso do quanto pior melhor, da terra arrasada. O desempenho do agronegócio, o reerguimento da economia, o fim da corrupção em ministérios e órgãos federais são ignorados. Não há qualquer referência sobre a herança maldita herdada do legado petista. Há um dado que deve ser levado em conta: nenhum destes 4 órgãos citados acima não publicaram uma linha sequer das últimas pesquisas. Sinal que os resultados desagradam seus interesses. Alguma dúvida?

A DESCONECTADA: Dilma Roussef. Sempre ela! Quando menos se espera a ex-presidente (PT) dá o ar da graça. Pasmem! Agora voltou lendo declaração num vídeo homenageando Hugo Chavez, que se vivo comemoraria 66 anos de idade. Alienada da realidade do país vizinho, ela elogia o ex-ditador bajulado pelo PT e esquerdistas que incoerentemente pregam aqui a liberdade e a democracia. Mas ainda bem: das 55 mil pessoas que assistiram ao vídeo - só 269 a apoiaram. Seria o caso de se perguntar: E quando o Brasil receberá de volta os milhões de dólares emprestados à Venezuela?

‘INTOCÁVEIS’: O ex-presidente Fernando H Cardoso calou o bico. Sem argumento para criticar o Governo! Se não bastassem os escândalos do ex-presidenciável Aécio Neves (PSDB-MG), da denúncia contra Geraldo Alckmin (PSDB-SP) chegou a vez do senador José Serra (PSDB-SP) se explicar à justiça. Foi salvo temporariamente pelo STF amigo, mas isso pesará nestas eleições e em 2022. Afinal o eleitor tem seu próprio entendimento, ao contrário dos juízes que deixam o mérito em segundo planto e se atem às normas processuais para preservar seus ‘compadres’. Ser inocentado na Justiça aqui no Brasil é muito fácil. Difícil mesmo é ser absolvido pela opinião pública. Concorda?

A ÚLTIMA frase (acima) se aplica também ao ex-governador André Puccinelli (MDB) que ainda não explicou publicamente os motivos que o levaram à prisão, um desgaste pessoal e político avassalador. As suspeitas de eventuais praticas (“Lama Asfáltica & Aquário do Pantanal”) de irregularidades que embasaram aquele procedimento das autoridades, permanecem no limbo da opinião pública. Como o MDB anuncia a candidatura a prefeito do deputado Marcio Fernandes, já se especula: como Puccinelli participaria da campanha: na linha de frente ou nos bastidores? É aguardar.

EXPECTATIVA: A campanha não começou oficialmente, mas cada pré-candidato já deve ter em sua cidade aos menos um esboço de seu programa - alicerce do discurso de campanha. Alguns postulantes já exibem no facebook amostras do que querem propor. Aqui na capital, ao contrário das outras eleições, devido à Covid-19 e às novas regras eleitorais, estamos em câmera lenta mesmo porque as prioridades são outras: a questão econômica familiar e a vida saudável, longe dos hospitais. Eleições? Ficam pra depois.

‘CANETADA’: O que pretende afinal a mais alta corte do país? Esquece o direito de manifestar a opinião (sem medo de represália) prevista na Constituição e quer impor a censura ditatorial. Ora! Claro, na democracia o princípio do direito de opinar implica em responsabilidade (civil e criminal) aferida através dos meios legais. Esse bloqueio de contas em redes sociais pelo STF é um retrocesso com argumentos injustificáveis. O STF, no fundo, quer intimidar a todos e se proteger. Preocupa-nos também o silêncio conivente no Senado e Câmara. Onde estão os arautos da liberdade de expressão?

‘POLÊMICA’: O que há por trás da proposta do ministro Tóffoli (STF) de impor quarentena de 8 anos ao pessoal do Judiciário e Ministério Público para disputar eleições? Não seria uma espécie de cassação dos direitos políticos com a desculpa de aperfeiçoar o regime democrático? Mas a democracia não pressupõe o reconhecimento do direito a todo cidadão de votar e ser votado? E como a parceria da Câmara e o STF é notória, o presidente Rodrigo Maia apoia a tese de Tóffoli. Afinal a classe política não quer mais concorrência. E aí se defende como pode ‘seu pirão primeiro’.

“ ( ) Não gosta de ficar em casa? Não vai gostar do hospital. Se houver um pra você ( )...”
(Desabafo do radialista Joel Silva, internado com Covid-19)

Comentário

DOSE DUPLA: ‘Cautela e caldo de galinha...’. O ditado precisa ser seguido nestas eleições. Primeiro - é que os eventuais pretendentes portadores de algum tipo de risco de contrair o Covid-19 devam desistir da candidatura em caráter preventivo pelo ambiente natural de contato que se forma, principalmente nas cidades do interior. Segundo – é que muitos eleitores com idade (ou não) superior aos 70 anos deixem de comparecer às urnas temendo os riscos de contrair o vírus ao longo do percurso, nas aglomerações, filas, sala da seção ou no contato com o dedo com a urna eletrônica.

VEJA BEM! Independentemente do índice da evolução da pandemia, do número de infectados e de óbitos na comunidade do eleitor, o aspecto psicológico acabará sendo o fator relevante de influência. O eleitor irá pesar os riscos de ganhos e perdas (da própria vida) na decisão de ir às urnas. Situação inédita. Para o eleitor o desafio: votar ou viver? Para o candidato a escolha; o poder ou a vida? O medo ainda estará no ar. Seria o caso de questionar, por exemplo: Valdenir Machado (PSDB), aos 72 anos, diagnosticado com o Covid-19, teria a mesma disposição de disputar a prefeitura de Dourados?

À PROPÓSITO: “( ) Diante desse quadro, há quem afirme que haverá favorecimento de quem já está no poder. É aquela história: não tem tu, vai tu mesmo... Tudo indica que será isso mesmo. Mas, porém, todavia, contudo... Essa é a lógica: não se pode pensar em lógica. Mas será que 2020 haverá alguma normalidade racionalista imperativa? Não se sabe. Na minha avaliação, eu guardaria o salto alto no armário, colocaria as barbas de molho, vestiria as sandalinhas da humildade e pediria que os professores de deus falassem menos...” (Dante Filho – jornalista)

BISPOS: “Discurso de Bolsonaro não é ético e governo se baseia em ‘economia que mata’, diz carta de 152 bispos brasileiros’ (Mônica Bergamo, 26/7). Com todo o respeito aos católicos, mas alguém viu os senhores fazerem algo de peso para ajudar os mais necessitados, os pobres dos morros e favelas, os vulneráveis nos asilos, os doentes pobres? Houve dinheiro para comprar respiradores, remédios, luvas e máscaras para quem necessita? Ora, estou cansada de hipocrisias religiosas e políticas. Basta”. Carta da leitora Marly P. Leite (Ubatuba,SP), na Folha de São Paulo, em 27/07/2020).

SEM PAIXÕES: Não reclamo do valor que paguei para visitar o Museu do Vaticano. Num cálculo superficial da fatura diária conclui: Ah! se a Igreja destinasse parte desse lucro às causas sociais! A exemplo de outras seitas, ela só se prende ao discurso crítico dos problemas sociais, mas sem atitudes efetivas. Agora, a Igreja ataca o Bolsonaro, mas silenciou diante da corrupção petista e na tragédia de Mariana. É como se o desvio de dinheiro não prejudicasse os pobres. Omissão imperdoável nesta pandemia, como em outras tragédias que sangraram o Brasil e a humanidade ao longo da história. Amém!

1-DA ASSEMBLÉIA: Deputado Antônio Vaz (Republicanos): Ativo na audiência sob o Kit-Covid-19 junto com vários profissionais da saúde; Quer a distribuição do Kit-Covid à população de MS. Deputado Lucas de Lima (Solidariedade): Participou das ações legislativas no 1º semestre: 63 sessões, aprovados 24 projetos de lei, 43 decretos legislativos em 219 votações. Deputado Evander Vendramini (PP): Tem reiterado e acompanha as ações no combate aos incêndios no Pantanal; ainda pediu ao Governo Estadual a reforma de duas quadras esportivas em Corumbá.

INOCENTES: O Congresso não é abrigo de ingênuos. Ninguém chegou lá por acaso. As articulações na Câmara apontam uma disputa férrea pelo poder da Casa e por tabela na sucessão do Planalto. Anote: o PT tem 53 deputados; PSL 41; PP 40; PL 39; PSD 37; MDB 34; PSDB 32; PSB 30; PDT 28, DEM 28; SD14; Podemos 14; PTB 12; PROS 10; PSOL10; PSC 9; PC do B 8; Cidadania 8; Novo 8; Avante 7; Patriota 5; PV 4; Rede 1. São 6 partidos na oposição com 130 parlamentares; já 18 siglas com 78 integrantes são ‘independentes’; 330 deputados (devotos de São F. de Assis) que votam com o Governo ocasionalmente.

ESTRATÉGIAS: Aguarda-se os próximos capítulos após a saída do DEM e MDB do ‘blocão’ (252 deputados) onde restam PL, PP, PSD, Solidariedade, PTB, PROS, Avante. Após falhas de articulação do Planalto, Rodrigo Maia (DEM) está forte para influenciar na eleição do futuro presidente da Câmara. O deputado Baleia Rossi do MDB paulista é favorito com o apoio de Maia. Por consequência, a composição da mesa diretora ficaria em mãos hábeis com quem Bolsonaro teria que negociar em 2021, ano que antecede as eleições, inclusive quanto a um eventual impeachment presidencial. Ficaria amarrado.

MIRANTE: Essa manobra desemboca na candidatura do governador João Dória (PSDB) ao Planalto em 2002 com apoio do bloco de Rodrigo Maia e do MDB. Também passa pela eleição da prefeitura paulistana. Bruno Covas (PSDB) tentará a reeleição, mas há riscos: ele luta contra um câncer e o nome do candidato a vice pode pesar. O MDB filiou José L. Datena para a empreitada. E lembro; o atual vice de João Dória é Rodrigo Garcia (DEM), ex-deputado estadual (região de Tanabi). A eventual derrota de Covas para Marcio França (PSB), derrotado por Dória em 2018, significaria o fim do sonho do governador paulista em chegar ao Planalto. Entendeu a estratégia?

2-DA ASSEMBLEIA: Deputado Lídio Lopes (Patriota): Empenhou-se na destinação de mais de R$20 milhões aos fundos municipais de saúde e o desempenho da Casa na decretação de ‘calamidade pública’ em 45 cidades. Deputado Neno Razuk (PTB): Sancionada sua lei incluindo o nome da mulher nas contas do casal relativas a água, luz, etc. Deputado Capitão Contar (PSL): Promoveu audiência pública para debater o ‘Kit Covid’; pediu a anulação do reajuste da tarifa de energia elétrica devido a crise social; Deputado José C. Barbosa (DEM): Sua ação resultou na garantia através de decisão judicial do fornecimento de água aos índígenas de Dourados; pediu a doação de 10 viaturas novas à Polícia Militar de Dourados.

‘POLÍTICA VELHA’: Continua presente no Congresso, Assembleias e Câmaras. As alianças em nome da ‘governabilidade’ demostram isso. Por exemplo: no Governo de Fernando H. Cardoso (PSDB), o PFL (atual DEM) foi o parceiro. O presidente Lula (PT) abraçou o MDB de Sarney (líder da oligarquia e coronelismo) com assento em ministérios e órgãos. Já Dilma Roussef (PT) nem disfarçou com Michel Temer (MDB) como vice-presidente. Agora, ouço críticas do reduto emedebista contra a articulação de Bolsonaro, taxando-o de praticante da ‘velha política’. Os discípulos de Sarney; alguns já estiveram ou ainda estão presos por corrupção. Não mudam e estão por aí.

CARTEIRADA: Uma ‘cultura’ que sobrevive ao longo do tempo. Quem deveria ser referência é mau exemplo. O episódio do desembargador que não aceitou ser multado pelo guarda municipal, humilhando-o, é apenas mais um. Aposto; em algum lugar do país estará ocorrendo um tipo abuso. O caso só ganhou destaque porque foi gravado pelo celular. Mas daí imaginar que o desembargador será punido é inocência pura. Pelo que vemos nas altas cortes da justiça - não se deve esperar muita coisa. Sem hipocrisia! Fico imaginando: O que um juiz inglês, por exemplo, pensaria deste seu ‘colega’?

INQUIETUDE: Não faltam na mídia publicações abordando a pandemia ds Covid-19. Elas se baseiam em pesquisas, artigos de especialistas e teses que saem da ciência e adentram a religiosidade. Mas no fundo, todos querem sobreviver. É uma espécie de gincana onde cada um precisa fazer sua parte para ter reais chances de se sair bem. Pelo que vemos aqui na capital, falta conscientização das pessoas. Talvez só com a morte de um vizinho, amigo ou parente, haja mudança de postura. Eu disse talvez!

PLIM...PLIM!: A crise atual na Rede Globo não é consequência exclusiva desta pandemia. As demissões milionárias e o corte de despesas, (antes banais) começaram no final de 2019. Evidente, as verbas generosas do Governo Federal e as benesses de crédito que usufruía formavam ‘binômio formidável’ para os cofres da emissora. O festival de exclusividade ‘global’ começou a ruir com a Medida Provisória sobre os direitos de transmissão das partidas de futebol. O temor é que o ex-jogador Casagrande, travestido agora de analista político, acabe ocupando a bancada do JN. Aí seria demais!

3-DA ASSEMBLEIA: Deputado João H. Catan (PR): Sua candidatura a prefeito da capital e a postura dos poderes públicos contra o Covid-10 tem merecido sua atenção. Deputado Marçal Filho (PSDB): Pede maior rigor no monitoramento de pacientes com Covid-19, inclusive para aqueles que estão em casa. Comemora a nomeação dos 253 agentes da Agepen. Deputado José Teixeira (DEM): Após sugerir o exame Covid-10 nos funcionários, determinou a desinfecção do prédio da A. Legislativa. Deputado Gerson Claro (PP): Ligado ao ensino elogia a aprovação do. Visitou o hospital e a APAE de Sidrolândia que receberam recursos de suas emendas parlamentares.

LEMBRADO: Numa ‘live’ recente com Felipe Neto, o ministro Luiz Barroso do Supremo Tribunal Federal, ao discorrer sobre sua vida acadêmica acabou por citar o deputado federal Fabio Trad (PSD) como exemplo único dentre seus ex-alunos de faculdade que entraram para a política. O ministro elogiou a conduta do parlamentar e conclamou que outros seguissem seu exemplo. Muito bom mesmo.

ANSIEDADE & SOLIDÃO: “A mídia fica em uma saia justa. Ela tem de informar. Ao mesmo tempo, sabe que o receptor é mórbido. Ele fica com medo, mas se interessa. Quanto mais você vive, mais ansioso fica na tentativa de encontrar sentido para a vida. Vivemos bastante, e ao longo da vida vamos cada vez mais nos aprofundando nesse jogo que envolve a pressão pelo sucesso. Vamos nos isolando. Nós vivemos a epidemia de solidão. Pessoas de várias idades e gerações afetadas. Um exemplo real de agora: o quando cada um de nós já leu sobre imunização, medicamentos e sintomas. É tanta informação disponível.. Imagina o nível de ansiedade.” (Luiz Felipe Pondé)

“Temia-se pela Ditadura Militar mas veio a Ditadura do Judiciário” (no facebook)

.

Comentário

ABUNDÂNCIA: Em cada quarteirão ou família haverá um candidato a vereador neste Brasil de meu Deus. O brasileiro tem a mania de ‘maioral’, mas a fartura de candidatos não é indicativo seguro de evolução e o fim de praticas proibitivas. Pesquisas mostram que dentre as razões para o ingresso na política está a compensação financeira. O grande número de candidatos que possamos ter, não garantirá a eventual melhora do nível que há muito tempo tem inspirado piadas e comparações pejorativas. Não será por acaso se também neste pleito tivermos um alto índice de abstenções de votos para a vereança.

VERDADE: Para o eleitor, da pequena, média e grande cidade, a escolha do vereador não é prioridade quando vai as urnas. É normal a escolha de última hora, sem critério ou motivação relevante. Simpatia, amizade e retribuição de favores pesam mais na escolha do que as qualidades como cultura, honorabilidade e caráter. A culpa disso é de ambos. Primeiro - do eleitor, que enxerga a vereança com descrédito; segundo – do próprio vereador, que não zela e não contribui pela melhoria de sua imagem e da Câmara.

QUANTIDADE X QUALIDADE: Culpa sadia da democracia que proporciona a todos segmentos sociais, ideologias e tendências apresentarem suas propostas de governo nos municípios. Em tese – quanto mais opções ao eleitor, melhor! Mais uma vez aqui em Campo Grande o eleitor não poderá alegar que nenhuma das alternativas lhe satisfaz. Pelo menos 14 candidaturas a prefeito anunciadas, proporcionando um leque de opções. Mas quantos ou quais dos possíveis candidatos tem condições de administrar a capital? Mais uma vez não seria a velha busca pelos holofotes?

GAVETAS: ‘Instituição’ nacional, no Judiciário, Legislativo e órgãos públicos em geral. É o caso do projeto contra o Foro Privilegiado, do senador Álvaro Dias (PR-PR) apresentado em 2013. Após 3 anos foi aprovado no Senado, está na Câmara há mais de 38 meses e engavetado após aprovado nas duas principais comissões. O tempo passa; políticos denunciados poderão ser beneficiados pela prescrição. Caso de Rodrigo Maia, presidente da Câmara (DEM-RJ) (‘propinas Odebrecht’). Como diz Álvaro Dias: “o ‘foro privilegiado’ é um guarda chuva protetor dos malandros de colarinho branco”.

SEMPRE ASSIM... Na hora agá eles se entendem. Quando o cerco contra o senador José Serra (PSDB) estava se fechando aparece o presidente do senado Davi Alcolumbre para pedir ao STF a suspensão das ações. Aí entrou em cena o ministro Dias Tóffoli para atendê-lo de pronto. O mais ‘interessante’ é que Serra alegou a prescrição amiga dos fatos, mas não entrou no mérito das provas do envio do dinheiro para o exterior. E mais: a imprensa lembrando que em caso recente e idêntico contra o líder do Governo no Senado, Tóffoli ordenou a busca e apreensão de documentos em seu gabinete.

SIMPLES ASSIM!: Os termos e pegadinhas do projeto da Reforma Tributária dificultam o seu entendimento. Pela nossa cultura tributária, desde o ‘Brasil Colônia’, parece que só haverá simplificação no cálculo dos impostos. O Governo proporcionará maior pragmatismo, mas abrirá mão ou diminuirá a ‘mordida? Sairemos do fundo poço? Como acreditar com a gastança da máquina pública, do Judiciário e Legislativo? Os políticos torcem o nariz sobre isso. Aliás, jamais ouvi um político elogiar o vídeo na internet mostrando a simplicidade dos políticos no parlamento da Dinamarca.

‘PODER INDOLOR’: Certeiras as ponderações do presidente da Federação das Industrias de MS – Sérgio Longen a respeito do projeto da Reforma Tributária. Cito aqui esse trecho: “...( ) ...O único ponto em comum que os governadores tem nessa pauta é a unanimidade de propor aumento de imposto. Mesmo assim o ensejo da Reforma Tributária nos dá a necessidade de discutir o destino dos valores arrecadados com os impostos. A sociedade tem pouca participação nesse destino. O poder público, acaba não sentindo a dor do cidadão, do empresário.”

RUBEM ALVES: “As palavras só tem sentido se nos ajudam a ver o mundo melhor. Aprendemos palavras para melhorar os olhos. Há muitas pessoas de visão perfeita que nada veem. O ato de ver não é coisa natural. Precisa ser aprendido. Quando a gente abre os olhos, abrem-se as janelas do corpo e o mundo aparece refletido dentro da gente. São as crianças que, sem falar, nos ensinam as razões para viver. Elas não tem saberes a transmitir. No entanto, elas sabem o essencial da vida. Quem não muda sua maneira adulta de ver e sentir e não se torna como criança, jamais será sábio.”

‘ESCOLHA DE SOFIA’: Governantes inconsequentes sempre povoaram esse pais. Estádios suntuosos (Copa), Vila Olímpica (Olimpíadas ) e até um aquário (‘do Pantanal’) viraram prioridade prejudicando a saúde e a educação. Na outra ponta essa pandemia tem proporcionado situações frequentes nos hospitais, onde aos médicos cabem a dolorosa escolha dos pacientes a serem internados ou salvos. Essa situação remete-nos ao filme ‘Escolha de Sofia’, onde a mãe (atriz Mary Streep) é obrigada pelos nazistas a escolher qual dos seus dois filhos seria poupado da morte.

SANEAMENTO: As notícias sobre o assunto passam despercebidas pela maioria dos leitores, mas o assunto merece espaço aqui. Veja o ranking das 20 cidades com melhor saneamento: Santos, Franca, Maringá, São José do Rio Preto, Uberlândia, Piracicaba, Cascavel, São José dos Campos, Ponta Grossa, Vitória da Conquista, Limeira, Campinas, Londrina, Taubaté, Suzano, Campina Grande, Curitiba, Niterói, São Paulo e Petrópolis. O pior: 17% dos brasileiros não são abastecidos com água; 48% sem coleta de esgoto; 59% sem esgoto. A maioria das cidades de MS longe da situação desejada.

GARANTIDO NÔ!: Tamanho não é documento. Quem não é o maior tem que ser o melhor. Esses dois adágios populares são aplicáveis a Akira Otsubo que aos 82 anos é o atual vice prefeito de Bataguassu. Seu currículo: Fotógrafo, iniciou na política como vereador em Três Lagoas pela Arena em 1970. Após 3 mandatos chegou à Assembleia Legislativa em 1978 pelo MDB cumprindo 7 mandatos. Suplente na Câmara Federal foi titular em 2013 e 2014 na vaga de Edson Giroto (MDB). Esse é o Akira!

‘NA INTERNET’: “O poder econômico está no agronegócio, 40% do PIB contra 14,5% da indústria. O petróleo? Caminha para o funeral... Cadê o poder dos sindicatos, da mídia tradicional e do MST? Só uma empresa de energia solar no norte de Minas vai gerar até 2022 a metade de Itaipu sem dinheiro público... O poder mudou de mãos! Mesmo com a pandemia o agro continua crescendo. O Brasil que está crescendo não é socialista. Não está no Rio e nem em São Paulo... Vejam o projeto ferroviário em andamento... A Embrapa, criada pelo general estrategista Geisel, é pura tecnologia em seus 41 centros de pesquisa cheios de PHDs... Acordem! O poder mudou de mãos.”

ALELUIA!: O embate entre Governo e Câmara resultou na vitória da educação com a aprovação do Fundeb (criado em 2007 e com final previsto para 31 de dezembro deste ano). Com isso haverá condições de diminuir a desigualdade social e aumentar os atuais 10% do Governo para 23% a partir de 2026, dos quais 5% serão destinados ao ensino infantil. Os 77% restantes serão de responsabilidade dos Estados e municípios. Apesar dos pesares, das trombadas e trocas de ministros da Educação, o atual Governo está fazendo aquilo que o PT estando no poder não conseguiu fazer. Correto?

A PROPÓSITO: Falei com o deputado Gerson Claro (PP), sobre a consolidação do Fundeb. Professor por formação, ele têm convivência frequente com os profissionais da educação e os problemas do setor. Não escondeu seu entusiasmo lembrando que o Fundeb concentra mais de 60% dos recursos da educação básica, é responsável pelo atendimento escolar em mais de 70% dos municípios. Lembrou ainda que 45 milhões de estudantes dependem do fundo para ter acesso a educação. Para ele, a consolidação do Fundeb será também um alívio aos municípios. ‘Vitória da educação’, finalizou.
.
JUNTOS? A especulação fermenta o noticiário. O ex-juiz Sergio Moro disse em entrevista que Bolsonaro e Lula não tem agenda anticorrupção. Opinião que revela pretensões políticas. Já o ex-ministro da Saúde Luiz H. Mandetta (DEM) é outro personagem que deixou o Governo em alta e que já admite disputar o Planalto. Mas, ambos teriam penetração na mesma faixa do eleitorado. Os dois precisarão saber ocupar o espaço político até lá. Conseguirão? Mas pergunto: dependendo das costuras e do cenário os dois não poderiam estar juntos? Especular é preciso. Faz parte.

PONTO FINAL: “...( ) Vivemos hoje em uma sociedade de risco. A riqueza é concentrada, mas os perigos são compartilhados. O tempo é de medo, confinamento, incerteza, vulnerabilidade, emergência. Estamos diante de extremos – o melhor e o pior de nós. Esta pode ser uma oportunidade de um novo estar no mundo. O processo, gerado pelo vírus, acelerou as assimetrias e os egoísmos do velho mundo? Ou vai nos fazer entender que estamos no mesmo barco diante da mesma tempestade. Guimarães Rosa já dizia: “Viver é perigoso”. Juntos experimentaremos a vulnerabilidade e chegaremos a tempo de renascer e dar valor a vida humana...” (Alfredo Fedrizzi)

“Que crise? Que crise? Deputados e senadores recebem o 13º adiantado” (no facebook)

Comentário

Página 1 de 27
  • unigran novo

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis