Menu
Buscarterça, 16 de abril de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
23°C
Economia

Três em cada dez mulheres deixa emprego para cuidar dos filhos

01 março 2011 - 20h20Por Redação Douranews, com Band

Em famílias com filhos pequenos, o homem deve trabalhar, e a mulher ficar em casa cuidando das crianças. Isso é o que pensa a maioria dos brasileiros, de acordo com a pesquisa “Mulheres Brasileiras e Gênero nos Espaços Público e Privado”, realizada no ano passado pela Fundação Perseu Abramo e pelo Sesc.

Entre as entrevistadas, 75% concordam com essa idéia. Entre os homens, 79%. E esse é, segundo o estudo, o principal motivo para as mulheres nunca terem trabalhado ou terem largado o emprego em 2010.

Enquanto 28% dizem que nunca trabalharam por essa razão, 30% largaram os empregos porque ficaram grávidas ou para se dedicar às crianças.

Outra idéia ainda forte é a de que os homens devem sustentar a casa. Com isso concordam 51% das mulheres e 62% dos homens.

Outros temas

A pesquisa também traz dados sobre violência doméstica, aborto e satisfação com a aparência. A barriga e o peso são os principais motivos de queixas entre as mulheres. Do total, 47% disseram estar insatisfeitas com algo em seu corpo, sendo que 15% apontaram a barriga, e 14%, o excesso de peso.

Quando o assunto é a vida sexual, 68% disseram estar totalmente satisfeitas. Entre elas, a maioria (41%) teve a primeira relação entre os 16 e os 18 anos. Além disso, uma em cada quatro mulheres fez sexo pela primeira vez até os 15 anos, e 7%, com mais de 25 anos.

Um dado preocupante é que apenas 25% disseram ter usado camisinha na última relação sexual (entre os homens, foram 30%). O motivo apontado pela maioria para o não uso do preservativo foi à confiança no parceiro.

Violência

A violência doméstica já atingiu 40% das brasileiras, sendo que as mais freqüentes são o controle das atividades e a agressão ou ameaça tanto física quanto psíquica.

A pesquisa aponta que 8% dos entrevistados contaram já ter batido na parceira, sendo que 6% deles acham que “uns tapas de vez em quando é necessário”. Para os outros 2%, “tem mulher que só toma jeito apanhando”. O estudo ouviu 2.365 mulheres e 1.181 homens, com mais de 15 anos.