Menu
Buscarsexta, 24 de maio de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
19°C
cmd nao
Educação

Defesa de TCC em Guarani emociona na Uems

01 dezembro 2016 - 21h54

O acadêmico Reseno Jorge, do curso de Letras Português/Espanhol, da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), foi o primeiro aluno da Instituição a apresentar oralmente o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) em Guarani, também, pela primeira vez, com uma banca avaliadora de professores fluentes no idioma.

A apresentação foi feita em Português e Guarani, com parte da arguição apenas em Guarani, no dia 21 de novembro. Para o professor Adilson Crepalde, orientador do trabalho, a apresentação foi um motivo de orgulho e emoção para os cursos de Letras da Universidade.

“Nós abrimos as portas para uma língua que é considerada minoritária, mas na verdade não é. E quando a defesa é feita em Guarani nós realmente valorizamos a língua de quem está fazendo o trabalho. Foi muito interessante perceber, que no momento que ele pode defender em Guarani as coisas fluíram com mais naturalidade, embora ele também fale Português. O próprio diálogo que foi feito entre um membro da banca e ele em Guarani, foi bem diferente do que se tivesse sido feito em Português”, ressaltou.

Na foto o acadêmico com os professores e familiares

Professores e familiares se empolgaram com apresentação do acadêmico na Uems

Reseno Jorge é indígena da etnia Kaiowá, morador na Aldeia Panambi, em Douradina, falante da língua Guarani desde o nascimento, e começou a ter contato com o Português aos dez anos de idade. Em seu TCC decidiu investigar os empréstimos linguísticos que a língua Guarani tem em relação ao Português, ao Espanhol e até ao Inglês.

“Como estudante universitário, entrei em contato com várias disciplinas e também participei de muitos encontros de indígenas e motivei-me a querer saber porque a gente usa tantas palavras de outras línguas”, ressaltou.
O trabalho identificou também que os mais velhos usam uma língua com menos empréstimos de outros idiomas, sendo que a língua utilizada nos rituais não possuem esse empréstimo, se configurando como uma língua mais próxima da original.