Menu
Buscarsegunda, 27 de maio de 2024
(67) 99913-8196
Dourados
13°C
Educação

Ex-ministra da Igualdade Racial abre congresso de professores negros na Uems

23 janeiro 2017 - 11h07

A Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) abre hoje (23), em Dourados, o IX Congresso Brasileiro de Pesquisadores/as Negros/as – o Copene, considerado o maior evento nacional da área e realizado em parceria pelo Cepegre (Centro de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação, Gênero, Raça e Etnia) e a ABPN (Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as). O evento vai até sábado (28), com várias atividades.

Na abertura, marcada para às 19 horas, no Teatro Municipal de Dourados, no Parque dos Ipês, o IX Copene receberá a professora Nilma Lino Gomes, da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Ex-ministra do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial, da Juventude e dos Direitos Humanos, Nilma discorrerá sobre o tema que define esta edição do evento: “Novas Fronteiras da Intolerância Racial: Velhas Práticas de Discriminação e Novos Espaços – Universo Web”. A palestrante de abertura do IX Copene é doutora em Antropologia social pela USP e professora adjunta da Faculdade de Educação da UFMG, onde coordena o Programa Ações Afirmativas na UFMG e membro da equipe do Programa Observatório da Juventude pela mesma universidade. Produziu vários livros sobre questão racial.

Com mais de 200 trabalhos inscritos em 22 GT´s, o IX Copene terá entre suas atividades, oficinas, mesas redondas, palestras e cinco grandes conferências com personalidades reconhecidas em nível nacional e internacional pelo pioneirismo no estudo e pesquisa sobre a temática da negritude.

Para a coordenadora do Cepegre/UEMS, Maria José Alves de Jesus Cordeiro, o evento demonstra a força da Uems no cenário dos debates sobre questões étnico-raciais em nível regional e global. “O IX Copene tem como objetivo geral reunir pesquisadores/as negros/as para discutir, apresentar, ampliar e avaliar as ações e estratégias de combate ao racismo, às políticas públicas direcionadas à população negra brasileira e as produções científico-acadêmicas elaboradas nas últimas décadas”, informa.